Você está aqui: Página Inicial / Internacional / "Chavismo será diferente sem Chávez", diz analista

Internacional

Entrevista

"Chavismo será diferente sem Chávez", diz analista

Movimento vai persistir, mas sem a figura do presidente deve ter um perfil mais discreto. A polarização política, entretanto, deve perseverar
por José Antonio Lima publicado 06/03/2013 12:57, última modificação 06/03/2013 13:18
Comments

 

Presidente da Venezuela desde 1999, Hugo Chávez, morto na terça-feira 5, foi uma figura polarizadora, capaz de gerar amor e ódio em seu país e na América do Sul. Críticas a suas tendências por vezes autoritárias e ao desprezo a outros poderes da democracia são corriqueiras, mas, após sua morte, o ponto de maior discórdia deve ser a respeito do que Chávez fez pelos pobres venezuelanos. Segundo números do Banco Mundial, entre 2003 e 2011 o índice de pobreza no país caiu pela metade (de 62,1% para 31,9%). Para muitos analistas, é um feito e tanto. Para outros, não foi suficiente, pois faltou a Chávez ser capaz de institucionalizar mudanças que poderiam colocar a Venezuela numa rota sustentável de redução da desigualdade.

Para Luiz Fernando Sanná Pinto, ex-professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp-SP) e hoje pesquisador visitante do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Columbia (Estados Unidos), o maior legado de Chávez supera essa discussão. Para Pinto, que morou na Venezuela entre 2011 e 2012, Chávez provocou alterações profundas na Venezuela. Depois de sua passagem pelo poder, ficou impossível para qualquer força política, chavista ou não, ignorar o povo. Ainda segundo o pesquisador a saída de cena de Chávez não vai diminuir a polarização da política venezuelana. O chavismo terá um perfil mais discreto, mas vai continuar forte.

CartaCapital: Qual é o legado de Hugo Chávez?
Luiz Fernando Sanná Pinto: O legado de Chávez, de certa forma, é o resgate de uma população que ficou totalmente esquecida depois de mais de 20 anos de crises econômicas recorrentes após o grande boom da década de 1970. Essas crises econômicas se tornaram uma crise político-institucional, momento em que os venezuelanos não só empobreceram como perderam alguns direitos. Chávez não só teve essa virtù de resgatar o povo esquecido durante as décadas de 1980 e 1990 como também teve a sorte de contar com um cenário internacional bastante favorável por conta dos preços do petróleo. Isso garantiu todas as condições para criar a ideia, na figura do Chávez, muito carismática, de algo equivalente ao “pai dos pobres” venezuelano. É uma ideia mitológica de Chávez, como sendo ele próprio a expressão do povo. Após Chávez, tanto para o governo como para a oposição, não é mais possível fazer política sem povo na Venezuela, como ocorreu a partir da década de 1980, quando a política no país se tornou uma questão de cúpula.

CC: Com a morte de Chávez, o chavismo continuará a existir?
LFSP: Sim, pois o chavismo como tal é muito forte na Venezuela. Muitos dizem que o chavismo é muito mais do que uma força política, é quase uma forma de pensar hoje de boa parte da população venezuelana, sobre como deve ser a relação entre o Estado e parte dos cidadãos. Sobretudo agora neste primeiro momento vai haver uma unidade muito forte no chavismo e provavelmente eles devem ganhar as eleições sem grandes problemas, mas sem Chávez o chavismo vai ser outra coisa, bem diferente do que foi quando ele estava vivo.

CC: Quais serão as diferenças do novo chavismo, caso continue no poder?
LFSP: O novo governo chavista deve ser diferente dos governos Chávez, entre outras coisas, porque as próprias articulações políticas dentro do chavismo vão ser totalmente diferentes. Provavelmente haverá muito mais conflito por poder, digamos assim, do que existiu até hoje com uma única liderança inconteste e impossível de ser suplantada por outra figura. A influência do chavismo é grande e essa nova relação entre o povo e o Estado não vai ser mudada, nem mesmo no médio prazo, tanto que a oposição tem modificado seu discurso para se adequar ao que foi criado por Chávez e pelo movimento chavista.

CC: O que Chávez fez para garantir a perpetuação do chavismo mesmo sem sua presença?
LFSP: O principal foi alterar a estrutura do Estado no sentido de garantir que parte da renda petrolífera, que aumentou muito nos últimos anos, tanto em função das mudanças no preço do petróleo como em função da legislação petrolífera e dos royalties na Venezuela, passasse a ser, de forma muito mais direta, transferida à população por meio de programas sociais, principalmente na área da saúde e também, de forma indireta, como subsídios para certos alimentos e produtos considerados essenciais. Nenhuma força política na Venezuela, seja ela chavista ou não, vai alterar essa política social. Podem até mudar a forma, mas o conteúdo dela dificilmente seria alterado, porque a população espera isso.

