Você está aqui: Página Inicial / Política / Pós-lulismo

Política

Andante Mosso

Pós-lulismo

por Mauricio Dias publicado 08/07/2012 08h38, última modificação 08/07/2012 08h44
O compromisso de Eduardo Campos, governador de Pernambuco, é com Lula e Dilma. Não com o PT
Eduardo Campos

O governo federal vai ter que se articular para impedir o avanço da dupla Aécio e Eduardo Campos (foto). Foto: Dida Sampaio/AE

 

Há um caminho seguro para entender o movimento político-eleitoral do governador Eduardo Campos, de Pernambuco.

O compromisso dele é com Lula e Dilma. Não com o PT.

Novo horizonte I

Demorou mais que o previsto a aliança PSDB e PT construída em torno da eleição de Marcio Lacerda (PSB), em 2008, para a prefeitura de Belo Horizonte.

Nascida da boa relação entre o então prefeito petista Fernando Pimentel e o então governador tucano Aécio Neves, o rompimento tornou altamente competitiva a disputa na capital, que já parecia resolvida com a reeleição de Lacerda.

Com o rompimento, o ex-prefeito petista Patrus Ananias entrou no jogo e pode dar unidade ao partido perdida com o acordo e vencer o pleito.

Lacerda é um prefeito com boa avaliação, mas Patrus é figura querida em BH.

Novo horizonte II

A eleição municipal, um beco sem saída para o PSDB e o PT, deu o pretexto para o fim de uma aliança que incomodava as partes.

Aécio conta com a reeleição de Lacerda agora para empurrá-lo para a disputa estadual, em 2014. Mas isso significaria entregar a prefeitura para um substituto petista. O vice na chapa.

O controle da Câmara de Vereadores fez Aécio bloquear a extensão da aliança, prevista no acordo, para as eleições proporcionais e deixou claro que ele manda no destino político de Lacerda, eleito pela legenda socialista.

Salvo se, antes, tiver feito consulta ao governador pernambucano Eduardo Campos, presidente do PSB.

Filhos das mães

Rodrigo, filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia, e Clarissa, filha do ex-governador fluminense Anthony Garotinho, formam uma das chapas na disputa pela prefeitura carioca.

Ele é candidato a prefeito e ela, a vice.

Com os sobrenomes maternos, Rodrigo Ibarra (chileno) e Clarissa Assed (líbio), talvez pudessem amenizar nas urnas a rejeição dos eleitores aos pais.

Prefeito incolor

É fácil entender a confusão em torno da identificação partidária do prefeito Raul Filho, de Palmas (TO), apanhado na rede de corrupção de Carlos Cachoeira.

Raul disputou a prefeitura em 2006, pelo PSDB. Em 2000, no PPS, foi novamente derrotado. Finalmente em 2004, época do vídeo, já filiado ao PT ganhou a eleição. Reeleito em 2008, foi expulso do partido em 2011.

Agora ele vai se explicar na CPI sem rede de apoio.

Quarentena

A magistratura fez as contas.

Somente em 2020 um juiz de carreira voltará a presidir o Supremo Tribunal Federal. Após o advogado Ayres Britto, os próximos presidentes são oriundos da advocacia ou do Ministério Público.

Todos nomeados pelo ex-presidente Lula.

São eles: Joaquim Barbosa (MP), Ricardo Lewandowski (advocacia), Cármen Lúcia (advocacia e MP) e Dias Toffoli (advocacia).

Só então a magistratura retomará, com Luiz Fux, o comando do STF.

Corda esticada

O presidente do Sindifisco Nacional, Pedro Delarue, considera que o governo esticou a corda no embate do reajuste salarial dos servidores federais.

E adverte: “O Planalto sentirá os efeitos nos próximos dias”.

Assim como os auditores fiscais, que estão em operação - padrão, a Polícia Federal e Advocacia-Geral da União se prepararam para agir “no limite da legalidade”.

Os federais não farão diligências em outros estados nem protegerão autoridades. Os advogados, por sua vez, só vão defender a União quando o prazo do processo estiver para estourar.

Esse é o plano da reação e, segundo Delarue, sem recuo.

Cruz e espada

Às vésperas do quarti centenário, a Irmandade de Santa Cruz dos Militares passa por maus momentos financeiros.

A igreja da Irmandade, de estilo barroco mineiro, é uma das mais belas do Rio de Janeiro e tem nas paredes laterais do altar-mor entalhes do mestre Valentim.

A Irmandade é o berço do sistema previdenciário dos militares, hoje administrado pela União. A instituição é proprietária de quase 500 imóveis. Alugados, eles garantiriam recursos para a manutenção. No entanto, já houve casos de corte de fornecimento de água apesar de o locatário ter pago a conta. Sinal de má administração?

O número de filados é mantido em sigilo e já se cogita procurar o Judiciário para forçar o provedor, coronel da reserva Carlos Alberto Barcellos, a soltar a lista de contribuintes.

Caxias, provedor da Irmandade, em 1871, proclamava: “Irmãos pela cruz e irmãos pela espada, a nossa missão é sagrada: santificar o culto do Divino Senhor e aliviar da miséria as viúvas e filhos dos que seguem a nobre profissão das armas”.

Se soubesse o que se passa agora, daria voltas na tumba.

registrado em: