Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Em Manaus, escolas geridas pela PM impõem rotina militar aos alunos

Sociedade

Amazonas

Em Manaus, escolas geridas pela PM impõem rotina militar aos alunos

por Rosana Villar — publicado 24/02/2016 03h37
Em expansão na capital do Amazonas, modelo aplica regras rígidas de comportamento aos alunos e pais
Andre Coelho / OGlobo
PM inspeciona uniforme de aluna em Manaus

Aluna passa por inspeção no uniforme na entrada da escola em Manaus

De Manaus

Na fachada da pequena unidade localizada na rua Japurá, zona centro-sul de Manaus, lê-se em letras colossais: “Disciplina, Honra e Educação”, nessa ordem. Esse é o lema das Escolas Militares da Polícia Militar, repetido como uma espécie de código secreto entre alunos e ex-alunos da instituição.

O recado não poderia ser mais claro. Ali, a disciplina é o componente principal do ensino e as regras militares são tão comuns no dia a dia escolar quanto passar bilhetinho para o colega durante a aula de Matemática – o que, aliás, é proibido. 

Existem normas rígidas quanto à higiene pessoal e ao estado do fardamento, que deve estar sempre limpo e completo. O cabelo das meninas deve ser usado preso em coque e o dos meninos cortado no “estilo militar”, com máquina dois no pé e três no topo. Menino com cabelo grande demais volta para casa e só retorna às aulas depois de uma visita ao barbeiro. 

Além de manter posição durante o início da aulas e cantar o hino diariamente, os alunos devem bater continência para os comandantes e superiores, assim como para os alunos que tiram as melhores notas, considerados “oficiais” da sala. 

“Os alunos que andam com o brasão preto no braço são os que tiram as notas mais altas, daí tem que bater continência para eles. Mas ninguém gosta muito de estar nessa posição, porque acaba ficando mal falado, é zoado”, conta Thiago Azevedo, de 13 anos. 

O namoro também é estritamente proibido, assim como beijos e amassos. Sentar do lado pode. “Mas só se ninguém perceber que é um namoro”, ressalta Gener Bisneto, de 12 anos. 

A adaptação às regras do regime militar escolar foi um pequeno choque para a estudante Millena Alkimin, de 13 anos, há três matriculada na unidade de Petrópolis. Para ela, cumprir todas as regras é algo que consome muito tempo. 

Escola Waldock Lyra
Manter posição, cantar o hino diariamente e bater continência para os comandantes e superiores faz parte do cotidiano escolar

A esmagadora maioria dos pais considera a rigidez das normas fundamental para a melhora do desempenho dos filhos, dentro e fora da escola. Mas para a jornalista Nathane do Valle, ex-aluna do primeiro CPMP, a exigência por disciplina dificulta o desenvolvimento crítico. 

Segundo Nathane, havia controle pedagógico sobre o conteúdo de certas disciplinas. “No ensino médio as disciplinas de sociologia e filosofia eram ensinadas por soldados. Eles entravam fardados e em vez de explicar as teorias, eram aplicados os valores deles, prender e matar bandido, quem estuda vai ser dar bem na vida. Eram palavras meio abusivas”, lembra. 

Até 2015, Manaus contava com quatro escolas estaduais geridas sob este modelo, um convênio firmado entre a PM e o estado, no qual o governo entra com o dinheiro e as instalações e a PM com a administração física e pedagógica das unidades. Em 2016, a entrega de mais quatro escolas à gestão militar ampliará o número de alunos atendidos pelo modelo em 104%, chegando a 20.855.

Os bons resultados e os índices de aprovação em universidades obtidos pelas escolas da Polícia Militar são a principal justificativa tanto para a expansão da rede como para o esforço, de tempo e dinheiro, desempenhado pelos pais.

A unidade de Petrópolis registrou, em 2013, a segunda maior nota no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)  do estado, 7.1 na primeira etapa do ensino fundamental. Muito acima dos 5.1 da média do sistema estadual de ensino. 

No ano passado, o colégio Waldocke Fricke de Lyra levou uma medalha de ouro, duas medalhas de prata, dez medalhas de bronze e 22 menções honrosas nas Olimpíadas Brasileiras de Matemática (Obmep). Mas para uma leitura completa dos fatos é preciso acrescentar a esta equação o fato de que em algumas unidades, o principal critério de qualificação para uma vaga é o resultado escolar pregresso, ou seja: notas excelentes. 

Melhores alunos, melhores resultados. “Em qualquer lugar do mundo é assim. As universidades do Brasil são assim e são as melhores não por sua estrutura, mas porque têm os melhores alunos”, observa o secretário de educação do Amazonas, Rossieli Soares da Silva. 

O dirigente da Seduc esclarece que a seleção por notas é regulamentada pelo decreto que normatiza a parceria entre o estado e a PM, e acontece nas unidades de Petrópolis e da Cidade Nova. Nas outras, o principal critério é a residência do aluno, que deve estar no raio de 2 km da escola – o segundo critério é a nota. 

Mas talvez o pulo do gato das escolas militares não esteja no fato de selecionar os melhores alunos, de possuir renda própria ou de disciplinar com guia curta seus alunos, mas sim, o apoio da comunidade. A mesma disciplina exigida dos alunos, ou até mais, é exigida dos pais, que são literalmente obrigados a participar da vida escolar do filho. Não se trata de um convite para decidir pelo futuro da escola, mas uma convocação militar. 

Na tumultuada saída do período vespertino do colégio de Petrópolis, os 2.400 alunos de uniformes azuis e vermelhos espremiam-se para encontrar os pais, em dois portões. Um indivíduo, com farda completa da PM, destacava-se na multidão. O diretor da escola acompanha pessoalmente as entradas e saídas, onde, entre uma continência e outra recebida pelos estudantes, ouve os pais e os cumprimenta nominalmente. 

“O diferencial é a educação, mas boa parte dela vem de casa. Os resultados, os índices de aprovação em vestibular são muito bons. Mas para isso os pais têm de trabalhar com a escola, pois a escola sozinha não adianta”, resume a mãe, Andreza Sampaio.