Você está aqui: Página Inicial / Economia / A batalha dos móveis contra a invasão chinesa

Economia

Políticas Econômicas

A batalha dos móveis contra a invasão chinesa

por Luis Nassif publicado 29/08/2012 11h38, última modificação 06/06/2015 18h19
Como enfrentar a invasão chinesa carregando nas costas o custo Brasil, o câmbio, os juros? A Indústria de Móveis parece ter uma boa saída

Como enfrentar a invasão chinesa carregando nas costas o custo Brasil, o câmbio, os juros?

A experiência da Abimo (Associação Brasileira das Indústrias de Móveis de Alta Decoração) é um belo exemplo de luta de pequenos pela sobrevivência em ambiente inóspito.

É o que se depreende da apresentação de seu presidente, Michel Otte, no Fórum Brasilianas.

O setor tem 98% de micro e pequenas empresas; apenas 2% de grandes empresas. Emprega 260 mil pessoas, 191 mil dos quais em empresas que utilizam a madeira - que compõem 85% do setor. Os móveis de metal são trabalhados por 8% das empresas e o de colchões por 2%.

Últimos artigos de Luis Nassif:

***

De 2010 para cá, o saldo comercial despencou de 213 milhões de reais para 28 milhões. Este ano, o setor poderá registrar déficit. A invasão é fundamentalmente chinesa.

Em 2010, o setor importou 221 milhões de dólares; em 2011 passou para 319 milhões; até julho deste ano, 368 milhões de dólares. Desse total, 140 milhões vieram da China; 38 milhões dos Estados Unidos e 21 milhões da Alemanha.

***

Quem esperar sentado mudanças no ambiente econômico desaparecerão. Por isso o setor decidiu reagir com as armas de que dispõe.

A competição com o exterior passou a se dar em duas frentes.

Na primeira, na busca de excelência em custo. Na segunda, buscando a diferenciação, prática que vem sendo estimulada pelo próprio governo.

***

Otte admite que o país deixou definitivamente de ter um custo competitivo. 85% da indústria moveleira do país trabalha com madeira maciça. O grande concorrente é o Vietnã. Em 2005, o custo médio dos salários era de 195 dólares no chão da fábrica; no Vietnã, de 110 a 120 dólares. Em 2012, o custo médio brasileiro é de 555 dólares contra 160 do Vietnã.

Com encargos, o custo brasileiro salta para a média de 1.200 dólares, contra 180 do Vietnã. Não há reforma tributária ou desoneração que resolva.

***

Até agora, parte da indústria brasileira foi poupada devido aos custos de logística (para transportar móveis). A segunda barreira de entrada é a necessidade de customização para o cliente, que complica a situação para a indústria de exportação.

Aumento de custos para produtos mais simples, agregação de valor em produtos mais sofisticados, tiveram reflexos nas exportações. Em volume exportado, houve queda. Mas antes os containers transportavam móveis de 10 mil dólares; hoje em dia, de 70 mil dólares.

***

Mesmo essa estratégia de diferenciação tem seus limites, diz Otto. A diferença de custo tem levado cada vez mais empresas a pensar em produzir o móvel fora, na Ásia.

No plano Brasil Maior, o setor considerou positiva a mudança de tributação do INSS – que passou a incidir sobre o faturamento.

Mas os avanços terão que se dar em outras áreas previstas no plano. A saída será estimular indústrias a investir em tecnologia, novos materiais, designer e, principalmente, foco: apesar do robusto mercado interno, não há como pretender crescer em todos os segmentos de mercado.

Recentemente, a Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) fechou seu escritório na China: empresários que iam prospectar o mercado chinês acabavam aproveitando a estada para conseguir representações de empresas chinesas.

registrado em: ,