Política

Eleições nos Estados Unidos

As visões de Zizek, David Harvey e Boaventura Santos sobre Trump

por Miguel Martins publicado 09/11/2016 13h43, última modificação 09/11/2016 22h23
Em entrevistas recentes a CartaCapital, os três representantes do pensamento progressista analisaram a ascensão do presidente eleito dos EUA
Ana Yumi Kajiki, Divulgação e Gustavo Lopes Pereira
Zizek, Harvey e Boaventura

Zizek, Harvey e Boaventura analisaram também o recrudescimento conservador no mundo

A ascensão de Donald Trump, eleito para a presidência dos Estados Unidos nesta quarta-feira 9, foi alvo de reflexões distintas de renomados intelectuais do campo progressista entrevistados recentemente por CartaCapital.

Para o filósofo esloveno Slavoy Zizek, que defendeu a candidatura do republicano frente à Hillary Clinton, o presidente eleito é uma fenômeno ambíguo. "Por um lado, é racista, nojento, mas ele quase não fala sobre mudanças concretas. Para mim, o verdadeiro monstro era Ted Cruz, pré-candidato republicano".

O geógrafo britânico David Harvey atribui a força de Trump à desilusão com a globalização, mas confia que, assim como Michel Temer no Brasil e Maurício Macri na Argentina, o republicano não conseguirá tirar do papel muitas de suas ideias e terá dificuldades para permanecer no poder.

Já o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos afirma que degradação da política partidária no mundo abre caminho para candidatos não terem a necessidade de apresentar qualificações específicas para serem dirigentes políticos. "A notoriedade pública em qualquer domínio, seja espetáculo, futebol ou cinema, pode ser qualificação suficiente."

Confira abaixo trechos das entrevistas em que os intelectuais analisaram a ascensão de Trump.

Slavoj Zizek

"Eu não gosto desse foco no Trump. Ele é um fenômeno ambíguo. Por um lado, é abertamente racista, nojento, mas ele quase não fala sobre mudanças concretas. Para mim, o verdadeiro monstro era Ted Cruz, pré-candidato republicano.

A ascensão de Trump é uma situação perigosa, claro, mas devemos ter em conta que o mesmo caos responsável por sua popularidade também fortaleceu Bernie Sanders. Novas regras da política estão sendo escritas.

Anteriormente, apenas mencionar o socialismo nos Estados Unidos era um suicídio político. Sanders reabilitou o termo. O grande desafio da esquerda é não se deixar fascinar por esses novos inimigos fascistas, mas repensar suas posições e equívocos nesses tempos conturbados."

David Harvey

"Há uma desilusão em relação à globalização. Uma das alternativas é voltar-se à política local e sentir-se mais confortável ao controlar as coisas em seu próprio quintal, mais do que ser controlado pelas forças abstratas da globalização.O fato de que o nacionalismo sabe cultivar esses valores tem feito ele se tornar um alternativa importante. Não acho que precise ser desta forma. Há alternativas ao capitalismo que deveriam ser desenvolvidas.

Neste momento, não há dúvida de que a versão da direita sobre esse processo é dominante. Mas é possível resistir. Como disse, não acredito que Temer e Macri vão permanecer no poder por muito tempo, acredito que as esquerdas são suficientemente organizadas para se livrar deles nos próximos quatro ou cinco anos.

O mesmo deve ser verdade para alguns desses movimentos nacionalistas que estão surgindo. Mesmo que Donald Trump seja eleito, não acredito em sua permanência por muito tempo. Muitas das suas propostas não devem sair do papel, pois o apoio político às mudanças não se alargará a tal ponto."

Boaventura de Sousa Santos

"Na lógica da ideologia neoliberal dominante, a política, enquanto escolha entre opções ideológicas diferentes, tende a desaparecer. Como não há alternativa, os governantes não necessitam do consenso dos cidadãos, basta-lhes a resignação.

A democracia de baixíssima intensidade consiste na conversão de diferenças ideológicas em diferenças de qualquer outro tipo que garantam o espetáculo da alternância.Surgem assim novas polarizações que se afirmam como as duas faces do sistema neoliberal: a face do sistema e a face do anti-sistema.

Isto tem duas consequências. A primeira é que, como são duas faces do mesmo sistema, os que se afirmam como anti-sistema são aqueles que mais beneficiam dele. Por isso, os milionários que terão sido eleitos em grandes cidades brasileiras não terão tido dificuldade em apresentar-se como anti-sistema.

Isto é, os que não são profissionais da política porque têm tido dinheiro suficiente para mandar nos profissionais da política. A segunda consequência é que, como a política partidária se vai degradando e, com ela, a formação política que ela devia envolver, não são necessárias qualificações específicas para ser dirigente político.

A notoriedade pública em qualquer domínio, seja espetáculo, futebol ou cinema, pode ser qualificação suficiente. Não surpreende assim que o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, seja um antigo comediante da televisão, que Beppe Grillo, o palhaço italiano, esteja à frente de um partido muito dinâmico (Cinco Stelle), ou que um homem de negócios e de showbussiness como Trump tenha chegado onde chegou."