Você está aqui: Página Inicial / Internacional / "Lula é o farol do movimento sindical e da política mundial"

Internacional

Gianni Carta

"Lula é o farol do movimento sindical e da política mundial"

por Gianni Carta publicado 12/12/2012 14h30, última modificação 12/12/2012 14h30
Para o secretário-geral adjunto da Confederação Internacional Sindical Internacional, o ex-presidente “é o cara”
Wellington Chibebe

O sindicalista Wellington Chibebe. Foto: Zimbabwean Union Leader

 

Em Paris

Preso e torturado inúmeras vezes, Wellington Chibebe, secretário-geral adjunto da Confederação Internacional Sindical Internacional (CISI), não cultiva amarguras.

“Se você se torna amargo, seus opositores vão celebrar”, me diz ele em uma sala para entrevistas da Fundação Jean-Jaurès, em Paris, que organiza, ao lado do Instituto Lula, o “Fórum pelo Progresso Social: o Crescimento como Saída da Crise”.

“Eu devo demonstrar liderança, não amargura”, acrescenta Chibebe, nascido no Zimbábue. “E quem sou eu para ficar nervoso porque fui maltratado?”

Além de discursos de abertura do presidente francês François Hollande e da presidenta Dilma Rousseff, há vários outros convidados de renome, como Guido Mantega, o ministro das Finanças, no fórum.

O fórum, de fato, coincide com a primeira visita de Estado à França da presidenta Dilma Rousseff.

No entanto, enquanto Dilma tem vários encontros com autoridades francesas, no instituto Jean-Jaurès “o cara” mais prestigiado responde pelo nome de Luiz Inacio Lula da Silva.

“Ele é o farol do movimento sindical e da política mundial”, diz a CartaCapital o sindicalista Chibebe.

“Lula não é reconhecido somente no Brasil, mas mundo afora.”

Ainda Chibebe: “O Lula trouxe milhões de brasileiros para fora da pobreza. Ele se opôs à sociedade flexível, aquela que contrata e põe o trabalhador na rua”.

De acordo com uma recente pesquisa na França, apenas 1,41% dos adultos franceses são filiados a partidos políticos. Por sua vez, 8,7% dos franceses pertencem aos sindicatos. Mesmo assim, a queda livre da participação do povo em movimentos políticos e sindicais decresce.

O que fazer para reverter esse quadro, indago a Chibebe?

“Não é uma parada fácil”, retruca. “Os patrões não querem que os trabalhadores tenham direitos sindicais. E, assim, eles correm um risco ao se afiliarem a um sindicato.”

Quanto aos partidos políticos, emenda Chibebe, alguns têm nomes de esquerda mas agem como legendas de direita. De fato, basta ver o partido de Tony Blair, no Reino Unido, ou de Fernando Henrique Cardoso, no Brasil.

A questão parece ser mais simples do que parece. Para Chibebe, a classe trabalhadora, antes revolucionária, precisa se “redefinir”. O que eles querem?

Os textos de seus sindicatos ou legendas são escritos por acadêmicos e fundos neoliberais, argumenta.