CC: Você mencionou uma disputa de poder dentro do chavismo. As principais figuras agora serão Nicolás Maduro e Diosdado Cabello?
LFSP: Na eleição certamente a única figura do chavismo que vai aparecer é Nicolás Maduro. Neste momento de comoção o chavismo vai se unir para garantir sua vitória. No governo Maduro, no entanto, possivelmente algumas figuras vão querer aparecer e jogar politicamente para isso. Uma delas deve ser Diosdado Cabello, com uma ascendência muito grande sobre o setor militar, que é importante na Venezuela, mas existem outras também ainda sem muita evidência ou ascensão, como é o caso de Elias Jaua [ex-vice-presidente, agora chanceler] e de Rafael Ramirez, o todo-poderoso da PDVSA [estatal petrolífera], muito importante na máquina do Estado venezuelano. Mas esses conflitos não devem aparecer agora, pois o chavismo trabalhou muito nos últimos meses para garantir o mínimo de unidade e ganhar outra eleição.

CC: Uma figura como Maduro pode atenuar a polarização da política venezuelana?
LFSP: O Maduro seria uma figura bastante pragmática. Do ponto de vista do estilo ele é muito mais aberto e menos duro do que Chávez para negociar com outras forças políticas. Como ele tem background sindical, ele está muito mais aberto a negociar do que um político com origem militar, que tem outro tipo de raciocínio para a tomada de decisão. Isso tudo, no entanto, é muito abstrato. Dada a realidade política venezuelana, dificilmente vai haver uma despolarização. Até porque para a oposição esse pode ser entendido como um grande momento para possivelmente conquistar a presidência, que na Venezuela é muito mais importante do que no Brasil. Na Venezuela, os governos estaduais e municipais têm muito menos poder, dado que é uma estrutura que historicamente sempre foi muito mais centralista. A presidência faz quase tudo na política venezuelana, então dificilmente haverá uma mitigação dessa polarização que se tornou característica da política venezuelana nos últimos anos.

CC: O que esperar da oposição após a morte de Chávez?
LFSP: Em princípio os opositores não devem refazer seu discurso, mas um elemento que a morte da Chávez traz, e está sendo discutido nos últimos meses na Venezuela é o seguinte: ao mesmo tempo em que Chávez garantia a unidade do chavismo, ele também garantia unidade dentro do campo opositor. Sem a figura do Chávez, a possibilidade de fragmentação da oposição fica muito maior. Provavelmente a oposição mais forte e com mais viabilidade eleitoral, que acabou se expressando na figura do [Henrique] Capriles, vai manter o mesmo discurso das eleições do ano passado. Parte da oposição, entretanto, pode radicalizar o discurso, achando que esse é o momento de derrotar o chavismo eleitoralmente ou em qualquer tipo de crise institucional que possa haver neste período de comoção dos próximos dias. Isso certamente vai mostrar que elementos da oposição têm estratégias diferentes e lideranças com projetos de curto e médio prazo diferentes.

CC: Chávez era visto como um líder por políticos como os presidentes do Equador, Rafael Correa, e da Bolívia, Evo Morales. Esses governos serão afetados pela morte de Chávez?
LFSP: A tendência é que a relação com a Venezuela continue a mesma. O Maduro foi muito tempo chanceler da Venezuela e de certo modo coordenava boa parte dos projetos de cooperação. Se a oposição chegasse ao poder certamente haveria uma mudança importante na política externa, mas, prosseguindo o chavismo, haverá continuidade. O perfil, no entanto, será muito mais discreto, pois a liderança venezuelana chavista com certeza não terá o mesmo carisma de Chávez.

CC: Segundo muitos analistas uma das bases da sobrevivência do regime cubano é a cooperação econômica com a Venezuela. A relação com Cuba vai mudar?
LFSP: Caso o Maduro ganhe as eleições, provavelmente as relações com Cuba vão permanecer iguais. Caso a oposição ganhe, certamente vão ser bastante alteradas. Provavelmente não seriam rompidos todos os acordos, até porque isso teria uma repercussão política interna muito forte. Mas, com o chavismo, não mudaria. O próprio Chávez trabalhou bastante para garantir que os acordos de cooperação com Cuba sejam uma das características do chavismo como um todo. Alguns dos projetos de cooperação internacional são elementos integrantes da política de legitimação interna do regime. Os acordos com Cuba, por exemplo, são fundamentais para as políticas na área de saúde. Hoje há 30 mil médicos cubanos morando na Venezuela, em favelas, atendendo a população mais pobre. Existe um custo da manutenção da política externa, que deve ser sempre considerado.

CC: A presidenta Dilma Rousseff mencionou que nem sempre seu governo concordou com Caracas. Houve algum tipo de diferença entre Brasil e Venezuela recentemente?
LFSP: Discussões públicas certamente não houve. O que há é uma diferença de abordagem com relação aos temas internacionais de forma geral. Embora em termos de conteúdo não haja essa diferença toda – as votações na ONU e em outras instâncias internacionais convergem – do ponto de vista da forma há uma diferença bem grande. O governo venezuelano tem um discurso muito mais radical e revisionista da ordem internacional, bem diferente do discurso brasileiro, reformista. Em certos momentos o discurso divergiu, mas isso jamais se expressou nas relações bilaterais, até porque o perfil da política externa brasileira não é de realizar esse tipo de discussão publicamente.

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
Revista Digital


Confira a última edição

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

Especial Haiti

Diálogos Capitais

Esporte Fino

Socialista Morena