Você está aqui: Página Inicial / Tecnologia / Cientistas descobrem uma bactéria que faz ouro

Tecnologia

Ciência

Cientistas descobrem uma bactéria que faz ouro

por AFP — publicado 04/02/2013 11h01, última modificação 04/02/2013 11h08
O ouro e a prata são fatais para as bactérias em geral, no entanto, cientistas descobriram micro-organismos que para sobreviver solidificam o metal e, assim, "fabricam" ouro

PARIS (AFP) - O ouro é um metal precioso, mas também é tóxico para muitos organismos. Por isso, com o objetivo de se proteger e sobreviver uma bactéria encontrou como solução solidificar os íons do ouro líquido. Os micróbios precisam de certos metais para se desenvolver, como o ferro por exemplo, mas outros em geral são fatais para eles, como por exemplo o ouro e a prata, que por esta razão são cada vez mais utilizados por suas propriedades bactericidas.

A bactéria que "fabrica" ouro é encontrada em abundância na superfície das pepitas do metal e parece desempenhar um importante papel no acúmulo e no depósito do ouro nas pepitas.

Há alguns anos, cientistas demonstraram que uma dessas bactérias, a Cupriavidus metallidurans, consegue acumular partículas ínfimas de ouro no interior de suas células para se proteger dos íons solúveis do ouro.

Em um estudo publicado este domingo na revista britânica Nature Chemical Biology, uma equipe de cientistas canadenses quis mostrar que a bactéria Delftia acidovorans, encontrada coabitando as pepitas ao lado da C. metallidurans, se portava da mesma maneira.

Ao mesmo tempo, eles descobriram que a D. acidovorans não metaboliza o ouro solúvel como sua vizinha. Ao contrário, a solidifica em seu exterior, sob uma forma não tóxica.

Mais precisamente, esta bactéria secreta uma molécula, denominada delftibactina, capaz de fazer precipitar os íons do ouro em suspensão na água para criar estruturas sólidas complexas, similares àquelas que encontramos nas pepitas de ouro, demonstrou Nathan Magarvey, da Universidade McMaster de Hamilton (Ontário), e sua equipe.

Um processo que ocorre em apenas alguns segundos, em temperatura ambiente e em condições de acidez neutra. Dito de outra forma, esta delftibactina supera em laboratório os produtos atualmente usados na indústria para produzir nanopartículas de ouro, destacaram os cientistas.