Você está aqui: Página Inicial / Economia / "Escolha de Azevedo mostra confiança na liderança do Brasil", diz analista

Economia

Organização Mundial de Comércio

"Escolha de Azevedo mostra confiança na liderança do Brasil", diz analista

por Gabriel Bonis publicado 08/05/2013 19h25
Brasileiro obteve amplo apoio de países emergentes e oposição da União Europeia
OMC
roberto-azevedo.jpg

Roberto Azevedo teve apoio de emergentes e oposição da União Europeia

Na disputa pelo posto de diretor-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevedo obteve 93 dos 159 votos (13 a mais do que o necessário para ganhar). Para o resultado, oficializado nesta quarta-feira 8, foi fundamental o apoio fundamental de países emergentes da América Latina e da África ao baiano, destacando a importância de políticas comerciais Sul-Sul, implementadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em busca de uma ligação mais intensa com países africanos e vizinhos sul-americanos.

O posicionamento de Lula rendeu críticas de que o Brasil estaria se afastando dos grandes atores do comércio em uma postura isolacionista. A crise mundial de 2008, no entanto, afetou profundamente as nações desenvolvidas e deu aos emergentes mais força e influência na economia. E foram eles que apoiaram a candidatura do brasileiro. “Essa votação mostrou o resultado de articulações e da grande confiança na liderança brasileira por parte de um conjunto muito grande de países, entre eles os BRICS (Rússia, Índia, China e África do Sul). Esse apoio é uma vitória que dá ao Brasil condições de reabrir as negociações da Rodada de Doha”, acredita Giorgio Romano Schutte, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC.

A escolha de Azevedo, diz, teve início em 2003 na reunião ministerial de Cancun, no México. À época, o Brasil ajudou a criar e a coordenar o G20, um grupo de 23 países de três continentes (entre eles África do Sul, Argentina, China e México) que representa 21% da produção agrícola mundial e 26% das exportações.

O bloco se firmou como um dos mais influentes nas negociações agrícolas de Doha, suspensas desde 2008, alçando o Brasil com um dos líderes dos emergentes. “Antes eram os ricos que sentavam e ditavam as regras, depois chamavam os outros para concordar. O G20 começou questionar isso e propor outra forma de articulação.”

Na eleição contra o mexicano Hermínio Blanco, o Brasil não obteve o apoio de diversos países desenvolvidos. A União Europeia e a Croácia, que somam 28 votos, por exemplo, se opuseram a Azevedo. Eles alegam que o Brasil tem adotado uma posição protecionista em meio à crise internacional.

Críticas rebatidas pelo Ministério de Relações Internacionais, para quem o País segue as normas do comércio internacional. “Estamos em um contexto de crise com diferentes estratégias, o que gera mais sensibilidade por outras políticas”, diz Daniela Arruda Benjamim, chefe da Coordenação-Geral de Contenciosos do Itamaraty. “O governo vem promovendo mudanças para melhorar a vida da população. Os acordos da OMC não devem proibir isso, pois a entidade tem como objetivo o desenvolvimento.”

Romano também refuta as críticas de protecionismo e ressalta que a OMC possui um fórum de soluções de controvérsias no qual é pouco acionado. “O Brasil não é um protecionista, ainda mais se analisar a proteção a produtos agrícolas nos Estados Unidos e na União Europeia com subsídios.”

registrado em: