Você está aqui: Página Inicial / Internacional / ACNUR pede US$ 1 bilhão para ajudar refugiados da Síria

Internacional

Crise humanitária

ACNUR pede US$ 1 bilhão para ajudar refugiados da Síria

por Redação Carta Capital — publicado 19/12/2012 14h56, última modificação 19/12/2012 14h56
Órgão da ONU estima que 1 milhão de pessoas devem fugir da guerra civil para países vizinhos até a metade de 2013
refugiados Síria

Foto: Odd Andersen/AFP

A agência das Nações Unidas para refugiados (ACNUR) e seus parceiros fizeram um pedido de doações recorde nesta quarta-feira 19. O órgão da ONU solicitou aos doadores internacionais 1 bilhão de dólares para conseguir dar apoio nos primeiros seis meses de 2013 a refugiados fugindo da guerra civil na Síria rumo à Jordânia, Líbano, Iraque, Turquia e Egito.
A guerra civil síria tem se aprofundando nos últimos meses, o que multiplicou exponencialmente o fluxo de pessoas deixando o país. Além disso, estimativas recentes do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, apontam que mais de 42 mil pessoas morreram nos conflitos, iniciados há mais de 20 meses contra o governo do presidente Bashar al-Assad. Cerca de 29,5 mil eram civis.

 

 

 

O conflito provocou, até o momento, 525 mil refugiados registrados nos países no entorno da Síria. Muitos outros ainda não se registraram. Em maio, eles eram 70 mil.

O pedido do ACNUR tem como base de cálculo estimativas de que mais de 1 milhão de refugiados da Síria vão precisar de ajuda durante a primeira metade do próximo ano. Desde julho, eles saem do país em número de cerca de 2 a 3 mil por dia.

 

A crise é considerada “massiva” pelo Acnur, que pede a ajuda urgente de governos, empresários e indivíduos. A entidade apela para a necessidade de levantar esses fundos de forma rápida, ou não será possível responder de maneira ampla a necessidades de vida ou morte de civis fugindo do conflito, “muitos deles em uma condição verdadeiramente de desespero”.

Segundo o órgão da ONU, o novo plano regional de resposta à situação dos refugiados sírios inclui a necessidade de garantir fundos a 55 organizações humanitárias que fornecerão proteção vital e assistência para essas pessoas durante os primeiros seis meses de 2013.

O plano inclui ações com crianças - cerca de metade dos refugiados nos campos dos países próximos à Síria-, mulheres, idosos e sobreviventes de violência sexual ou de gênero. Haverá também suporte para novas chegadas, assistência para as comunidades que recebem esses indivíduos e planos de construção de novos campos.