Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Chávez foi submetido a quimioterapia e está 'animado', diz Maduro

Internacional

Venezuela

Chávez foi submetido a quimioterapia e está 'animado', diz Maduro

por AFP — publicado 02/03/2013 10h23, última modificação 02/03/2013 10h32
Segundo o vice-presidente, Chávez estaria realizando tratamentos complementares contra o câncer

CARACAS (AFP) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, foi submetido à quimioterapia como parte dos "tratamentos complementares" necessários após ser operado pela quarta vez contra um câncer e está "animado", informou nesta sexta-feira 1º o vice-presidente, Nicolás Maduro.

Chávez passou a receber no final de janeiro "tratamentos complementares (...) que são as quimioterapias que se aplicam aos pacientes após as operações", revelou Maduro à imprensa após uma missa pelo presidente no Hospital Militar de Caracas, garantindo que "ele está animado".

Maduro informou que foi o desejo de Chávez ser transferido de Havana para o Hospital Militar de Caracas, para receber "os tratamentos complementares mais intensos e duros". "Ele tem agora uma fortaleza superior aos tratamentos que está recebendo e se encontra animado".

Chávez chegou a Caracas em 18 de fevereiro passado, após passar 70 dias internado em Havana, onde foi operado no dia 11 de dezembro. Maduro explicou que o presidente enfrentou as operações anteriores "com a segurança de que sairia", mas nesta última "havia a possibilidade de não escapar" com vida.

Nas últimas dez semanas, os venezuelanos viram Chávez apenas em quatro fotos - junto com suas filhas mais velhas - tiradas no hospital de Havana.

Chávez, 58 anos e no poder desde 1999, foi diagnosticado com câncer em meados de 2011, e desde então foi operado em Cuba em quatro ocasiões, com posteriores ciclos de quimioterapia e radioterapia. Reeleito no dia 7 de outubro passado, Chávez não se apresentou para a posse no Legislativo em 10 de janeiro, como determinava a Constituição, mas o Supremo Tribunal de Justiça admitiu empossá-lo posteriormente.

Leia mais em AFP

registrado em: