Você está aqui: Página Inicial / Política / A política, segundo FHC

Política

'Política e moral'

A política, segundo FHC

por Marcos Coimbra publicado 12/05/2012 09h40, última modificação 12/05/2012 09h40
Em recente artigo, o ex-presidente expõe o drama da oposição. E sugere a pós-política

Na semana que passou, o ex-presidente Fernando Henrique voltou aos jornais em um novo artigo. Seu título era “Política e moral”.

Tratava do recente livro de seu amigo, o sociólogo Alain Touraine, dedicado à interpretação da vitória de François Hollande. Nele, Fernando Henrique entendeu haver uma discussão útil para a compreensão da sociedade brasileira.

O artigo está longe de ser uma obra-prima. Mas é importante pelo que revela do momento pelo qual passam as forças oposicionistas no País.

FHC continua a ser, para elas, a principal referência intelectual. Nenhuma de suas outras lideranças pretende – ou consegue – ocupar o lugar.

É possível que essa ascendência seja uma espécie de compensação dos correligionários. Desde quando deixou a Presidência, nenhum candidato a cargo majoritário de seu partido quis se mostrar verdadeiramente alinhado com ele ou foi firme em sua defesa, quando atacado.

Restou-lhe o papel de líder intelectual, seja da oposição partidária, seja dos segmentos da opinião pública que com ela simpatizam. Suas perplexidades e contradições assumem, portanto, relevância maior.

No artigo, FHC concorda com Touraine no diagnóstico da crise da “sociedade industrial” e do lugar da política dentro dela. A crise teria feito com que as formas clássicas de confrontação política – a “luta entre partidos, com programas e interesses opostos, marcados por conflitos diretos entre as classes” – fossem substituídas por outras.

Em razão “da globalização e do predomínio do capital financeiro-especulativo”, o confronto teria passado a ser entre o “mundo do lucro” e o “mundo da defesa dos direitos humanos e de um novo individualismo com responsabilidade social”. Nesse novo ambiente, a política estaria perante um novo desafio: “Contrapor os temas morais ao predomínio do econômico”.

Não faria sentido lutar pela social-democracia e, muito menos, o neoliberalismo. Como diz Fernando Henrique: “Trata-se de fazer o mundo dos interesses ceder lugar ao mundo dos direitos” e “libertar o pensamento político da mera análise econômica”. A política precisaria entrar na era “pós-econômica”.

Na sociedade que visualiza, os partidos não têm razão de existir, pois estão “petrificados” – como as demais instituições.

Qual a saída? “Só os movimentos sociais e de opinião, movidos por um novo humanismo expresso por lideranças respeitadas, podem despertar a confiança perdida”.

E o Brasil? Que temos a ver com isso? Tudo, segundo FHC. Em suas palavras: “Mutatis mutandi (Sic) a temática referida por Touraine está presente entre nós”. Ou seja: não apenas a análise, mas também suas implicações políticas seriam válidas para a nossa realidade.

Tanto nos momentos em que concorda com Touraine quanto naqueles em que expõe suas próprias opiniões a respeito do Brasil, Fernando Henrique realiza, no artigo, a proeza de “desdizer quase tudo que lhe disse antes” – e negar boa parte do que fez como presidente.

Agora que, aos olhos da população, existe um governo mais competente que o seu, nega mérito ao desempenho. Se os outros têm mais sucesso, que se acabe com a noção de eficiência. E ainda há quem brinque com Lula, dizendo que é a “metamorfose ambulante” de que falava Raul Seixas!

Parece que Fernando Henrique acha que Brasil e França são iguais. Que a agenda das duas sociedades é a mesma. Que também nós superamos a luta pela social-democracia e estamos na época da “pós-economia”.

Como se não soubesse que nossa tarefa mais urgente é assegurar a todos o mínimo de participação na sociedade e na riqueza. Que antes de ultrapassar a social-democracia temos de experimentá-la, como dizia Fernando Henrique à época da fundação de um partido que tinha esse projeto no nome.

Parece que se esquece: se houve um governo legitimado pelo economicismo, foi o seu. Eleito e reeleito pelo Plano Real, subindo e descendo na aprovação popular em função da evolução dos indicadores econômicos, com FHC tivemos o ápice da despolitização, em que mais faltou aquilo de que hoje sente falta.

Mas suas opiniões são explicáveis: ao decretar que os partidos caducaram e imaginar uma política de “base moral pós-econômica”, regida por “lideranças respeitadas” (será que está se oferecendo para o papel?), FHC reconhece que o espaço das oposições se reduziu a ponto de ser preciso inventar um novo.

Se, fazendo política, as perspectivas para elas são ruins, que tal inventar a pós-política? Resta saber se é isso o que o País deseja. Ou, como diria Mané Garrincha, se os russos estão de acordo.

registrado em: