Você está aqui: Página Inicial / Política / Eu não sou dono da Friboi

Política

Opinião

Eu não sou dono da Friboi

por Jean Wyllys publicado 15/06/2016 09h50, última modificação 15/06/2016 12h02
Os boatos e mentiras agridem a democracia

Eu sempre quero saber apenas do que pode dar certo, para outros e para mim; por isso, não perco meu precioso tempo na defensiva. Mas, neste texto, eu decidi gastar parte de meu tempo com algo que ameaça a democracia já golpeada e compromete o funcionamento justo das instituições e do Estado de Direito: a calúnia e a difamação.

Não, eu não sou o dono da Friboi. Nem o filho do Lula.

Aliás, para ficar mais claro: eu não sou dono da Friboi, nem filho do Lula, e nem o filho do Lula é dono da Friboi... nem nada disso.

Eu também não quero implantar "o ensino da religião islâmica" nas escolas. Nunca defendi a pedofilia. Nunca disse que os cristãos fossem doentes e nem que a Bíblia fosse uma piada, e nem penso isso.

Não sou autor de nenhum projeto de lei para mudar "trechos homofóbicos da Bíblia", nem existe nenhum projeto de lei para isso, nem poderia existir (porque o Congresso não pode alterar nenhum livro, a não ser a Constituição), e, aliás, eu também não acho que a Bíblia tenha "trechos homofóbicos". Há, sim, pessoas homofóbicas que interpretam a Bíblia de forma homofóbica porque, além de homofóbicas, são burras; mas isso é outra questão.

Eu também não apresentei nenhum projeto de lei para dar uma bolsa às mulheres que fizerem aborto. A Dilma não deu um milhão de reais do governo para um documentário sobre a minha vida – aliás, nem a Dilma, nem o governo, nem ninguém.

Eu nunca disse que "os negros são mais perigosos que os brancos" – tem pessoas racistas que pensam isso, e eu acho essas pessoas nojentas.

O meu projeto de lei de identidade de gênero não obriga as crianças a mudarem de sexo (gente, que estupidez!). O meu projeto de lei de casamento civil igualitário não obriga as igrejas a casarem gays (o projeto é sobre o casamento civil, não sobre o casamento religioso!). Eu nunca falei que, se o impechment fosse aprovado, eu iria embora do Brasil – não, gente, lamento decepcionar "azinimigas", mas eu nunca falei isso!

Enfim, todos esses boatos estúpidos que circulam na internet são isso: boatos estúpidos. E, sobretudo, desonestos, canalhas, criminosos. Porque tem alguém que inventa cada um deles e coloca em circulação nas redes. E se eles conseguem se espalhar é porque quem os divulga são pessoas com grana e estrutura para isso, e porque há muitas pessoas doentes de ódio que, mesmo sabendo que é mentira, compartilham. Por quê? Porque eu sou veado, por isso.

Nessa semana, uma promotora abriu um inquérito para investigar um dos boatos acima – uma peça muito mal escrita de duas laudas sem absolutamente nenhuma evidência, baseada num boato de internet – e o jornal Estado de S. Paulo publicou o boato como se fosse uma notícia verdadeira.

Sim, o jornal Estado de São Paulo! Não vou dizer qual desses boatos foi, porque não vou ajudar essa gente a espalhar ainda mais a mentira (e peço a vocês que, se descobrirem, não compartilhem o link da calúnia nem mesmo para criticar o jornal, porque, quando alguém compartilha, mesmo que seja para criticar, acaba espalhando sem querer). Também não vou dizer o nome da jornalista, porque ela não merece ser citada. Mas vou contar o que aconteceu quando um dos meus assessores ligou para ela.

A jornalista o atendeu e, assim que o meu assessor falou para ela o motivo da ligação, ela disse: "Não vou te ouvir". O meu assessor ficou perplexo. Ele começou a dizer para a jornalista que estava ligando porque ela tinha publicado uma notícia falsa, um boato que tem até página no e-farsas há mais de um ano, e ela o interrompeu: "Você não vai me dar aulas de jornalismo".

Perplexo, mas sem perder a calma, meu assessor tentou explicar por que a "notícia" era falsa e disse que, se ela tivesse ligado para o gabinete para ouvir a nossa versão dos fatos antes de publicar a matéria (como qualquer jornalista aprende na faculdade que deve ser feito), teria recebido todas as informações necessárias, mas aí ela disse: "Eu não sou obrigada a ouvir vocês".

Como assim não é obrigada? Meu assessor continuou tentando explicar que a informação publicada era totalmente falsa e aí veio a parte mais insólita do diálogo:

"A minha matéria não diz que a informação é verdadeira", disse a jornalista.

"Ué... mas você publicou como se fosse verdade."

"Não, eu apenas publiquei que existe essa denúncia."

"Mas a denúncia é falsa, é um boato."

"Eu sei. Mas eu não disse que a denúncia fosse verdadeira, apenas disse que ela existe."

Sim, queridos amigos e queridas amigas. É assim que se faz "jornalismo" hoje em alguns veículos de comunicação brasileiros.

Os editores do Estadão têm todo o direito do mundo de não gostar de mim. Porque eu sou de esquerda e eles são de direita, porque eu sou contra o golpe e eles foram a favor, porque eu defendo as liberdades individuais e eles são ultra conservadores, ou por qualquer outra razão.

Eles têm direito de escrever um editorial criticando meus projetos de lei ou a minha atuação parlamentar. Eu não vou me ofender, porque eu sei que pensamos diferente e, numa democracia, é natural que as pessoas pensem diferente e é saudável que a imprensa faça, com absoluta liberdade, seu trabalho de informar, criticar e apresentar suas opiniões.

O que eles não podem é dizer que eu sou dono da Friboi, ou filho do Lula, ou que o filho do Lula é dono da Friboi, ou qualquer outra das estupidezes que já mencionei.

E não podem por um único e simples motivo: porque é mentira.

registrado em: