Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Rússia e China vetam resolução da ONU contra Síria

Internacional

Conselho de Segurança

Rússia e China vetam resolução da ONU contra Síria

por Redação Carta Capital — publicado 04/02/2012 16h00, última modificação 04/02/2012 16h28
Países não aceitaram condenar repressão do regime de Bashar al-Assad, cujo as tropas mataram mais de 230 pessoas neste sábado
ONU

Rússia e China vetam projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU que condena a repressão na Síria. Foto: Don Emmert/AFP

Rússia e China vetaram neste sábado 4 pela segunda vez um projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU que condena a repressão na Síria. A ação tinha o apoio dos demais países do principal organismo de decisão das Nações Unidas.

O veto ocorre após a oposição síria informar a morte de pelo menos 230 civis na madrugada de sexta-feira 3 para sábado, em decorrência de bombardeios à cidade de Homs.

Treze países votaram a favor do projeto proposto por nações árabes e europeias, que apóiam um plano da Liga Árabe para assegurar uma transição democrática na Síria.

Rússia e China, que possuem poder de veto no Conselho, porém, não aprovaram o texto, assim como haviam feito em 5 de outubro.

 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, declarou que o veto sino-russo "enfraquece o papel das Nações Unidas e da comunidade internacional neste momento em que as autoridades sírias deveriam escutar uma só voz, pedindo o fim imediato da violência contra o povo sírio."

O novo texto da resolução substituiu outro mais duro, descartado de imediato pela Rússia,  e não pedia explicitamente a retirada de Bashar al Assad do poder. As concessões incluídas, no entanto, continuaram sendo insuficientes para o país, tradicional aliado de Damasco.

O ministro das Relações Exteriores russo Serguei Lavrov já havia afirmado antes da reunião em Nova York que submeter o projeto à votação provocaria um "escândalo". O chanceler disse, entretanto, que viajará a Damasco na terça-feira 7, acompanhado do diretor do serviço de inteligência exterior russo, para uma reunião com o presidente Bashar al-Assad.

Após dez meses de violência na Síria, que mataram mais de 5,4 mil pessoas, segundo a ONU, a comunidade internacional não consegue chegar a um acordo para deter a repressão  no país.

Ataques

O Conselho Nacional Sírio (CNS), grupo oposicionista ao regime, denunciou a morte de mais de 230 civis na madrugada de sábado durante bombardeios a Homs - pela manhã, o grupo havia estimado as vítimas em 260 pessoas. As tropas de Bashar al-Assad negam a ação.

Com as restrições impostas pelo regime sírio ao trabalho da imprensa estrangeira é difícil confirmar o número exato de mortos com fontes independentes.

O balanço anunciado pela oposição, contudo, pode indicar o dia mais violento desde o início da revolta contra Assad em março de 2011.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), ONG com sede em Londres, anunciou mais cedo a morte de ao menos 217 civis em diversos bairros de Homs na noite passada.

A organização denunciou ainda que pelo menos 12 civis morreram neste sábado e 30 ficaram feridos em um ataque das forças de segurança contra uma comitiva que participava em funerais em Daraya, perto de Damasco.

Os canais de notícias Al-Arabiya e Al-Jazeera exibiram imagens de dezenas de cadáveres espalhados nas ruas de Homs, epicentro da revolta. A violência na cidade provocou, inclusive, protestos de sírios de todo o mundo. As embaixadas do país no Cairo, Kuwait, Atenas e Londres foram atacadas a pedradas.

A Irmandade Muçulmana, que integra o CNS, pediu a abertura de uma investigação internacional sobre o ocorrido.

Em nota divulgada pela agência oficial Sana, o regime afirma que os civis mortos em Homs foram vítimas de disparos de homens armados e não de bombardeios. Também acusa determinados canais de televisão de estimular a violência.

Na sexta-feira, milhares de sírios protestaram em todo o país, particularmente em Damasco, para lembrar o 30º aniversário do massacre de Hama, durante a repressão da revolta da Irmandade Muçulmana por parte do regime de Hafez al-Assad, pai do atual presidente.

“Assassinato de civis”

O presidente americano, Barack Obama, acusou neste sábado o regime sírio de matar civis em um "ataque indescritível" na cidade de Homs e pediu sua renúncia. "Assad deve por fim agora a sua campanha de assassinatos e de crimes contra seu próprio povo. Deve dar um passo atrás e permitir que comece de imediato uma transição democrática", afirmou em comunicado.

"Condeno firmemente o indescritível esse ataque e expresso minha profunda empatia com aqueles que perderam seus entes queridos", completou.

Com informações AFP.

*Atualizado às 17h29 para acréscimo de informação.

Leia mais em AFP Movel.