Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Reino Unido entra novamente em recessão

Internacional

Crise

Reino Unido entra novamente em recessão

por AFP — publicado 25/04/2012 19h05, última modificação 06/06/2015 18h59
PIB da região cai 0,2% no primeiro trimestre e plano de ajuste do governo é acusado de sufocar economia
londres

O Reino Unido voltou a entrar oficialmente em recessão nesta quarta-feira, com o anúncio de uma nova contração de sua economia no primeiro trimestre, situação que aumenta a pressão sobre o governo e seu drástico plano de ajuste, acusado de asfixiar a economia. Foto: ©AFP / Miguel Medina

LONDRES (AFP) - O Reino Unido entrou em recessão novamente nesta quarta-feira 25, com o anúncio de uma nova contração de sua economia no primeiro trimestre, situação que aumenta a pressão sobre o governo e seu intenso plano de ajuste, acusado de asfixiar a economia.

A economia britânica registrou uma queda de 0,2% no período, de acordo com a primeira de três estimativas oficiais publicada pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

O Produto Interno Bruto (PIB) britânico apresentou contração de 0,3% no último trimestre de 2011, mas os analistas esperavam que o país evitasse uma nova recessão - definida tecnicamente como dois trimestres negativos consecutivos - com um leve crescimento de 0,1% entre janeiro e março.

A contração foi impulsionada pela maior queda em três anos do setor da construção (-3%), enquanto a indústria manufatureira continuou um trimestre mais em vermelho.

O Reino Unido já sofreu uma profunda recessão na esteira da crise financeira que durou cinco trimestres, de 1 de abril de 2008 a 30 de junho de 2009, período durante o qual a economia perdeu cerca de 7%, segundo as últimas cifras revisadas.

Desta vez, ela acontece em meio a um severo plano de ajuste para tentar reduzir um déficit excessivo e encaminhar as contas públicas e de um agravamento da crise da dívida entre os países que adotaram o euro.

Apesar de o Reino Unido não pertencer à Eurozona, o país entrou na lista de países europeus em recessão, que inclui Grécia, Irlanda, Portugal, Itália, Holanda, Bélgica e, desde o início desta semana, a Espanha.

O primeiro-ministro David Cameron se disse "muito decepcionado" por esta recaída, mas insistiu que seu governo mantenha sem alterações seu drástico plano de ajuste, conforme discurso feito no Parlamento.

O líder da oposição, Ed Miliband, aproveitou para acusar Cameron de ter "criado" a recessão em Downing Street com seu ministro da Economia, George Osborne. "Teremos que reequilibrar a economia. Necessitamos de um setor privado maior, mais exportações, mais investimento", disse Cameron.

"É um trabalho minucioso e difícil, mas vamos nos ater a nossos planos, às taxas de juros baixas e fazer tudo o que pudermos para impulsionar o crescimento, a competitividade e o emprego", afirmou ante os deputados.

registrado em: