Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Não existem ateus na Bahia

Cultura

Cynara Menezes

Não existem ateus na Bahia

por Cynara Menezes — publicado 03/04/2012 17h14, última modificação 06/06/2015 18h56
Baiano que não crê em nada precisa provar sua existência. Como um São Tomé do ceticismo, só acredito vendo
384062551_3285d1fcbf

Não dou a mínima para Deus, mas adoro São Francisco. E Iemanjá é praticamente uma pessoa da família. Vovó costuma dizer: "Gosto muito dela!"

Um ateu baiano é que nem uma pessoa que crê em Deus: ambos têm diante de si a dura missão de convencer o mundo. O crente é desafiado a provar a vida inteira, inclusive a si, que há um Deus. Já o ateu baiano, nascido numa terra cuja capital, reza (ops) a lenda, possui uma igreja para cada dia do ano – sem contar os inúmeros templos evangélicos e terreiros de candomblé –, carrega a sina de provar que ele próprio existe. Que de fato não crê em nada, mas nada mesmo. Está lançado o desafio. Como um São Tomé do ceticismo, só acredito vendo.

Até o mais célebre ateu baiano, o comunista Jorge Amado, cujo centenário se comemora este ano, tinha sua queda pelos orixás. Todo mundo lá sabe disso: era o ateu que "simpatizava" com o candomblé. Estive no velório do escritor, em 2001. Havia uma cruz atrás do caixão. E uma senhora da Irmandade da Boa Morte, confraria afro-católica do recôncavo, que entoava cânticos, me disse: "Sabemos que ele era ateu, mas também que era do culto afro". Não é por acaso que o título do famoso romance de sua mulher, Zélia, é "Anarquistas, Graças a Deus". O casal Amado pertencia a um tipo bastante comum na Bahia: o "ateu-de-todos-os-santos".

Jorge Amado chegou a exercer o posto de Obá de Xangô no Ilê Axé Opô Afonjá, o respeitadíssimo terreiro de mãe Stella de Oxóssi, no bairro do Cabula. Ser Obá, um cargo honorífico, significa ser amigo e protetor do terreiro. Ainda moço, o escritor tinha recebido do pai-de-santo Procópio seu primeiro título no candomblé, Ogã, o "guardião das chaves da casa". Bem a propósito, uma das frases mais belas sobre a fé que conheço, de Caetano Veloso, dizem que foi inspirada em Jorge Amado: "Quem é ateu e viu milagres como eu/ Sabe que os deuses sem Deus/ Não cessam de brotar,/ Nem cansam de esperar". Ateus baianos enxergam milagres...

Quando era adolescente, em Salvador, cismei de ser atéia, embora só tenha parado de rezar o "Santo Anjo" antes de dormir já perto dos 30. Vocês não imaginam o tanto de gozação que sofri da família: "Ih, ela agora inventou de não acreditar em Deus", e dá-lhe risadaria. Logo eu, que era a primeira a entrar na fila dos netos que iam tomar banho de folha no sofá da sala de estar dos avós... Meu pai ainda hoje fala assim: "Sei que você não acredita em nada, mas... Aliás, como uma pessoa consegue viver sem fé nenhuma?"

Na faculdade, um professor contou a história de um amigo superateu baiano que na hora da morte se agarrou num crucifixo e começou a gritar: "Meu Deus, não me deixa morrer, eu acredito! Eu acredito!" Nestes momentos, meu ateísmo sofria sérios abalos, assim como minha fé na existência de ateus baianos. Com o tempo, fui me tornando cada vez menos atéia e a simpatizar cada vez mais com os santos, católicos e do candomblé. Como Jorge Amado, sou sincrética pacas. Não dou a mínima para Deus, mas adoro São Francisco. E Iemanjá é praticamente uma pessoa da família. Vovó costuma dizer: "Gosto muito dela!"

Me arrisco a dizer que existe uma fé ou talvez uma dúvida nata no baiano. No máximo, há baianos agnósticos. Na Bahia, mesmo o ateu que se diz ferrenho tem seu quarto dos santos no fundo da casa, carrega consigo uma medalhinha ou um patuá, toma banho de pipoca no dia de São Lázaro, "só de farra", ou diz para a avó "a bença, vó" – "só por costume". Como diria outro baiano, Gilberto Gil, "mesmo a quem não tem fé/ a fé costuma acompanhar/ pelo sim, pelo não...". De onde virá isso, de nossa África ancestral? Não saberia dizer. Mistério.

Um livro que me impressionou e influenciou profundamente na vida foi uma pequena grande obra de Miguel de Unamuno, São Manuel Bueno, Mártir. É a história de um padre que esconde um segredo: não possui fé. E o martírio que se coloca é fingir aos fiéis, transmitir a eles a existência de Deus sem acreditar nela. O ateu baiano é uma espécie de São Manuel Bueno, Mártir da não-religiosidade. Todos os dias, o ateu nascido na Bahia professa sua não-fé em coisa alguma, mas dentro dele uma fagulha de crença no imaterial, no sobrenatural, no que não está ao alcance dos olhos – chame a isso sorte, acaso ou destino –, insiste em permanecer acesa.

P.S.: Como boa baiana, Semana Santa para mim é sinônimo de caruru, vatapá, moqueca, fritada de bacalhau. Tudo comida de santo! Boa Páscoa a todos.