Você está aqui: Página Inicial / Política / Escolha do vice de José Serra agrava crise no PSDB paulistano

Política

Eleições 2012

Escolha do vice de José Serra agrava crise no PSDB paulistano

por Redação Carta Capital — publicado 02/07/2012 11h11, última modificação 02/07/2012 16h43
José Serra escolhe Alexandre Schneider, ex-secretário da Educação de Kassab, como vice e deixa tucanos alckmistas insatisfeitos
jose anibal

José Anibal. Foto: Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr

A escolha do ex-secretário municipal de Educação Alexandre Schneider (PSD) como vice na chapa de José Serra à prefeitura de São Paulo agravou a briga entre os tucanos na cidade. A decisão, tomada no sábado 30, é uma vitória do prefeito Gilberto Kassab e deixa insatisfeitos os tucanos mais próximos ao governador Geraldo Alckmin.

No fim de semana, alguns tucanos mostraram publicamente a bronca com a decisão. O tesoureiro do PSDB do estado, Fábio Lepique, criticou o vereador Floriano Pesaro e outros membros do diretório municipal pelo seu Twitter. Ao Estadão, o secretário estadual de Energia, José Anibal, disse que o “PSD é o cupim do PSDB em São Paulo”.

Os tucanos reclamam por dois motivos. Primeiro, acreditam que o PSD já havia “ganho demais” com a . O “chapão” deixou de fora mais de 50 tucanos que podiam ser candidatos a vereador e deve diminuir a bancada tucana na capital. Como o PSDB já havia cedido na eleição proporcional, alguns tucanos acreditam que a vice na chapa majoritária deveria ficar com o próprio PSDB.

Mais sobre as eleições em SP:

Além disso, o nome de Schneider também é mal visto por Alckmin e seus aliados. Schneider, então no PSDB, não ficou ao lado do seu partido na eleição de 2008. Ele abandonou a candidatura de Alckmin à prefeitura paulista e apoiou Kassab, então no DEM, a pedido de José Serra.

Schneider: "discussão é normal"

Em entrevista nesta segunda-feira 2, Schneider disse que teve uma conversa “boa e cordial” pelo telefone com Alckmin após ser escolhido por Serra. Ele minimizou a crise dentro do PSDB, dizendo que a discussão é normal e não afeta a sua campanha.

“É normal que você tenha uma discussão antes do processo eleitoral se iniciar sobre preferências. E a gente tem que respeitar essas preferências,” disse o candidato. “Eu me sinto muito tranquilo e acho que é natural que se coloquem umas questões durante o processo. Depois do processo finalizado, é hora de ir para a rua e buscar voto.”

Segundo Serra, o PSD nunca exigiu o cargo de vice. Ele disse ter levado em conta a “confiança pessoal” depositada em Schneider. “O Alexandre tem uma suavidade indestrutível”, disse Serra, segundo quem Schneider será seu “lado bonzinho”.

Atualizada às 16h30

registrado em: ,