Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do GR-RI / Conversas nos Corredores da ONU

Internacional

Opinião

Conversas nos Corredores da ONU

por Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais — publicado 09/06/2016 04h24
Um depoimento sobre a complexa tarefa de explicar o Brasil aos estrangeiros
José Cruz / Agência Brasil
Michel Temer

Temer e seu ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha

Por Alessandra Nilo

Sair do Brasil é sempre bom, ajuda a refocalizar nossas lentes para um contexto global no qual, claramente, ocorre uma guerra truculenta contra os direitos humanos, sociais, econômicos, culturais e ambientais em todos os continentes.

Nesta semana, na ONU, onde acompanho uma resolução de HIV, fui interpelada várias vezes por pessoas da sociedade civil e do corpo diplomático de diferentes países, curiosas sobre a minha situação nacional. E mais do que interessadas em saber se houve rompimento democrático ou golpe, a primeira pergunta sempre era "como chegaram a isso?", seguida de um imediato "mas esse interino é muito ruim, não?" e, por fim: "mas como este governo se sustenta, o que vocês vão fazer?"

Foi até fácil explicar que, apesar das excelentes políticas sociais e de inclusão reconhecidas aqui na ONU, o governo, ao optar por atuar na zona de conforto e, coligado a grupos reacionários, não avançou com reformas estruturantes como tributária, política, agrária e da comunicação, e tampouco rediscutiu o jogo de poder do sistema financeiro, fortalecendo assim um status quo que o PT sempre questionou.

E que as tais concessões, incluindo guinada econômica neoliberal a partir de 2014 e o loteamento de cargos, não foram suficientes para domar a vontade de poder dentro da sua coligação. Daí ocorreu o óbvio, já que a turma da direita nunca se satisfaz com uma parte do bolo, quer sempre a festa inteira.

Mais difícil foi explicar, em conversas rápidas, que a crise econômica e a perda de direitos já em curso não eram (ir)responsabilidade única do governo Rousseff, mas resultavam de um conjunto de fatores, incluindo aí que o nosso Congresso, quase nada representativo, infestado de Malufes, Sarneys, Renans, Malafaias e Bolsonaros, e liderado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não poderia resultar em nada de bom para o País.

Mas, mesmo apressadamente, dei a dimensão da tragédia que é tê-los definindo as leis que lhes interessam, numa guerra declarada aos direitos conquistados a tão duras penas.

E meus interlocutores entenderam perfeitamente. Afinal, ao girarmos o globo, o Brasil não é o único Estado-membro da ONU onde as elites políticas e econômicas se apossam dos bens públicos sem a mínima cerimônia – elite(s) no plural mesmo, pois são várias, têm interesses diversos e vão tecendo alianças, numa teia comum de orgia pública.

E, como também ocorre em outros países, diante de uma adensada crise dos sistemas representativos, as arenas e espaços que deveriam promover debates verdadeiramente republicanos tornam-se alimentos para uma grande (e concentrada) mídia nacional, que é tão medíocre quanto oportunista e pobre de conteúdo, pois prefere opiniões e achismos e sempre pré-define a narrativa, para além dos fatos. E todos concordamos por aqui: não é problemático que tenham lado, o problema é ter boa parte da população, pouquíssimo educada, inclusive, refém dessa mídia que, fingindo não ter lados, pauta o que considera legítimo e quais as prioridades.  

Um tipo de comunicação assim em nada contribui com o debate democrático que precisa acontecer no Brasil. Por isso, expliquei aos estrangeiros, estamos encurralados entre propagandas ou opiniões estáticas sobre uma realidade absurdamente múltipla e dinâmica.

Claro, seria preferível que não gostássemos de pensamentos prontos, mas, sem formação política, fica fácil sucumbir às brainwashing machines que capturam cérebros distraídos (e nesse trecho da conversa imaginei o futuro, onde não poderemos debater política nas salas de aula, mas nada disse, ia complicar muito a conversa). 

