Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Equador concede asilo político a Julian Assange, fundador do Wikileaks

Internacional

Diplomacia

Equador concede asilo político a Julian Assange, fundador do Wikileaks

por Redação Carta Capital — publicado 14/08/2012 17h01, última modificação 06/06/2015 18h19
Assange (1)

O fundador do Wikileaks, Julian Assange. Foto: Geoff Caddick/AFP

*atualizado às 17h53

"O Equador vai conceder asilo para Julian Assange." A informação de uma fonte equatoriana do portal britânico Guardian garante que  fundador do Wikileaks vai mesmo ter seu pedido aceito pelo governo do país sul-americano.

Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 19 de junho, aguardando um posicionamento oficial do governo de Rafael Correa. Ao garantir o asilo político ao ciberativista, o governo equatoriano o reconhece como um perseguido político.

Correa declarou a uma rede de tevê equatoriana na última segunda 13 que passaria a semana analisando o material jurídico sobre leis internacionais antes de tomar uma decisão. Segundo o Ministro das Relações Exteriores do país, Ricardo Patiño, o presidente aguardava o fim dos Jogos Olímpicos de Londres para se posicionar.

Ainda não está claro se o asilo a Assange o permitirá deixar o Reino Unido rumo ao Equador, ou se é apenas um gesto simbólico. O fundador do Wikileaks corre o risco de ser preso caso deixe a embaixada em Londres. O gesto certamente causará desconforto entre os governos do Equador, de posição bolivariana e alinhado à Venezuela, e dos Estados Unidos, principal alvo dos documentos do Wikileaks, do Reino Unido e da Suécia, país de origem de Assange.

Segundo a fonte do Guardian no Equador, o governo britânico "desencoraja" a ideia de conceder o asilo, enquanto os suecos "não estão muito colaborativos" com a situação.

Julian Assange refugiou-se na embaixada do Equadro em Londres numa tentativa de evitar a extradição à Suécia, onde foi condenado por supostamente ter estuprado duas mulheres. Na Suécia ele corre o risco de nova extradição aos Estados Unidos, onde onde poderia ser condenado à pena de morte.

O sueco, que também tem cidadania australiana, fundou o Wikileaks, site que revelou uma série de documentos confidenciais de empresas e de governos nacionais, sobretudo os Estados Unidos.

Ainda na tarde desta terça, Rafael Correa negou em sua conta no Twitter que a decisão já esteja tomada. "Rumor de asilo a Assange é falso. Ainda não há nenhuma decisão a respeito. Espero informe da chancelaria".

Leia também:

 

 

 

registrado em: ,