Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Cantar na campanha presidencial americana pode ser perigoso

Internacional

Estados Unidos

Cantar na campanha presidencial americana pode ser perigoso

por AFP — publicado 17/07/2012 12h11, última modificação 06/06/2015 17h29
Campanhas de Obama e Romney usam canções para fazer vídeos negativos os candidatos

Os candidatos à presidência dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama e o republicano Mitt Romney, aprenderam que as músicas que cantam em atos de campanha podem ser usadas contra eles.

O fenômeno começou no fim de semana, quando a equipe de campanha de Obama divulgou um vídeo que mostra Romney sério, cantando de forma desafinada a patriótica música "America the Beautiful". Ilustram o áudio as imagens de fábricas fechadas e um texto que acusa o candidato republicano de ter ajudado a deslocar postos de trabalho para o exterior. O vídeo inclui citações de agências de notícias que descrevem Romney como um rico empresário e investidor, que coloca seu dinheiro em paraísos fiscais, que destruiu milhares de empregos com seu fundo de investimentos Bain Capital. "As empresas de Mitt Romney transferiram postos de trabalho para o México e a China", afirma o vídeo, que pode ser visto abaixo.

A equipe de Romney contra-atacou rapidamente nesta segunda-feira com seu próprio vídeo na web, divulgando uma imagem de Obama cantando o clássico de Al Green "Let's Stay Together" em um ato para arrecadar fundos. O vídeo, que estava neste link, foi retirado do ar por conta de alguma violação a direitos autorais verificada pelo YouTube.

Na propaganda são citadas matérias do jornal The New York Times e declarações da Rádio Pública Nacional (NPR, na sigla em inglês) que afirmam que Obama recompensa os grandes doadores de campanha com cargos chave, acesso e benefícios na Casa Branca.
"Muito amor aos doadores", pode ser lido no anúncio. "E o que acontece com a classe média?" - acrescenta.

Os vídeos de campanha na Internet são vistos habitualmente por menos pessoas que a propaganda convencional na televisão, mas o formato está crescendo e esse tipo de vídeo tende, cada vez mais, a se transformar em ferramenta de campanha.

Leia mais em AFPMovil