A segunda pergunta, sobre o atual governo interino, também foi fácil. "Sim", respondi, "este governo é o pior possível e representa o contrário de tudo que defendo". "Ah", lembraram-me interlocutores à esta altura, "vocês nem tem mais mulheres nos ministérios, certo?". "Verdade", disse e engoli seco porque isso virou uma piada-sem-graça internacional.

Mas segui, comentando que este grupo de homens brancos, além de tomar o poder via manobras inescrupulosas, ainda durante a tramitação do julgamento do impeachment (isso foi difícil de explicar), não apenas mudam gestores, mas também todo o programa de gestão, o que somente um governo legítimo pode fazer.

What???” A esta altura, as pessoas ficavam de boca aberta. Mas o queixo caía mesmo era quando eu falava que sete ministros enfrentam processos judiciais – citados na Lava Jato, por desvio de recursos da merenda (isso mesmo, por tirar leite de criancinhas), fraudes, etc; e que em duas semanas, dois deles já tinham caído, por suspeitas de tentar barrar investigações da Lava Jato. “But, dear, isso é um ministério ou uma quadrilha?" perguntou um dinamarquês (e nesta hora, confesso, a vontade era de chorar).

Sobre a fatal terceira pergunta, difícil não foi falar do insustentável Temer, mas pensar o futuro. Afinal, como se manteria um governo usurpador, composto de falta de competências e excesso de testosterona? E não que homens não possam ser competentes para cuidar dos espaços mais estratégicos do País, até podem. Mas não esses senhores, que carecem de habilidades ou capital ético-político para sanar qualquer das nossas crises.

E até um chinês, que pouco falava inglês, entendeu pelos meus gestos que o governo interino tem prazo de validade: em menos de um mês, tudo já é desastroso – tratam de educação com estupradores, entregam a política de mulheres para a ala evangélica, desqualificam o SUS, a lista é imensa, eu dizia, “não dá tempo contar tudo”, mas o resumo da ópera é que nada foi proposto para melhorar a vida das pessoas e estamos brigando com políticos e gestores que desprezam direitos, fingem que o Estado é laico e nos roubam, à luz do dia, falei, provocando um indiano não muito simpático.

Mas, não adiantava a introdução. Explicada a conjuntura, queriam mais. E jogavam a pergunta complicada. “E agora?” Difícil falar do futuro, quando seus heróis morreram de overdose de poder, e não se vê lideranças aglutinadoras.

Mas, no presente, cada uma/um dos brasileiros devia tomar as rédeas da política, pois nada indica que estes 35 partidos (e sobre este número conversei mais com colegas do Azerbaijão, Moçambique e Colômbia), tenham condições de dar rumo ao País. For God’s sake! As sessões do Congresso Nacional, onde só faltam os tacapes, parecem filmes sobre seres de outras dimensões civilizatórias. O ideal, portanto, seria reinventá-los, reformar a política, ter novas representações.

Por isso, disse eu, enquanto a presidente eleita não volta – e eleições gerais não acontecem – nos restam os instrumentos de democracia direta, as consultas públicas e as ruas. E fiz toda uma explanação sobre por que os agentes populares precisariam prevalecer sobre os políticos (aqui o colega da China correu para uma reunião).

Mas continuei, com uma amiga de Portugal, dizendo que das ruas ecoam vozes da diversidade, clamando por outras arquiteturas institucionais e é lá que pessoas sedentas de democracia debatem numa perspectiva cidadã, pressionando para que os discursos sobre novas esquerdas, agora recorrentes, se revertam numa nova práxis.

E assim eu concluí meus papos nos corredores da ONU. Não há um único caminho para um país dividido, mas há caminhos possíveis e eu tenho esperanças. Afinal, as crises nos ensinam e a história também. Mas já é hora de ouvir o que o povo tem a dizer. 

 

*Alessandra Nilo é jornalista e Coordenadora Geral da Gestos-Soropositividade, Comunicação e Gênero. Convidada do GR-RI.

registrado em: , ,