Você está aqui: Página Inicial / Política / Hostilidade de Serra vira tradição em campanha. Relembre episódios

Política

Eleições 2012

Hostilidade de Serra vira tradição em campanha. Relembre episódios

por Redação Carta Capital — publicado 17/10/2012 14h21, última modificação 17/10/2012 15h26
Durante a campanha de 2012, o tucano já chamou repórter de sem vergonha e de "assessora de Haddad"
Serra_caminhada

O candidato José Serra durante caminhada na campanha. Foto: Fernando Cavalcanti / Milenar

Nesta semana, o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, se irritou três vezes com dois jornalistas durante entrevistas. Nas três oportunidades, o tucano acusou os repórteres de serem ligados ao PT e ao candidato petista à prefeitura, Fernando Haddad.

Os episódios desta semana foram três dos muitos momentos da campanha eleitoral em que Serra não respondeu perguntas e hostilizou jornalistas que cumpriam seu ofício. Abaixo, relembre os casos que ocorreram ao longo da eleição:

1) Serra chama repórter de “sem vergonha”

O tucano chamou um repórter da Rede Brasil Atual, veículo ligado ao movimento sindical, de “sem vergonha”, no dia 28 de setembro. Abaixo, a transcrição do diálogo:

Serra: Vamos aumentar em dezenas de milhares o número de alunos em parceria com o governador do estado, Geraldo Alckmin. É uma chance para crianças de famílias mais humildes subirem na vida. Isso me veio agora à cabeça lembrando de minha infância e juventude aqui.
Jornalista: A ideia veio agora à cabeça ou é seu projeto de governo?
Serra: De onde você é?
Jornalista: Não interessa. O senhor vai responder à minha pergunta ou não?
Serra: Eu quero saber de onde.
Jornalista: Da Rede Brasil Atual.

Serra ignorou a pergunta. O jornalista voltou a abordá-lo quando o tucano estava indo embora.

Jornalista: Por que você só responde perguntas favoráveis?
Serra: Não, eu não respondo pergunta de sem vergonha.

2) Serra não responde pergunta do Portal Aprendiz

O portal Aprendiz perguntou a todos os candidatos no primeiro turno as suas propostas para o Plano Municipal de Educação. Serra foi o único a não responder. Posteriormente, a assessoria do candidato enviou novas respostas por e-mail. Abaixo, o relato do portal publicado no dia 3 de outubro.

Serra: Você é de onde?
Jornalista: Portal Aprendiz.
Serra: Quem é o portal Aprendiz?
[Jornalista repete pergunta sobre o plano]
Serra: Tem um, eu vou olhar, vou olhar.

3) Serra não responde TV dos Trabalhadores

O tucano não quis responder uma pergunta sobre o uso do “mensalão” em sua campanha feita por uma jornalista da TVT no dia 11 de outubro (aqui, o vídeo). Abaixo, o diálogo entre os dois:

Jornalista: O assunto do mensalão vai ser bastante explorado pelo senhor no segundo turno?
Serra: Perdão, o que é a TVT?
Jornalista: O assunto do mensalão vai ser bastante explorado pelo senhor no segundo turno?
Serra: O que é TVT? Que é TVT?
Jornalista: TV dos Trabalhadores
Serra: De onde?
Jornalista: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Serra: Tá bom.

Em seguida, Serra virou de costas para a repórter e encerrou a entrevista.

4) Serra diz que jornalista é assessora de Haddad

Serra não quis responder pergunta sobre o tom agressivo que adotou em sua campanha eleitoral em 15 de outubro. No dia em que levou o “mensalão” ao horário eleitoral, ele foi questionado por uma repórter do portal UOL se isso era uma estratégia por estar atrás nas pesquisas de intenção de voto.

Serra: Esse tom mais agressivo que o senhor coloca no primeiro programa é por que o senhor está dez pontos abaixo nas pesquisas?

Jornalista: Vai lá para o Haddad, é a pauta dele, você não precisa trabalhar para ele. Ele já tem bastante assessores, não precisa ter umas assessoras a mais para ele. Vai lá direto.

5) No dia seguinte, Serra voltou a hostilizar a mesma repórter após uma pergunta sobre o kit anti-homofobia feito quando ele era governador de São Paulo em 2009.

Jornalista: Sobre o kit gay, está faltando esclarecer se o senhor concorda com a distribuição nas escolas desse tipo de material.

Serra: Eu acho que não está faltando esclarecer nada. Você leu?

Jornalista: Eu li.

Serra: Se você leu, acho que está tudo clarinho.

Jornalista: Mas o senhor concorda com a distribuição do material?

Serra: Que material?

Jornalista: De orientação sexual nas escolas...

Jornalista: Foi feito em 2009, no meu governo, o resto é brincadeira.

Ao final da entrevista, Serra voltou a se dirigir à repórter:

Serra: Vai lá com o Haddad e trabalha com ele, é mais eficiente.

Serra insinua que jornalista mente e vota em Haddad

6) Serra se irritou na manhã de 16 de outubro em entrevista à rádio CBN após ser questionado sobre o apoio que recebe do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus.

A pergunta foi feita pelo jornalista Kennedy Alencar. Ele falou da semelhança entre um material feito pelo governo de São Paulo em 2009, quando Serra era governador, e o kit anti-homofobia que seria distribuído pelo Ministério da Educação durante a gestão de Haddad.

O jornalista falou que Serra teria apoio da “direita intolerante, como o pastor Silas Malafaia, que diz que a homossexualidade é doença e não orientação”. Ao final, Alencar perguntou: “é uma contradição por uma conveniência eleitoral ou o senhor se tornou um político conservador e mudou de ideia?”

Serra não respondeu a pergunta e repetiu diversas vezes: “você leu a cartilha do estado?”. Depois, disse “de duas uma: se você viu está mentindo. Se você não leu, eu até aceito, porque o que está falando é mentira.” Serra ainda insinuou que o jornalista votasse em Fernando Haddad. “Mais modéstia, você está na CBN, não pode fazer campanha eleitoral aqui na CBN”, disse o candidato. “Eu sei que você tem um candidato. Modere. Você que é um jornalista tem que ser mais comportado.”