Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Hollande vence Sarkozy e socialistas voltam ao poder na França

Internacional

Eleições

Hollande vence Sarkozy e socialistas voltam ao poder na França

por AFP — publicado 06/05/2012 18h13, última modificação 06/06/2015 18h59
O novo chefe de Estado afirmou que a "austeridade não deve ser uma fatalidade" entre os diversos governos de uma Europa em crise
hollande

François Hollande diz querer ter "uma presidência normal". Foto: AFP

PARIS, França (AFP) - O socialista François Hollande foi eleito presidente da França neste domingo 6 ao derrotar o atual chefe de Estado, o conservador Nicolas Sarkozy, no segundo turno das eleições francesas.

Em seu primeiro discurso como presidente eleito, Hollande afirmou que a "austeridade não deve ser uma fatalidade" entre os diversos governos de uma Europa em crise.

"Hoje mesmo, responsável pelo futuro do nosso país, estou ciente de que toda a Europa nos observa". "Na hora em que o resultado foi anunciado, tive a certeza que em diversos países europeus houve um sentimento de alívio e de esperança, de que, por fim, a austeridade não deve ser mais uma fatalidade", disse Hollande, que obteve 52% dos votos.

"Neste 6 de maio, os franceses escolheram a mudança para me levar à presidência da República" e estou "orgulhoso por ter sido capaz de devolver esta esperança". "Prometo ser o presidente de todos".

"Envio uma saudação republicana a Nicolas Sarkozy, que dirigiu a França durante cinco anos e que por isto merece nosso respeito".

Sarkozy reconheceu a derrota no início da noite e chamou Hollande de "novo presidente" que o "povo francês elegeu de forma democrática e republicana".

O atual chefe de Estado assumiu "toda a responsabilidade pela derrota" e comunicou a seus partidários que não liderará a luta para as eleições legislativas, previstas para 10 e 17 de junho.

"Não se dividam, permaneçam unidos. É preciso vencer a batalha das legislativas. Podemos ganhar. O resultado (deste domingo) foi honroso. Mas não vou liderar esta campanha".

"Minha posição não pode ser a mesma. Meu compromisso com a vida do meu país será diferente agora", disse Sarkozy.

Hollande se converte assim no segundo presidente socialista da V República Francesa fundada pelo general Charles De Gaulle em 1958, depois de François Mitterrand, chefe de Estado de 1981 a 1995.

Mais cedo, um de seus aliados, Jean-Marc Ayrault, afirmou que um dos primeiros atos de Hollande como presidente eleito será entrar em contato com a chefe do governo alemão, Angela Merkel, na noite deste domingo.

"Creio que ele entrará em contato com Merkel para discutir uma reorientação da Europa pelo crescimento, pela competitividade e pela proteção", disse a jornalistas Ayrault, possível primeiro-ministro de Hollande.

O novo líder francês anunciou que renegociará o pacto fiscal europeu de ajustes e austeridade, elaborado por Sarkozy e Merkel, como parte de uma aliança batizada por ele de 'Merkozy', visando o acréscimo de um capítulo de apoio ao crescimento.

O ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, afirmou na noite deste domingo que seu país "vai trabalhar junto" com a França "por um pacto de crescimento para a União Europeia".

"Precisamos incrementar novas medidas de crescimento, e isto passa por reformas estruturais", disse Westerwelle.

Hollande contou com o apoio incondicional do candidato da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon (11,10% dos votos no primeiro turno), da ecologista Eva Joly (2,31%) e do centrista François Bayrou (9,13%), mas a dirigente da Frente Nacional (FN, extrema direita), Marine Le Pen (quase 18%), defendeu o voto em branco, apesar de criticar Sarkozy com virulência.

No início da noite, Le Pen afirmou que Sarkozy e seu partido UMP foram os responsáveis pela vitória dos socialistas.

"Foi Nicolas Sarkozy que permitiu a vitória de François Hollande. Foram todos os dirigentes da UMP que não pararam de dizer que votar nos socialistas não seria tão ruim, tão dramático".

Sarkozy passa a engrossar a lista dos líderes políticos vítimas da crise europeia, ao lado do socialista espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, do também socialista português José Socrates e do trabalhista britânico Gordon Brown, que pagaram nas urnas por sua política de austeridade.

A eles se somam o italiano Silvio Berlusconi (direita) e o socialista grego Giorgos Papandreu, forçados a sair por pressão da própria União Europeia.

A campanha na França, como as demais, foi marcada pela crise financeira que castiga duramente países como Espanha, Grécia, Itália e Portugal, e por questões como imigração e segurança nas fronteiras, com claro avanco da extrema direita.