Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / O Partido da Sustentabilidade

sustentabilidade

Política e Meio Ambiente

O Partido da Sustentabilidade

por Dal Marcondes publicado 18/02/2013 09h59, última modificação 18/02/2013 09h59
A nova legenda deverá dar vazão a movimentos políticos e sociais, mas pode causar desconforto em outras correntes

Desde o final da ditadura os partidos vêm se multiplicando no Brasil. Grande parte deles hoje serve apenas pra dar sustentação aos grupos no poder, sejam grupos de direita ou de esquerda. Nos últimos dias, uma novidade nesse quadro partidário é a consolidação da Rede Sustentabilidade, um partido que não carrega esse estigma no nome, prefere ser uma REDE e, com isso, abrir uma nova vertente na governança política. Não chega a ser uma novidade absoluta, uma vez que as forças que dão suporte a essa nova agremiação são as mesmas que viabilizaram a candidatura da ex-senadora e ex-ministra Marina Silva à Presidência da República, em 2010.

Erra, no entanto, quem acredita que essa Rede foi criada apenas para dar palanque a Marina Silva, que chegou em terceiro em 2010 com mais de 20 milhões de votos.

O novo partido deverá dar vazão a uma gama de movimentos políticos e sociais que não se sentem mais representados pela política convencional.

Na reunião para a apresentação de seu estatuto estavam presentes acadêmicos como o professor Ricardo Abramovay, da USP, políticos que acompanham Marina desde a eleição passada, quando ela ainda acreditava ser possível “refundar” o PV, empresários, políticos de outros partidos, como a também ex-senadora Heloísa Helena, oriunda do PSOL.

Parte desse projeto político já vinha se realizando com a eleição de simpatizantes por outros partidos, como foi o caso do vereador eleito por São Paulo, Ricardo Young, que havia concorrido ao Senado na chapa de Marina e que concorreu à Câmara Municipal pelo PPS.

Em diversas partes do Brasil o mesmo aconteceu com outros candidatos.

A mídia tem apostado nos últimos dias que a criação desse partido tem como fim de garantir a candidatura de Marina Silva ao Planalto em 2014. Não está atenta à possibilidade de o novo partido, justamente por sua atuação em rede e com uma imensa militância jovem e internetizada conquistar um número significativo de cadeira no Congresso e nas Assembleias estaduais.

O espectro político, como definiu Marina, não deve estar à esquerda ou à direita, o que pode ser visto por conservadores dos dois lados como uma “certa ingenuidade”. No entanto, há duas variáveis explícitas no nome da nova agremiação que podem significar mais do que simples palavras: REDE SUSTENTABILIDADE.

Um partido moderno, com atuação em rede pode ser o arejamento que o sistema político precisa para dar voz a novos atores. Se der certo na Rede Sustentabilidade certamente, o modelo se espalhará e ajudará a descentralizar o poder nas mãos de cacique partidários.

No entanto, outro ponto a ser destacado na criação da Rede Sustentabilidade é a apropriação política do termo “SUSTENTABILIDADE”, palavra que por si já enseja debates.

Sua apropriação por um partido político abre o risco de descaracterizá-la ainda mais.

Posso ouvir em plenários pelo Brasil: “Se seu negócio é sustentabilidade, vai para o partido da Marina”.  Então, se por um lado uma agremiação em rede pode ampliar o processo de participação social através das infindáveis redes de internet, por outro, corre-se o risco de criar-se o “gueto” das discussões, uma vez que um partido se aproprie da palavra como nome próprio.

Há muito que se discute a necessidade de a sustentabilidade ser um movimento transversal na sociedade, defendido e praticado em todos os espectros políticos e econômicos. Uma ideologia complementar a todas as doutrinas políticas e econômicas.

Por mais que se discuta a validade ou não das ações ditas “sustentáveis” de empresas e governos, o campo da discussão era amplo, capaz de abarcar ideias e tendências muitas vezes contrárias ou contraditórias.

A criação de uma partido político que se apropria dessa “marca”, mesmo com a melhor das intenções, pode gerar um certo desconforto em outras correntes políticas e sociais que atuem ou desejam atuar na defesa da sustentabilidade, mas sem trocar de partido ou mesmo sem se filiar a um partido.

Matéria originalmente publicada na Envolverde