Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Irã acusa Israel por outra morte de cientista

Internacional

Tensão

Irã acusa Israel por outra morte de cientista

por AFP — publicado 11/01/2012 14h50, última modificação 11/01/2012 15h30
Em meio à pressão do Ocidente pelo fim de seu programa nuclear, país registra novo atentado contra integrantes de suas centrais nucleares

TEERÃ (AFP) - O cientista nuclear iraniano Mostafa Ahmadi Roshan morreu nesta quarta-feira 11 em um atentado com carro-bomba em Teerã. A ação foi atribuída pelo regime islâmico a Israel, em mais um episódio da tensão entre a comunidade internacional e o Irã por seu programa nuclear.

Ahmadi Roshan trabalhava na central de enriquecimento de urânio de Natanz (centro), informou a agência Mehr.

O vice-governador de Teerã, Safar Ali Baratloo, atribuiu o atentado à "entidade sionista" israelense, ao alegar que o método utilizado - dois motociclistas que prendem uma bomba magnética a um veículo - é similar ao empregado para matar outros três cientistas iranianos nos últimos dois anos.

O ataque aconteceu durante a manhã perto da Universidade Alameh Tabatabai, zona leste da capital iraniana.

Ahmadi Roshan morreu e dois passageiros do veículo, incluído um segurança, ficaram feridos.

"O engenheiro Ahmadi Roshan, que há nove anos se formou em Química na Universidade Sharif, era o vice-diretor para assuntos comerciais da central de Nantanz", destacou a agência Mehr.

Natanz é a principal central de enriquecimento de urânio do Irã e tem mais de 8 mil centrífugas. A Universidade Sharif de Teerã é a de maior prestígio entre os centros de formação científica do país.

Outra agência iraniana, a Fars, afirmou, com base no depoimento de um colega de Ahmadi Roshan, que o cientista trabalhava em um projeto de membranas de polímeros utilizados na separação de gases.

No Parlamento iraniano, a notícia foi recebida pelos deputados com gritos de "Morte a Israel" e "Morte aos Estados Unidos".

"Atualmente, os que alegam lutar contra o terrorismo atacam nossos cientistas. Mas devem saber que os cientistas iranianos estão mais decididos do que nunca a avançar pelo caminho do progresso científico", afirmou o vice-presidente iraniano, Mohamad Reza Rahimi.

O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, está em uma viagem por países da América Latina hostis aos Estados Unidos. Nesta quarta-feira viajará de Nicarágua a Cuba.

A viagem acontece em um momento de forte pressão dos países ocidentais, que suspeitam que a meta do programa nuclear iraniano é produzir uma bomba atômica. Os Estados Unidos reforçaram as sanções e a União Europeia anunciou um princípio de acordo para decretar um embargo às importações de petróleo iraniano.

A República Islâmica já foi objeto de seis condenações do Conselho de Segurança da ONU e de severas sanções internacionais por suas atividades nucleares.

Teerã nega um objetivo militar e alega que o programa nuclear tem apenas finalidades civis.

Para aumentar a tensão, na semana passada o Irã advertiu contra a presença militar americana no Golfo Pérsico e ameaçou fechar o Estreito de Ormuz, por onde passa 35% do transporte marítimo mundial de petróleo.

Dois dos três cientistas iranianos assassinados desde janeiro de 2010 trabalhavam para o programa nuclear do país.

O atual diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica, Fereydun Abasi, escapou de um atentado similar em 2010. Ele conseguiu fugir de um automóvel ao perceber que um motociclista havia fixado uma bomba na porta do veículo, segundo o governo iraniano.

As autoridades iranianas acusam Israel e Estados Unidos de responsabilidade pelos atentados, assim como por um ataque virtual com o vírus Stuxnet, que teria afetado atividades de enriquecimento de urânio do Irã em 2010.

Leia mais em .

registrado em: