Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / 'Bandido bom é bandido morto', diz deputado

Sociedade

Violência em Goiás

'Bandido bom é bandido morto', diz deputado

por Agência Brasil publicado 19/09/2012 18h19, última modificação 06/06/2015 18h41
Assim reagiu o líder do PSDB na Assembleia Legislativa às críticas sobre a política de segurança do estado

Alex Rodrigues
Enviado especial da Agência Brasil

Goiânia – "Bandido bom é bandido morto". Assim o líder do PSDB na Assembleia Legislativa de Goiás, Túlio Isac, reagiu às críticas que o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Mauro Rubem (PT), fez à política de segurança pública do governador Marconi Perillo.

"Deixa a polícia trabalhar, deputado", disse Isac durante sessão da Assembleia Legislativa. Da tribuna, ele defendeu o aumento do número de policiais e a criação de uma força de elite. "Carregue as armas e meta bala nos vagabundos que atormentam a vida dos trabalhadores". Minutos antes, também da tribuna, Mauro Rubem tinha classificado o governo do estado de omisso em relação a possíveis desmandos policiais.

Às vésperas da audiência pública em que o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) discutiria denúncias de envolvimento de policiais militares (PMs) goianos em assassinatos e no desaparecimento de pessoas, os discursos dos dois parlamentares evidenciaram duas formas distintas de encarar a atuação da polícia para garantir a segurança da sociedade.

Para Rubem, a falta de um controle mais rígido da atividade policial, de apuração das denúncias e de punição dos responsáveis por desmandos tem vitimado inocentes e contribuído para o aumento da sensação de insegurança em Goiás. No último dia 21, Rubem apresentou ao CDDPH relatório da Comissão Estadual de Direitos Humanos sobre o desaparecimento de 36 pessoas após abordagem de  policiais, no período de 2000 a 2010. De acordo com o relatório, que denuncia outros abusos, entre os desaparecidos, há um garoto de 12 anos. Após receber as denúncias, o CDDPH decidiu fazer uma reunião extraordinária na capital goiana.

Embora sem comentar especificamenteos casos apontados no relatório, Isac defendeu os PMs goianos, dizendo que os bandidos não hesitam em reagir à ação policial e que, se a corporação não age com rigor, ninguém visita as famílias das vítimas dos criminosos, que permanecem à solta. "Hoje, o policial não pode sacar a arma. O policial só pode atirar se o bandido atirar primeiro e errar", disse Isac.

Segundo ele, se bandidos houvessem sido "aniquilados", o radialista e comentarista esportivo Valério Luiz "ainda estaria vivo". Filho do comentarista esportivo Manoel de Oliveira, Luiz foi morto a tiros em julho deste ano. O crime ainda está sendo apurado. Na época, o pai do radialista chegou a dizer que perdeu o filho para o futebol. Dias depois, o então comandante de Missões Especiais da Polícia Militar, tenente-coronel Wellington Urzêda, foi afastado do caso após a mulher de Luiz ter questionado o fato de, até pouco antes do crime, o militar fazer parte da diretoria do Atlético Goianiense. A gestão dele tinha sido duramente criticada pelo radialista.

Na semana passada, Urzêda foi afastado temporariamente do Comando de Missões Especiais da Polícia Militar de Goiás e está sendo investigado por denúncias de envolvimento em um grupo acusado de responsável pelo desaparecimento de várias pessoas nos últimos 11 anos.

A audiência pública do CDDPH começou no início da tarde de hoje, na sede do Ministério Público Federal, em Goiânia. É a terceira vez que o conselho, vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, reúne-se fora de Brasília. As reuniões anteriores foram no Espírito Santo e no Rio de Janeiro.

 

*Matéria originalmente publicada na Agência Brasil