Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Grécia: Novas eleições são referendo sobre saída da União Europeia

Internacional

Crise financeira

Grécia: Novas eleições são referendo sobre saída da União Europeia

por José Antonio Lima publicado 15/05/2012 12h53, última modificação 06/06/2015 18h59
Provável governo de extrema-esquerda confirmaria saída do país da Eurozona; ex-premier diz ser necessário três meses de bancos fechados para substituir o euro por nova moeda
Tsipras_Syriza

Alexis Tsipras (centro) chega para reunião no palácio presidencial grego, em Atenas. Seu adversários dizem que ele criou um "muro de arrogância" por não ceder nas negociações. Foto: Louisa Gouliamaki / AFP

Após nove dias de negociações infrutíferas, os representantes dos cinco principais partidos da Grécia desistiram nesta terça-feira 15 de chegar a um acordo sobre o futuro governo do país e anunciaram novas eleições para 17 de junho. Até lá, a Grécia viverá um mês de instabilidade, mas agora o eleitor tem ainda mais claro em sua mente o poder que tem nas mãos. Ir às urnas será quase um plebiscito. A Grécia vai decidir se mergulha fundo nas medidas de austeridade impostas pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) ou se embarca em uma aventura cujo fim é incerto: deixar a zona do euro.

Hoje, a possibilidade maior é de a Grécia abandonar o euro. Nas negociações dos últimos dias, o partido de extrema-esquerda Syriza bloqueou todas as iniciativas de formar um governo de coalizão. Seu líder, Alexis Tsipras, deixou claro que o Syriza, segundo colocado nas eleições, não faria parte de qualquer gabinete favorável às medidas de austeridade impostas ao país em troca de empréstimos bilionários. Tsipras não fez nada mais do que cumprir a vontade de seus eleitores. Pouco mais de 16% dos gregos votaram no Syriza como forma de protestar contra a austeridade. Afinal, as medidas impostas pela EU e pelo FMI jogaram a Grécia no caminho do desemprego galopante e da recessão profunda.

Nas próximas eleições, o Syriza é favorito para ficar com o maior número de vagas no parlamento. Como na primeira eleição 66% dos gregos votaram em partidos anti-austeridade, é provável que este resultado, no mínimo, se reproduza. Ao mesmo tempo, os partidos mais tradicionais da Grécia, o Nova Democracia (centro-direita) e o Pasok (centro-esquerda), ambos favoráveis à austeridade, continuam perdendo popularidade. Neste cenário, por enquanto hipotético, não é difícil imaginar um governo liderado pelo Syriza e completado por outros pequenos partidos anti-austeridade. Se essa possibilidade se concretizar, a Grécia estará indo em direção à porta de saída da zona do euro.

Hoje, parece não haver um caminho do meio para a Grécia. Se o Syriza é intransigente por recusar de antemão qualquer possibilidade de manter as medidas de austeridade, os dirigentes da União Europeia são também intransigentes sobre qualquer chance de a Grécia recusar essas medidas. E, diante do impasse político no país, não cogitaram reduzir a austeridade. Pelo contrário. Após meses mantendo este assunto como tabu, passaram a falar abertamente sobre a saída da Grécia da zona do euro. Nesta terça-feira, o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schauble, foi o primeiro a se pronunciar sobre o fracasso das negociações. “Se a Grécia quiser continuar no euro então terá que aceitar as condições”, afirmou. Como se vê, a estratégia da União Europeia é jogar a Grécia contra a parede para aceitar as medidas draconianas de austeridade. Falta, no entanto, combinar isso com o eleitor grego.

Como um país deixa o euro?

Pelas legislações vigentes atualmente na Europa, um país não pode ser expulso da zona do euro. Ele pode, entretanto, ser pressionado a fazer isso. Em entrevista à agência de notícias Reuters na segunda-feira 14, um diplomata fez uma analogia simples para explicar a situação. “Em teoria, não é possível [expulsar um país do euro], mas é um pouco como o baterista da banda – se banda não gosta do baterista, sempre há um jeito de se livrar dele”. Para os países da zona do euro, a saída da Grécia é temerosa pois pode gerar pânico nos mercados (sempre eles). O temor é de que os investidores passem a pensar: ‘se a Grécia sucumbiu, Portugal, Irlanda, Espanha e Itália também vão sucumbir?’. Para os líderes europeus estarem falando abertamente na saída da Grécia, é por que já têm algum plano de reação para isso. Os países de economia mais fraca teriam disponíveis, por exemplo, os 240 bilhões de euros prometidos para a Grécia.

Para os gregos, a situação é preocupante, e não se sabe ao certo até onde o Syriza e outros partidos anti-austeridade foram na análise de cenários futuros. O lado bom de sair do euro é que a Grécia poderia desvalorizar sua própria moeda e, assim, tornar seus produtos mais atrativos. No caso da Grécia, não é certo que isso seria suficiente para tirar o país da crise. Na segunda-feira, o economista norte-americano Richard Parker, ex-conselheiro do governo do ex-premiê George Papandreou, disse que a desvalorização tem limites. Segundo afirmou Parker ao canal Sky News, o turismo e os embarques comerciais marítimos, principais atividades econômicas da Grécia, não sustentariam a saída do país da crise.

Agrava a situação a logística que um país precisaria passar para abandonar o euro. Segundo o jornal The Guardian, o premier que colocou a Grécia na zona do euro, Costas Simitis, traçou um futuro desolador em evento nesta terça-feira. Segundo ele, seriam necessários três meses de bancos fechados para que a Grécia pudesse substituir o euro por uma nova moeda, que precisaria ser impressa e distribuída por todo o país. Esse tempo todo, segundo Simitis, levaria o país para uma situação de convulsão social.

O caos, entretanto, pode chegar antes. A Grécia está perto da falência e, se a UE e o FMI pararem de emprestar dinheiro para o país, o governo pode ficar, literalmente, sem dinheiro. Neste cenário, serviços públicos como transporte e saúde ficariam parados, a infraestrutura grega ficaria abandonada e os servidores não receberiam seus salários. Pelo menos verbalmente, esta é a ameaça da UE e do FMI à Grécia. Resta saber como os eleitores gregos vão responder a ela e, se os políticos gregos estão prontos a buscar alternativas para evitar um desastre.

registrado em: ,