Você está aqui: Página Inicial / Internacional / "Vamos fazer do Brexit um sucesso", afirma futura premiê britânica

Internacional

Europa

"Vamos fazer do Brexit um sucesso", afirma futura premiê britânica

por Deutsche Welle publicado 12/07/2016 14h36
Theresa May promete respeitar resultado do referendo sobre a permanência na União Europeia. Oposição pede novas eleições
Catham House Flickr
Theresa May

"Brexit significa Brexit. E nós faremos dele um sucesso", garantiu May

Theresa May, que vai se tornar primeira-ministra do Reino Unido nesta quarta-feira (13/07), foi declarada formalmente nova líder do Partido Conservador britânico nesta segunda, em Londres. Em ambos os cargos, a atual ministra do Interior sucede David Cameron, que anunciara sua renúncia após o resultado do Brexit.

Em rápido discurso do lado de fora do Parlamento, ao lado de dezenas de deputados, May afirmou estar "honrada e orgulhosa" por ter sido escolhida para a sucessão de Cameron. Apesar de ter apoiado a campanha pela permanência do Reino Unido na União Europeia (UE), May reiterou que vai respeitar o resultado do referendo.

"Brexit significa Brexit. E nós faremos dele um sucesso", garantiu May, acrescentando que sua campanha interna foi baseada na necessidade de negociar o melhor acordo para o Reino Unido na saída da UE e de forjar um novo papel para o país no mundo.

"Precisamos de uma nova visão de futuro, sólida e positiva. Uma visão para um país que funcione não só para poucos privilegiados, mas para todos, porque vamos dar ao povo um maior controle sobre suas vidas", afirmou a futura premiê britânica, em referência aos problemas de divisões sociais, econômicas e políticas expostas pelo referendo, no mês passado.

A próxima primeira-ministra britânica – que será a primeira mulher a ocupar o cargo desde Margaret Thatcher – dedicou ainda um agradecimento especial a Andrea Leadsom, que se retirou da disputa após sofrer pressões nos últimos dias por ter alegado que o fato de ser mãe lhe dava vantagens para conduzir o país.

Mais cedo, Cameron anunciara que a sua sucessora no cargo será empossada já nesta quarta-feira. "Teremos uma nova primeira-ministra neste edifício atrás de mim na quarta-feira à noite", disse aos jornalistas à porta da sua residência oficial em Downing Street, em Londres.

O líder conservador acrescentou que participará da sua última sessão de perguntas e respostas no Parlamento nesta quarta-feira, antes de abdicar do cargo perante a rainha Elizabeth 2ª.

O atual primeiro-ministro anunciara sua renúncia logo após o voto favorável à saída da União Europeia no referendo sobre o Brexit, mas disse que ficaria à frente do governo até ser eleito o seu sucessor, o que estava previsto para setembro.

May, de 59 anos, tornou-se nesta segunda-feira a única candidata restante à sucessão de Cameron na liderança do Partido Conservador e do governo britânico, depois de a sua principal adversária, Leadsom, ter abandonado a corrida.

Os partidos opositores do Reino Unido, liderados pelos trabalhistas, pediram nesta segunda-feira que sejam realizadas eleições gerais antecipadas diante da iminente oficialização da conservadora May como líder do governo britânico.

O porta-voz do Partido Trabalhista, Jon Trickett, disse que, em vista da instabilidade gerada pelo voto favorável ao Brexit no referendo de 23 de junho, o país precisa de um chefe de governo eleito democraticamente.

Trickett acrescentou que colocará o Partido Trabalhista em estado de alerta para a possibilidade de novas eleições e pediu união em torno do líder partidário, Jeremy Corbyn, formalmente desafiado pela deputada Angela Eagle.

O líder do Partido Liberal-Democrata, Tim Farron, também declarou que devem ser convocadas eleições após "a coroação" de May. "Os tories (como são conhecidos os conservadores britânicos) não têm mandato. O Reino Unido merece algo melhor do que isso", afirmou.

A candidata à liderança do Partido Verde, a deputada Caroline Lucas, ressaltou, por sua vez, que "está mais claro do que nunca" que são necessárias novas eleições.

Embora os conservadores tenham vencido as eleições gerais de maio de 2015 por maioria absoluta, os partidos da oposição consideram que a mudança de primeiro-ministro após o voto favorável ao Brexit deve ser referendada nas urnas.

Deutsche Welle