Você está aqui: Página Inicial / Política / Edmilson Rodrigues, o primeiro prefeito do Psol?

Política

Eleições 2012

Edmilson Rodrigues, o primeiro prefeito do Psol?

por Piero Locatelli — publicado 29/09/2012 09h41, última modificação 30/09/2012 12h52
Edmilson Rodrigues lidera todas as pesquisas em Belém, e, pela primeira vez, o partido tem a perspectiva de eleger um de seus integrantes para o Executivo
Edmilson Rodrigues

Edmilson Rodrigues durante caminhada na capital paraense no fim de setembro. Foto: Divulgação

*Atualizada às 12h51 de 30 de setembro para correção de informação

Fundado em 2005 por petistas descontentes, o Psol se notabilizou por suas propostas contundentes e pela pressão contra políticos denunciados por corrupção. Com essa postura, o partido conseguiu algum sucesso em eleições legislativas e montou bancadas pequenas, mas costumeiramente barulhentas. Agora, em 2012, pela primeira vez, o Psol tem uma possibilidade real de conseguir um cargo no Executivo. Edmilson Rodrigues lidera todas as pesquisas para prefeito em Belém e pode até vencer a disputa no primeiro turno.

Atualmente cumprindo mandato como deputado estadual, Rodrigues já foi prefeito de Belém por oitos anos (1997-2004) quando ainda estava no PT. Para voltar à prefeitura, Rodrigues tem tomado atitudes pouco comuns em seu partido. O candidato teve mais de 80% da sua campanha bancada por empresas, segundo prestação entregue à Justiça Eleitoral no começo deste mês. Dos 476,4 mil reais arrecadados, 389,4 saíram do bolso da iniciativa privada. Nas eleições de 2010, a maior parte das campanhas do PSOL foi bancada por pessoas físicas, caso único entre todos as legendas do país. O programa do partido ainda defende o financiamento público de campanha e critica a “troca de favores entre os políticos que aceitam o financiamento privado das grandes empresas”. Rodrigues diz que isso não é uma contradição. “São pequenas empresas. E fizemos pesquisas: nenhuma companhia envolvida com qualquer maracutaia será recebida e terá permissão para nos apoiar”, disse a CartaCapital.

O programa do PSOL também defende a anulação da dívida pública com os bancos. O tema, central ao partido em suas campanhas ao Executivo, é deixado de lado em Belém. Segundo Rodrigues, isso ocorre porque a dívida pública de Belém “compromete menos o orçamento” do que em cidades como São Paulo e Porto Alegre.

Uma vez na prefeitura, o PSOL deve se deparar com uma Câmara de Vereadores onde terá poucos representantes. O deputado federal Ivan Valente (SP), presidente nacional do partido, vê no passado do PT um exemplo da possibilidade de governar sem o apoio da maioria. Ele lembra de administrações de petistas eleitos em 1988, como Luiza Erundina em São Paulo e Olívio Dutra em Porto Alegre. “A Erundina tinha cinco vereadores na Câmara. Foi ameaçada de ser cassada, mas terminou o mandato. Eles tinham uma lógica de governo que era procurar o apoio da sociedade organizada.”

Rodrigues diz que receberá de “braços abertos” a ajuda de quem for ao encontro a suas propostas e quiser ajudar a cidade. O Psol faz oposição ao governo Dilma Rousseff, como fez ao de Luiz Inácio Lula da Silva, mas o candidato tem defendido programas federais como o Minha Casa, Minha Vida. “Quero ser prefeito de Belém, não um prefeito partidário. A gente tem uma postura política, não é porra-louquice”, diz o candidato. “Se o Jader Barbalho (senador do Pará alvo de uma série de denúncias), que gosta pouco de mim, conseguir 15 milhões de emenda para Belém, vou dizer: ‘essas emendas são oriundas de iniciativa do senador Jader Barbalho`, porque é uma questão da nossa cidade”.

Crescimento do PSOL

O PSOL tem a perspectiva de crescer neste ano. Além do bom resultado em Belém, o partido está conseguindo polarizar a eleição com o PMDB no Rio de Janeiro, onde Marcelo Freixo é o segundo colocado. Em Macapá e Fortaleza, os candidatos do partido aparecem em pesquisas com votações representativas. Mesmo sem chances de eleger o prefeito nessas cidades, é um resultado expressivo para um partido que até hoje só teve sucesso no Legislativo e chega agora a sua segunda eleição municipal.

"A eleição de 2008 foi muito difícil. As lideranças do PSOL, entre eles vários deputados, foram obrigadas a assumir candidaturas à prefeitura. Tínhamos uma chapa de vereadores muito frágil, era um partido novo e com capilaridade pequena. Agora, vamos entrar no jogo para valer”, diz Valente. O presidente do partido acredita que o partido se beneficia de um “espaço a ser ocupado pela esquerda, um vazio frustrante deixado pelo PT”. “Nesses anos, acho que o PSOL também conseguiu ser uma referência ética e de mudança social.”

O presidente do partido também acredita que, além das razões para o crescimento nacional as realidades específicas de cada um desses locais também ajudam o partido a penetrar nessas cidades. Valente diz ser mais difícil para o partido quebrar hegemonias em cidades como São Paulo, “berço do PSDB e do PT”.

registrado em: ,