Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / À sombra da pátria

Sociedade

Literatura

À sombra da pátria

por Menalton Braff publicado 29/05/2012 11h06, última modificação 29/05/2012 11h06
Crônica sobre os velhinhos que se encontram todos os dias em símbolos pátrios: a praça 7 de Setembro beirando a rua Floriano Peixoto
velhice

Kevin Dooley/Flickr

Não foi só por causa da sombra que os três velhinhos elegeram aquele banco e debaixo da mangueira encontravam-se todas as manhãs. Quem me garante isso é minha amiga Iara, cujas caminhadas matinais descrevem uma tangente em relação ao círculo dos três. O banco, segundo ela, fica na praça 7 de Setembro beirando a rua Floriano Peixoto.

São símbolos da pátria de que eles, tacitamente, julgam-se os mantenedores por uma espécie de usucapião. Não que tenham chegado a conhecer o Marechal, que, apesar de longevos, sua longevidade não era para tanto, mas porque, provavelmente, as primeiras notícias que tiveram dele foram de transmissão oral. Sabe o Floriano? Dizem que brigou com a mulher. Coisas assim, familiares, como de um ser que sai da história para ficar ao alcance da mão.

Pois apesar da imensa responsabilidade de representarem o passado, as tradições de nossa pátria, os símbolos que nos constroem como seres localizados em um pequeno espaço do universo, pois apesar disso e para que não se percam os débeis índices de nossa identidade nacional, as conversas entre eles eram conversas de seres apegados ao presente e à vida.

No mês passado, um dos velhinhos não apareceu durante alguns dias, e os outros dois, em lugar das discussões acaloradas, puseram-se a jogar damas, taciturnos, silenciosos. Quando o absenteísta finalmente retornou, ocupando o lugar que se tornara vago por algum tempo, apareceu de bigode. Basto e branco bigode, para gáudio e espanto dos amigos.

- Você, com essa bigodeira... - começou um deles.

- ... ficou com mais cara de homem - acrescentou o outro.

E era assim que eles falavam: emparceirados pelos muitos anos em que vinham compartilhando do mesmo banco.

O portador do mais recente moustache, então, resolveu explicar-se: tivera de trocar de prótese - aparelho assim mesmo designado pelos dentistas e que mortais, como nós, chamam de chapa, ou de dentadura - e a boca ficara um pouco murcha, meio chupada. A ideia do bigode fora concebida por sua filhinha, uma garota de sessenta e dois anos, muito esperta para as coisas da vida.

Ontem a Iara me contou que vinha passando apertada em seu moletom, suada e com pressa, quando ouviu a algazarra dos velhinhos. Resolveu diminuir o passo, curiosa.

- Eu olho mesmo - dizia o primeiro -, pra mulher eu olho.

- Principalmente pra boca. Eu me encanto é com boca de mulher.

- Mas não mexo, - completou o último - nunca mexi e não é agora que vou começar a mexer.

Quando cruzava pela frente dos três, conta minha amiga, levantaram-se, fizeram uma continência e voltaram a sentar-se. Os três juntos e sem acordo prévio. Maravilhados, encantados com as doçuras da vida.

O Floriano Peixoto que me perdoe pela falta de respeito patriótico, mas parada por parada, eu estou é com os velhinhos.

registrado em: