Você está aqui: Página Inicial / Política / Serra se distancia de apoio de Malafaia

Política

Eleições 2012

Serra se distancia de apoio de Malafaia

por Redação Carta Capital — publicado 10/10/2012 19h20, última modificação 10/10/2012 19h24
Tucano diz não ter nenhum compromisso com o pastor evangélico, que afirmou desejar "arrebentar" o petista Fernando Haddad

O candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra (PSDB), se afastou nesta quarta-feira 10 do apoio do pastor Silas Malafaia, presidente Assembleia de Deus do Ministério Vitória em Cristo, a sua campanha. Malafaia, que atua no Rio de Janeiro, decidiu interferir na campanha de São Paulo para combater o candidato do PT, Fernando Haddad, por condenar o chamado "kit gay" que o Ministério da Educação cogitou lançar sob a gestão do petista.

"Não vou ficar repercutindo bobagens. Eu não assumi nenhum tipo de compromisso com o pastor Malafaia", disse Serra segundo portal UOL durante um evento em Pirituba, zona oeste de São Paulo. “Ele me apoia, não pedi nada em troca. Várias coisas que ele coloca não são pauta da minha campanha", afirmou o tucano.

Na terça-feira 9, Malafaia, conhecido por suas declarações homofóbicas, disse que iria "arrebentar" Haddad por conta do "kit gay". Em agosto, o líder evangélico já havia afirmado que "a comunidade (evangélica), os líderes" não iriam "dar refresco a Haddad". "Vamos cair em cima dele”, afirmou Malafaia.

A rejeição de Malafaia à Haddad se deve ao material contra a homofobia que seria distribuído em escolas durante a gestão do petista no ministério da Educação. O material foi criticado por grupos conservadores e apelidado de kit-gay. Diante da pressão, o governo desistiu de distribui-lo.

Em 2006, Malafia foi responsável por uma manifestação diante do Congresso Nacional contra a lei criminalizadora da homofobia. Na ocasião o pastor afirmou que relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo são a porta de entrada para a pedofilia. “Deveriam descer o porrete nesses homossexuais”, decretou, certa vez, em seu programa de tevê em rede nacional — ele alega que a frase tinha sentido figurado.