Você está aqui: Página Inicial / Política / Rebelião em Roraima tem detentos decapitados

Política

Violência

Rebelião em Roraima tem detentos decapitados

por Deutsche Welle publicado 17/10/2016 15h39
A penitenciária onde ocorreu o confronto entre facções rivais, com ao menos 10 mortos, abriga 1,2 mil presos, o dobro da capacidade
Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil
Presos

De acordo com as Nações Unidas, o Brasil tem o quarto maior número de presos do mundo

Um confronto entre facções durante rebelião numa penitenciária em Monte Cristo, zona rural de Boa Vista (RR), terminou com detentos decapitados e queimados neste domingo (16). O número de mortos ainda não foi confirmado – mas estaria, segundo a imprensa local, entre dez e 25.

A rebelião começou durante o horário de visitas na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo. Cerca de 100 parentes dos presidiários teriam sido tomados como reféns durante algumas horas, antes de serem libertados pela polícia.

Os presos, armados com facas e objetos de madeira, conseguiram romper cadeados e invadir outra ala, iniciando um confronto entre grupos rivais. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar invadiu o presídio e libertou os reféns.

Todas as vítimas são integrantes da facção Comando Vermelho, que domina 10% do presídio. Os outros 90% são do grupo rival Primeiro Comando da Capital.

A penitenciária permanece ocupada pelos policiais, enquanto equipes do Instituto Médico Legal (IML) realizam perícia e a remoção dos corpos. O fato de muitas das vítimas terem sido queimadas dificulta a divulgação de uma cifra oficial de mortos.

A unidade onde aconteceu o confronto hoje abriga 1.200 presos, o dobro da capacidade – um problema que já foi chamado de endêmico pela ONU.

De acordo com as Nações Unidas, nas últimas duas décadas, a população carcerária brasileira cresceu de forma rápida, e hoje o país tem o quarto maior número de presos do mundo.

Segundo o Ministério da Justiça, o último Levantamento de Informações Penitenciárias, de junho de 2014, mostrou que a população carcerária brasileira é superior a 607 mil pessoas e que o déficit de vagas passa de 231 mil.

Logo DW