Você está aqui: Página Inicial / Economia / O BC corta juro, mas o Brasil vive 'financeirização' precoce

Economia

Rentismo

O BC corta juro, mas o Brasil vive 'financeirização' precoce

por André Barrocal publicado 21/10/2016 11h21, última modificação 22/10/2016 10h12
Fenômeno é apontado pela ONU, que vê estímulo a desemprego e desigualdade. Temer tinha 30% do patrimônio em aplicações
Rizwan Tabassum / AFP
Bolsa

O fenômeno significa a economia do país girar cada vez mais em função do sistema financeiro

Na quarta-feira 19, o Banco Central baixou seu juro pela primeira vez desde outubro de 2012. A taxa, uma das mais importantes da economia, a influenciar o custo dos empréstimos de norte a sul e o tamanho da dívida do governo, agora vale 14% ao ano. Um patamar incapaz de tirar o Brasil do topo do ranking da usura mundial.

O País convive há tanto tempo com juros de agiota, desde os anos 1990, que fica fácil de entender uma das conclusões do mais recente relatório anual da agência das Nações Unidas dedicada a temas comerciais e de desenvolvimento, a Unctad. O Brasil vive precocemente a “financeirização” econômica, mais comum em países desenvolvidos como Estados Unidos e certos europeus.

O fenômeno significa a economia do país girar cada vez mais em função do sistema financeiro e das decisões de banqueiros. Até empresas de outros ramos, como fábricas e lojas, passam a buscar crescentemente lucros no “mercado” e a dar menos importância a suas atividades originais.

De 1995 a 2002, as empresas nacionais investiram em seus negócios o equivalente a 178% de seus lucros, informa o relatório da Unctad, de setembro. De 2009 a 2014, foram 79%. A diferença provavelmente virou aplicação financeira. No primeiro período estudado, os ativos financeiros representavam 7% dos ativos das empresas. No seguinte, 11%.

Não surpreende a fatia da indústria no PIB ter caído – constatação da Unctad - de 27% nos anos 1970 para 11% em 2014. Segundo o organismo, a “financeirização” é um fenômeno de efeitos negativos, já vistos em nações avançadas. Exemplos: aumento das desigualdades de renda e do desemprego, queda da demanda, bolhas financeiras.

Uma forma de reverter isso, conforme a entidade, seria os governos obrigarem as empresas a reinvestirem seus lucros em atividades produtivas sempre que elas recebessem algum incentivo fiscal. Por aqui, seria um baita desafio, a julgar pela profundidade da “financeirização”.

Temer
Temer declarou um patrimônio de 7,5 milhões de reais, dos quais 2,2 milhões estavam em aplicações (Beto Barata/PR)
“O Brasil é um país rentista. Nosso empresariado precisa de taxa de juros altas, é um componente fundamental da política econômica”, diz o sociólogo Adalberto Cardoso, diretor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

 

 

O trem da alegria no mundo finanças proporciona situações curiosas. O País enfrenta desde 2015 uma grave crises econômica, dois anos de recessão de uns 3%. E, mesmo assim, o Itaú lucrou no ano passado 23 bilhões de reais, recorde bancário no Brasil, e já acumulou outros 10 bilhões no primeiro semestre de 2016. Idem para o Bradesco: 17 bilhões em 2015, 8 bilhões no semestre.

O magnetismo do “mercado” seduz todos os endinheirados brasileiros. O presidente Michel Temer declarou à Justiça Eleitoral na campanha de 2014 um patrimônio de 7,5 milhões de reais, dos quais 2,2 milhões (30% do total) estavam aplicados em CDB no Santander.

Outra pista do poder sedutor das finanças. É possível um cidadão comprar títulos públicos do Tesouro Nacional sem intermediários, em troca dos altos juros pagos. É uma aplicação chamada Tesouro Direto.

Em janeiro de 2013, dois meses após o Banco Central ter feito a última redução de o juro até a da quarta-feira 19, havia 334 mil pessoas no Tesouro Direto. Agora, são 930 mil. A maioria homens de 26 a 45 anos e moradores da região Sudeste. Juntos, eles têm aplicado 35 bilhões de reais.

Para quem tem dinheiro, o Brasil é a terra prometida. Para quem não tem...