Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Feminismo não é opinião

Sociedade

Feminismo

Feminismo não é opinião

por Joanna Burigo publicado 23/03/2016 04h38
Tentar fechar um debate com a cartada da “opinião” demonstra pouco além de falta de vontade para dialogar
Tânia Rego/Agência Brasil/Fotos Públicas
Passeata no Rio de Janeiro contra a violência contra a mulher

Grupo realiza manifestação em defesa dos direitos das mulheres, no Rio de Janeiro

Relacionamo-nos com a realidade através da seara do simbólico. Palavras, bandeiras e conceitos são frequentemente disputados e utilizados como representantes de verdades absolutas.

O pensamento feminista que informa minha práxis profissional busca evitar, a todo custo, quaisquer essencialismos, bem como fomentar o valor democrático da pluralidade de juízos.

Para muitas pessoas, tomar posicionamento discursivamente (em outras palavras: expressar seu posicionamento) acerca de ser feminista ou não, é algo difícil, justamente porque muitas não se sentem contemplada pelos discursos feministas que já estão disponíveis.

No entanto, apesar de suas múltiplas vertentes e correntes, o feminismo continua sendo o movimento que luta por equidade política, social e econômica, conforme ela é observada pelo viés das mulheres.

Para isso, precisamos expor e revelar as instâncias onde estas desigualdades ocorrem – e, dado que nem toda injustiça procede da mesma forma para todos os grupos, inevitavelmente haverá divergências.

Por causa disso, é importante nutrir a capacidade de reflexão para além de quaisquer essencialismos – e esta pode ser estimulada através do hábito dialético.

O que é a dialética? Em termos simples, é a arte do diálogo, ou da argumentação através do questionamento interativo. O hábito dialético fomenta a capacidade de distinguir os conceitos que perpassam uma discussão, para iluminá-la, e possibilita que argumentos sejam montados por meio do debate informado.

A dialética requer escuta generosa, sem a qual a interação perde o caráter dialógico e se torna nada além de dois monólogos concomitantes. Na dialética, com as interlocutoras devidamente engajadas no processo, contrapõem-se ideias para que, delas, sejam tirados novos entendimentos que expressem a validade, ou não, do que está sendo discutido.

Se um debate – qualquer debate – propõe-se a caminhar em direção a uma verdade – qualquer verdade – qual interpretação dos termos que constituem tal verdade é a mais válida? O que acontece quando uma verdade que possa ser assimilada por posições interpretativas distintas não é engendrada? E quem tem o direito de definir do que consiste a verdade?

Especialistas são pessoas treinadas para uma atividade específica, e que detêm grande conhecimento, teórico ou prático, sobre esta atividade. Mas a dialética não requer que suas interlocutoras sejam especialistas no assunto em questão para funcionar.

Basta estar aberta à multiplicidade interpretativa que cada debate engendra, e disposta a acreditar que a assimilação de teses divergentes possa produzir argumentos mais robustos.

Infelizmente, no calor de muitos debates – políticos, feministas, interpessoais – a dialética é esquecida, e discussões que poderiam ser elucidativas se transformam em fervorosos embates ideológicos. É na ausência de disposição para a dialética que se produz a polarização.

No debate, é fundamental que polarizações sejam desfeitas para que não se estabeleça o ódio à oponente. A capacidade de simpatizar com os argumentos apresentados pela outra, sem tornar esta outra em um ser abjeto, condiz com o ideal democrático.

A falta de empatia para com a posição da outra é fruto de uma falta de vontade, ou capacidade, de pensar para fora de nossas próprias impressões. É aqui que entramos na seara perigosa das opiniões.

A opinião de uma pessoa é aquilo que ela acredita ser verdadeiro. Opiniões representam as crenças ou atitudes de determinados indivíduos (ou grupos) em relação a quaisquer realidades.

Nossas vivências pessoais são subjetivas, e é um direito aplicar conhecimento empírico e experimental às grandes questões da existência. É desta ação que nascem as impressões que temos a respeito do que constitui nossas vidas.

Acreditar piamente que o conhecimento empírico e experimental que nutrimos é, porém, suficiente para engendrar análises rigorosas a respeito do que vivemos é o que produz "opiniões".

Ter uma impressão, ou uma opinião, a respeito de algum tema – por mais pautadas na vivência e na experiência subjetiva de cada uma que estas impressões e opiniões estejam, e por mais sentido que elas façam – não conta como análise.

Isso porque é preciso compreender que impressões e opiniões estão, necessariamente, restritas ao escopo das experiências pessoais. É por isso que impressões e opiniões, apesar de válidas, constituem apenas parte de qualquer discussão séria.

Aquelas que se engajam com um tema para aquém e além das impressões e opiniões pessoais, e aplicam métodos rigorosos de raciocínio crítico à dialética, têm o dever, numa discussão, de apontar que uma análise está mal articulada por ser pautada apenas em uma vivência particular. Isso não é arrogância. É método.

A manifestação de uma opinião travestida de análise acontece com frequência – e não me escapa a ironia de eu estar engendrando uma análise crítica acerca de opiniões em um espaço no site dirigido para opiniões.

Em relação ao feminismo, algo assim aconteceu recentemente: uma atriz famosa desvelou suas opiniões a respeito do movimento, pautando seu parecer apenas em sua experiência pessoal. Trata-se do episódio envolvendo a atriz Fernanda Torres, que se manifestou por meio de um espaço de colunista no jornal Folha de S.Paulo.

Fazendo isso, ela interpelou a dialética, negligenciando a multiplicidade de motivos pelos quais muitas mulheres se identificam como feministas, bem como a imensa variedade interpretativa do próprio projeto feminista.

A resposta das feministas acabou por estimular um processo dialético em rede nacional, que culminou com uma retratação e pedidos de desculpa por parte da atriz.

Os argumentos utilizados pelas feministas que se dispuseram a dialogar a este respeito foram todos pautados nas vivências de mulheres reais, mas também eram analíticos para além das experiências pessoais, e baseados em julgamentos sociais consistentes. O machismo, afinal de contas, mata.

É válido opinar a partir de seu próprio entendimento, mas é igualmente recomendável que se esteja disposta a assimilar a multiplicidade de outros eixos interpretativos. Aplicar o entendimento oriundo das experiências pessoais ao conhecimento é importante, mas acreditar que são apenas as vivências pessoais o que determina e ilumina o debate acerca de um assunto é miopia.