Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Divando na foto do Facebook: Os limites entre elogio e do assédio machista

Sociedade

Opinião

Divando na foto do Facebook: Os limites entre elogio e do assédio machista

por Rosana Pinheiro-Machado publicado 26/11/2014 05h59, última modificação 26/11/2014 12h16
Nas redes sociais, o limite entre o elogio e o assédio foi muito pouco discutido, e isso é alarmante: estamos permitindo que os princípios sutis que incentivam a violência conta a mulher se reproduzam
Reprodução
Selfie

O fato de eu – ou qualquer outra mulher – “querer divar” em suas selfies não autoriza cantadas machistas públicas ou via “inbox”

Recentemente, postei uma foto no Facebook em que eu propositalmente fazia a pose de “estou divando, e daí?”. (A propósito, um armário de 10x sem juros das Casas Bahia ao fundo dava um charme grassroots todo especial). Nela, eu brinco de mim mesma, desafiando uma série de estereótipos do que é esperado de uma mulher intelectual e de esquerda.

Eu tenho feito isso há alguns anos. Nos últimos tempos, tenho sido promovida de "loira burra" a algo como "diva da esquerda caviar". De certo modo, minha imagem (ou parte dela) passou a ser mais legitimada socialmente. Graças ao fato de eu ter envelhecido e me tornado professora, bem como graças a uma parte do movimento LGBT (que fez emergir o elogio à divação), hoje sou mais aceita por mulheres que outrora me viam como uma aberração loira nos corredores do curso de Ciências Sociais.

Por outro lado, assim como muitas mulheres, sou pijamenta na maior parte da minha existência (por favor, meninos, o pijama da realidade de uma mulher é muito diferente do pijama de suas imaginações). Não tinjo mais meu cabelo, vou trabalhar todos os dias de tênis, a mesma calça jeans e regata até a exaustão, cabelo preso, olheiras e as unhas comidas pela ansiedade. Bolsas, maquiagens e esmalte: não vejo há anos! Minha mãe, que já fora Miss, não entende o porquê do mesmo moletom todos os dias, e quando vamos a um restaurante ela sempre me diz: “Mas vai de mochila?”.

Não acho que isso me faça mais ou menos mulher. Não vejo nenhuma hierarquia de valor entre a loira de unhas vermelhas e a morena de unhas roídas. Eu só acho que não tenho saco nem tempo para estar montada no salto. Mas também existem aqueles raros momentos em que eu quero saborear o prazer de me arrumar, me maquiar, divar soberana e, é claro, sambar de salto fino na cara da sociedade. Tudo isso é permitido dentro do princípio meu corpo, minhas regras – que, infelizmente, é entendido por muito poucos.

“Divar” integra um jogo profundo de representações corporais e regras sexuais implícitas que são desigualmente distribuídas entre homens e mulheres. No mundo das redes sociais, o limite entre o elogio e o assédio foi muito pouco discutido. Isso é alarmante. Afinal, as formas de reprodução de poder da dominação masculina são invisíveis e, sem perceber, estamos permitindo que os princípios sutis que incentivam o estupro e a violência contra a mulher se reproduzam por diversos mecanismos que levam sempre – por caminhos diferentes e reinventadosà objetificação da mulher.

Em um ato recente de divação, ao postar a minha foto posando no armário das Casas Bahia, recebi muitas respostas elogiosas que se comunicavam harmoniosamente com minha brincadeira. Homens e mulheres respondiam no mesmo tom, me chamando de “musaaaa” e “divaaaa”.

Como a minha linha do tempo é infestada de comunas da minha laia, a grande maioria dos comentários sabiam brincar (e, por vezes, elogiar sinceramente) dentro de códigos tácitos que respeitam a minha integridade. E isso é positivo. Desde que a igualdade de gênero seja estabelecida, não precisamos caminhar para um individualismo assexuado anglo-saxão. A sexualidade pode e deve ser celebrada, desde que isso seja um caminho de mão dupla ou multivetorial. O problema é que não é.

O fato de eu – ou qualquer outra mulher – “querer divar” não autoriza cantadas machistas públicas ou via “inbox”. E, nesse ponto, tanto a esquerda quanto a direita agem de forma muito parecida (ainda que a primeira tenda a refletir e aceitar a crítica, ao passo que a segunda já me taxa de “feminazi”). Sim, elogios e mentiras sinceras me interessam. Mas não autorizo mais do que isso. Simples assim: não aceito.

Pessoas muito esclarecidas me disseram: “Você colocou uma foto, então você queria”. Eu não acreditei que ouvia isso de intelectuais que apoiaram a campanha “eu não mereço ser estuprada”.

Minha feminilidade é construída no dia a dia, na dialética pendular entre o moletom e o vestido das divas e, em ambas as identidades que incorporo, eu espero ser respeitada e jamais ser invadida por cantadas que ocorrem fora dos limites autorizados por mim. Se isso faz de mim feminazi eu não sei. Só sei que isso me faz uma mulher mais digna, com consciência sobre meu próprio corpo, minha sexualidade e minha mente. Brigar com esses pobres homens é uma luta que eu, dentre milhões de feministas deste mundo, abraço todos os dias. É uma luta contra coisas invisíveis, contra os novos mecanismos de poder masculinos. É uma luta na escuridão da ignorância, mas eu recomendo: é profundamente libertador.

registrado em: , ,