Você está aqui: Página Inicial / Política / Vaccarezza é flagrado garantindo blindagem a Sergio Cabral

Política

CPI do Cachoeira

Vaccarezza é flagrado garantindo blindagem a Sergio Cabral

por Redação Carta Capital — publicado 18/05/2012 14h30, última modificação 06/06/2015 18h59
Ex-líder do governo na Câmara enviou mensagem ao governador do Rio durante a sessão: 'você é nosso, e nós somos teu'
Vaccarezza

Mensagem do deputado para o governador, flagrada pela câmera do SBT. Foto: Reprodução

O ex-líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), foi flagrado na quarta-feira 17 durante uma sessão da CPMI do Cachoeira garantindo blindagem do PT ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral(PMDB). Imagens de um cinegrafista do SBT mostram o parlamentar enviado uma mensagem de celular ao peemedebista, que corria risco de ser convocado a depor.

 

"A relação com o PMDB vai azedar na CPI, mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu”, dizia Vaccarezza, um dos principais articuladores da base governista na CPI.

Em nota divulgada nesta sexta-feira 18, o deputado nega, no entanto, a existência de “blindagens” nos trabalhos da CPMI e diz que qualquer pessoa relacionada com a organização criminosa de Cachoeira será investigada.

Segundo ele, o texto da mensagem refletiu uma "preocupação pessoal com tensionamentos pontuais entre o PT e o PMDB”. “Meu objetivo era deixar claro ao governador Sérgio Cabral que, apesar das discordâncias pontuais, a boa relação entre nossos partidos deve ser mantida.”

O deputado diz que Cabral não foi citado em nenhuma gravação dos inquéritos da Polícia Federal, mas destaca o envolvimento do governador de Goiás,  Marconi Perillo (PSDB), com o bicheiro. "Pesam suspeitas fortes [contra Perillo] de que havia uma cota de funcionários do seu governo indicados pela organização criminosa."

A convocação de Cabral era defendida por parte dos parlamentares da comissão, devido a sua relação com Fernando Cavendish, presidente licenciado do Conselho de Administração da empreiteira Delta, empresa que aparece nas investigações da Polícia Federal sobre Carlinhos Cachoeira.

Na quinta-feira 17, a CPMI optou por não votar as convocações de Perillo, Cabral e de Agnelo Queiroz (PT-DF), governador do Distrito Federal, envolvidos com a quadrilha do bicheiro. Os requerimentos podem voltar à pauta em 5 de junho, na próxima reunião administrativa.

registrado em: ,