Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Marcha da Maconha distribui drogas no centro de São Paulo

Sociedade

Comportamento

Marcha da Maconha distribui drogas no centro de São Paulo

por Piero Locatelli — publicado 02/04/2013 18h22, última modificação 03/04/2013 10h14
Substâncias lícitas como tabaco, cachaça e energéticos foram entregues em protesto contra nova lei das drogas
protesto3

Durante a manifestação, no Viaduto do Chá, região central de São Paulo, os organizadores distribuíram bebidas alcoólicas, cigarros, chás e doces. Foto: Marcelo Camargo/ABr

O movimento Marcha da Maconha distribuiu drogas legalizadas como tabaco, álcool, açúcar e energético no centro de São Paulo nesta terça-feira 2 de abril. Eles protestavam contra o projeto de uma nova lei de drogas que está pronto para votação no plenário da Câmara dos Deputados. Segundo a polícia, cerca de 120 pessoas participaram da manifestação.

Cigarros, trouxas de açúcar, cachaça, chimarrão, conhaque e outros produtos foram colocados no viaduto do Chá. Lá, as pessoas poderiam pegá-los gratuitamente. Substâncias ilícitas não foram distribuídas no local.

A militante e jornalista Gabriela Moncau, de 23 anos, disse que a ideia era escancarar a "hipocrisia das políticas sobre drogas", que, segundo ela, não é baseada em critérios de saúde ou de segurança pública. “A guerra as drogas define algumas que podem e outras que não podem ser consumidas. Esse critério não tem nada a ver com saúde, tem a ver como questões políticas e econômicas,” diz Moncau.

Moncau diz que o movimento adotou um formato irônico para gerar mais curiosidade sobre o assunto.  “No momento em que distribuímos álcool, queremos chamar a discussão que ele é uma das drogas mais prejudiciais e que mais causam malefícios. Atinge muito mais pessoas, por exemplo, que o crack. No entanto, ele é estimulado, naturalizado e tem até propaganda.”

“Projeto de lei é retrocesso”

O grupo organizador da Marcha da Maconha critica o projeto de lei do deputado Osmar Terra (PMDB-RS), que está pronto para ser votado no plenário da casa. Segundo o movimento, a proposta é um retrocesso, pois “mantém a falta de critérios para diferenciar usuário e traficante, dando margem a interpretações subjetivas e preconceituosas.”

Entre os pontos criticados do projeto está a criação de um Cadastro Nacional de Usuários da Droga. Para o movimento, isso aprofundaria o preconceito já sofrido pelos usuários.

O projeto também deve aumentar o número de encarcerados no país, já que estabelece penas maiores para quem portar substâncias com “alto poder de causar dependência”.

Outro ponto criticado na lei é o aumento do investimento em equipamentos privados e religiosos. Para os militantes “trata-se da privatização da saúde e de violação do estado laico”.

registrado em: