Economia

Opinião

Acabou o amor do mercado com a equipe econômica?

por Emilio Chernavsky — publicado 06/01/2017 04h59
A descrença do empresariado no governo ajuda a alimentar a aguda crise política
Antônio Cruz / Agência Brasil
Meirelles

Meirelles: as críticas começaram

Contrariando as promessas de que a instabilidade que marcou o segundo governo Dilma Rousseff terminaria com o fim do processo de impeachment, 2016 se encerrou em meio a uma profunda crise política e institucional.

É nesse ambiente que nas últimas semanas do ano começaram a ganhar visibilidade nos meios de comunicação os comentários críticos à condução da política econômica, apontando em especial a falta de resultados positivos mesmo tendo já se passado sete meses desde que o novo governo assumiu.

De fato, longe de mostrar o início da prometida recuperação, a maioria dos indicadores econômicos permanecia estagnada ou continuava a se deteriorar, levando as previsões de crescimento para o próximo ano a serem continuamente revistas para baixo.

image.png

Apesar de contrariar as expectativas da maioria dos analistas econômicos e do governo, esta situação não deveria surpreender diante da trajetória que os componentes da demanda vinham assumindo.

Com efeito, com a redução dos salários reais e o aumento do desemprego, e com a contração no crédito pelo aumento da incerteza, o volume de vendas no comércio continuava a cair e a elevar a ociosidade da economia, aprofundando a deterioração do mercado de trabalho e realimentando a espiral negativa do consumo das famílias, que é o responsável pela maior parcela da demanda das empresas.

Estados e municípios, por sua vez, pressionados pela queda das receitas resultante do agravamento da recessão, se viam obrigados a reduzir seus gastos, particularmente os de investimento. As exportações, finalmente, que vinham dando sinais pontuais de melhora desde 2015, arrefeciam seu ímpeto em meio à forte valorização do real que reduziu nos últimos meses a competitividade da produção nacional. 

Em face dessas trajetórias negativas, a tão festejada equipe econômica, o dream team sobre o qual tantas esperanças aqueles meios de comunicação e boa parte do empresariado depositavam, parecia pouco atuar para contê-las, preferindo se concentrar na preparação de reformas estruturais, começando pela PEC que congela em termos reais os gastos públicos por ao menos dez anos e garante a aplicação de um ajuste fiscal permanente no âmbito da União. 

Na visão do governo e analistas, a sinalização de austeridade aumentaria a credibilidade da política econômica e levaria à redução da taxa de juros, contribuindo para recuperar a confiança dos agentes e, com ela, o investimento privado, o que compensaria a queda inicial na demanda e daria origem a um novo ciclo virtuoso de crescimento. O ajuste permanente seria, assim, expansionista e estimularia, em vez de inibir, a atividade econômica.

Com a satisfação nos círculos empresariais e nos meios de comunicação com o discurso do novo governo – e com os ganhos financeiros por muitos obtidos com a valorização da moeda e a euforia dos mercados –, entre abril e setembro praticamente todos os índices de confiança de fato melhoraram, o que foi tomado de forma quase unânime pelos analistas como indício da iminência da retomada da economia que confirmaria o acerto das previsões otimistas. Bastava, apenas, que essa melhora se traduzisse no esperado aumento dos investimentos privados.

Contrariando tais expectativas, contudo, esses investimentos, ao invés de aumentar, continuaram a cair. Isso, entretanto, não deveria espantar. Mesmo com a redução nas taxas de juro, a contração da demanda e o excesso de capacidade reduzem a rentabilidade esperada do investimento produtivo.

Logo, em vez de investir para elevar uma produção que provavelmente encalharia, gerando prejuízos, o empresário tende a reduzi-la, adaptando-a à demanda menor, e a aplicar o eventual excesso de caixa gerado nos negócios fora do circuito produtivo. A demanda encolhe assim ainda mais e a recessão se aprofunda.

Diante da continuidade da queda nos investimentos, a percepção de que a prometida recuperação da atividade econômica se daria de forma muito mais lenta e incerta do que o esperado – o que era confirmado inclusive por declarações de membros do próprio governo – começou a se generalizar entre consumidores e empresários.

Isso fez com que desde outubro os índices de confiança invertessem seu movimento, passando a registrar queda em praticamente todos os segmentos da economia:

image (1).png

Tal reversão da recuperação dos índices quando seus níveis ainda se encontravam muito abaixo dos que vigoraram entre 2001 e 2013 mostra a insuficiência do diagnóstico do Ministério da Fazenda, que vê o âmago da crise econômica numa crise de confiança, a qual seria resolvida com a adoção de políticas austeras.

De fato, ao contrário do que o governo esperava, ao invés de começar a melhorar, a situação da economia continuou a se deteriorar e essas políticas, em vez de ajudar a sustentar a melhora da confiança que se verificou após a troca de governo, têm contribuído para agravar o quadro de depressão da demanda.

Esta, ao se manter, derruba a confiança dos agentes. Sem o impulso da confiança, e sem que o governo apresente estratégias alternativas, a perspectiva de retomada da economia em um horizonte visível se torna cada vez mais questionável.

O quadro de continuidade da recessão e de manutenção de um horizonte nebuloso assim como a diminuição da crença entre o empresariado e a sociedade em geral na capacidade do governo em ajudar a retomar o crescimento são componentes adicionais a alimentar o ambiente atual de aguda instabilidade política.

É nele que têm aparecido com frequência nos meios de comunicação críticas explícitas à atuação do Ministério da Fazenda e do Banco Central, que até então haviam se mostrado quase que totalmente imunes a elas. Com o aumento do descontentamento com o governo, parece claro que a lua de mel com a equipe econômica que vigorou durante meses não mais existe. Resta saber se o amor acabou.

*Emilio Chernavsky é doutor em economia pela USP e especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental