Você está aqui: Página Inicial / Política / O hall da fama da corrupção

Política

Database

O hall da fama da corrupção

por Redação Carta Capital — publicado 15/06/2012 15h19, última modificação 15/06/2012 15h19
Na lista do Banco Mundial, Maluf, Cid Ferreira e Dantas se destacam
Trio

Um pouquinho de Brasil iaiá. O trio vive livre, leve e solto. Fotos: ABR, Evelson de Freitas/AE, Beto Barata/AE

O Banco Mundial acaba de lançar uma espécie de hall da fama da corrupção. O banco de dados batizado de The Grand Corruption Cases reúne 150 casos internacionais em que se comprovou a movimentação bancária de um valor igual ou superior a 1 milhão de dólares. Segundo o banco, a corrupção movimenta 40 bilhões de dólares por ano no planeta.

Na lista figuram alguns brasileiros ilustres, entre eles o banqueiro Daniel Dantas, o ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira e o ex-prefeito Paulo Maluf.

Dantas é citado por causa do bloqueio de 46 milhões de dólares em contas do Opportunity no Reino Unido e da condenação em primeira instância a dez anos de prisão pelo suborno de um delegado da Polícia Federal. O banqueiro tentava impedir a realização da Operação Satiagraha. O Superior Tribunal de Justiça anulou a sentença proferida pelo juiz Fausto De Sanctis, mas o Ministério Público Federal recorreu ao Supremo.

Maluf é mencionado duas vezes. Uma por ter sido acusado pela Promotoria de Nova York de ter movimentado de forma ilegal 140 milhões de dólares no Banco Safra entre 1993 e 1996. A outra por desviar dinheiro para uma conta nas Ilhas Jersey, no Reino Unido. Maluf e o filho Flávio tiveram 26 milhões de dólares bloqueados no paraíso fiscal britânico.

Edemar foi condenado em 2006 pela Justiça brasileira a 21 anos de prisão por crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro. Entre seus bens apreendidos estavam obras de arte avaliadas entre 20 milhões e 30 milhões de dólares.

Outro caso citado no hall da corrupção é o do propinoduto, um esquema de desvio de dinheiro no governo do Rio de Janeiro revelado em 2003. Liderado pelo funcionário público Rodrigo Silveirinha Corrêa, um grupo de servidores da Administração Tributária fluminense desviou 45 milhões de dólares e os enviou para a Suíça. O Brasil conseguiu repatriar até agora 30 milhões.

A quem interessar possa: Dantas, Maluf e Edemar estão livres, leves e soltos.

registrado em: , , ,