Você está aqui: Página Inicial / Política / As contradições e ambições de Serra no Itamaraty

Política

Relações Exteriores

As contradições e ambições de Serra no Itamaraty

por André Barrocal publicado 20/05/2016 15h49, última modificação 20/05/2016 16h26
Novo chanceler promete diplomacia despartidarizada mas é militante partidário. Início sugere planos eleitorais
Divulgação
José Serra

José Serra em seu primeiro dia no Itamaraty: a política externa mudou

O chanceler José Serra anunciou uma “nova política externa”, cuja primeira diretriz é não se orientar pelos valores “do governo e jamais de um partido”. O discurso de despartidarização segue a ruptura geral promovida pelo governo provisório de Michel Temer. Mas soa estranho, a julgar pelo perfil e as ações iniciais de Serra, as quais já chamam a atenção no Itamaraty. 

O novo ministro das Relações Exteriores é o primeiro em muito tempo a chegar ao cargo tendo filiação partidária. É do PSDB, pelo qual se elegeu senador em 2014. Repete assim o caminho do amigo Fernando Henrique Cardoso, senador tucano quando foi para o Itamaraty em 1992. FHC, aliás, teve um correligionário no posto em seus dois últimos anos de presidente, Celso Lafer. 

Celso Amorim, ministro nos oito anos do ex-presidente Lula (2003-2010), não era do PT. Filiou-se só em 2009, penúltimo ano no cargo, ano também em que foi considerado “o melhor chanceler do mundo” por uma das mais importantes revistas de relações internacionais do planeta, a The New Foreign Policy. 

Amorim é diplomata de carreira, ao contrário de Serra. Como também são os três chanceleres de Dilma Rousseff, Antonio Patriota, Luiz Fernando Figueiredo e Mauro Vieira, todos sem carteirinha partidária.

Para sua cerimônia de posse na quarta-feira 18, Serra convidou vários políticos do PSDB. Entre outros, estiveram ali o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP) e o deputado Pedro Vilela (AL), ambos presidentes da comissão de Relações Exteriores de suas respectivas casas legislativas, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, e o deputado Jutahy Junior (BA), um velho amigo de Serra.

O tema “partido” não é única contradição entre a retórica e a prática serristas. A julgar por sua conhecida ambição de disputar a Presidência na eleição de 2018, o chanceler tende a cair na tentação de manejar o cargo com fins político-partidários. E parece que já caiu, pelo que se ouve no Itamaraty. 

Um dia após a posse, foi a São Paulo participar do VII Fórum Nacional do Ministério Público de Contas, no Tribunal de Contas do Estado, onde proferiu uma palestra. Ainda não está claro como a análise de contas estaduais ajuda na “nova política externa” ou se o compromisso foi apenas um ato de interesse pessoal. 

Para quem prometeu valorizar o Itamaraty, desprezado por Dilma a ponto de muitos diplomatas terem vibrado com o discurso de posse do tucano, o chanceler também dá pistas de que tal valorização tem lá seus limites. Por exemplo: há quem diga que ele montou uma equipe paralela, formada por não-diplomatas, para ajudá-lo em assuntos particulares. 

Assuntos mais amplos do que diplomáticos, quem sabe? Consta que, na primeira reunião ministerial do governo provisório com o presidente interino Michel Temer, Serra falou de tudo. Inclusive de política externa.