Você está aqui: Página Inicial / Sustentabilidade / Aquecimento global atinge ápice na Antártida

Sustentabilidade

The Observer

Aquecimento global atinge ápice na Antártida

por The Observer — publicado 28/05/2014 05h35, última modificação 28/05/2014 05h54
Tivemos um momento dramático na ciência da mudança climática. Um estudo inédito revelou que o colapso de grande parte da Antártida é inevitável. Por The Observer
Christopher Michel / Flickr

Por Eric Rignot*

Na segunda-feira 12 sediamos uma conferência da Nasa sobre a situação do manto de gelo na Antártida Ocidental que, pode-se dizer, provocou uma espécie de reação. "Este é um momento de incredulidade no aquecimento global", dizia em termos chulos uma manchete na revista Mother Jones.

Anunciamos que tínhamos coletado observações suficientes para concluir que o recuo do gelo no setor do mar de Amundsen na Antártida Ocidental era incontível, com graves consequências -- significa que os níveis do mar vão aumentar um metro em todo o mundo. Além disso, é provável que seu desaparecimento provoque o colapso do resto do manto de gelo da Antártida Ocidental, o que provocará um aumento do nível do mar entre 3 e 5 metros. Esse acontecimento vai desalojar milhões de pessoas em todo o mundo.

Dois séculos, se é que vai demorar tanto, pode parecer muito tempo, mas não há um botão vermelho para deter esse processo. Reverter o sistema climático ao que era na década de 1970 parece improvável; mal conseguimos conter as emissões de gases, que triplicaram desde o Protocolo de Kioto, o qual foi criado para atingir metas de redução. Desacelerar o aquecimento climático ainda é uma boa ideia, porém – o sistema antártico pelo menos levará mais tempo para alcançar esse ponto.

O setor do mar de Amundsen é quase tão grande quanto a França. Seis geleiras (ou glaciares) o drenam. As duas maiores são as de Pine Island (com 30 km de largura) e Thwaites (100 km de largura), que se estendem por mais de 500 quilômetros.

Muitos cientistas notáveis estiveram nesse campo antes de nós. O conceito da instabilidade na Antártida Ocidental remonta aos anos 1970, depois que estudos feitos por Charles Bentley nos anos 1960 revelaram uma camada de gelo que repousa sobre um leito fincado bem abaixo do nível do mar e que se aprofunda pelo continente. Hans Weertman havia mostrado em 1974 que uma camada de gelo com base marinha repousando sobre um leito retrógrado é instável. Robert Thomas ampliou seu trabalho para seguir a hipótese da instabilidade. Terry Hughes sugeriu que o setor da Pine Island na Antártida Ocidental era seu ventre frágil, e que seu recuo faria desmoronar o manto de gelo da Antártida Ocidental. Permanecia uma considerável incerteza sobre o cronograma, porém, devido a uma falta de observação dessa área muito distante.

As coisas mudaram com o lançamento do satélite ERS-1, que permitiu que as geleiras dessa parte da Antártida sejam observadas do espaço. Em 1997, descobri que a linha de desgaste (onde a geleira se destaca de seu leito e torna-se flutuante) de Pine Island havia recuado 5 quilômetros no espaço de quatro anos, entre 1992 e 1996. Stan Jacobs e Adrian Jenkins tinham descoberto um ano antes que a geleira estava se banhando em águas incomumente quentes, o que sugeria que o oceano tinha uma grande influência no processo. Duncan Wingham e outros mostraram que a geleira estava se tornando menos espessa. Em 2001, descobri que a Thwaites também estava recuando.

Nessa altura, a comunidade científica adotou um olhar diferente para a região. O trabalho da Pesquisa Antártica Britânica, da Nasa e do Chile levou a observações mais detalhadas, um programa de monitoramento foi iniciado, instrumentos foram colocados sobre o gelo e no oceano, e resultados científicos de diversos programas de pesquisa começaram a se acumular. A partir daí, todos buscamos descobrir se aquilo estava realmente acontecendo. Hoje, duas décadas após o início do processo, testemunhamos as linhas de desgaste das geleiras recuarem quilômetros a cada ano, as geleiras perdendo metros de espessura a cada ano, centenas de quilômetros terra adentro, perdendo bilhões de toneladas de água por ano e acelerando vários pontos percentuais por ano para as vertentes de divisões topográficas.

A geleira Thwaites começou a acelerar depois de 2006, e em 2011 detectamos um enorme recuo de suas linhas de desgaste a partir de 2000. Reconstruções detalhadas do leito da geleira confirmaram que nenhuma montanha ou monte atrás dessas geleiras poderia atuar como barreira e contê-las; e 40 anos de evolução do fluxo de geleiras mostravam que a aceleração era uma história antiga.

Todos esses resultados indicam um desmoronamento progressivo dessa área. No ritmo atual, uma grande fração da bacia terá desaparecido dentro de 200 anos, mas estudos de modelos recentes indicam que o ritmo do recuo aumentará no futuro. Como isso aconteceu? Uma pista é que todas as geleiras reagiram ao mesmo tempo, o que sugere uma força comum que só pode ser o oceano. O calor do oceano é empurrado pelos ventos de oeste, ou corrente ocidental, e esses ventos mudaram ao redor da Antártida, reagindo ao aquecimento climático e ao desgaste da camada de ozônio. Os ventos mais fortes são causados pelo aquecimento global mais rápido do que o resfriamento da Antártida. Os ventos de oeste mais fortes empurram mais águas quentes abaixo da superfície em direção ao polo, derretendo as geleiras, e empurram as águas da superfície para o norte.

Nerilie Abram e outros acabam de confirmar que os ventos de oeste estão mais fortes hoje do que em qualquer outro momento nos últimos mil anos, e sua potencialização foi especialmente destacada desde os anos 1970, em consequência do aquecimento climático induzido pelos humanos. As previsões com modelos também mostram que a tendência continuará em um clima cada vez mais quente.

O que isso significa em última instância é que podemos ser responsáveis por provocar o rápido recuo da Antártida Ocidental. Essa parte do continente provavelmente recuaria de qualquer modo, mas nós podemos tê-la empurrado mais rapidamente. Continua difícil definir um cronograma para isso, porque os modelos de computador ainda não são bons o suficiente, mas poderá ser dentro de alguns séculos, como eu comentei. Também há uma imagem maior que a Antártida Ocidental. O setor do mar de Amundsen não é a única parte vulnerável do continente. A Antártida Oriental inclui setores de base marinha que contêm mais gelo. Um deles, a geleira de Totten, contém o equivalente a 7 metros de nível do mar global.

Controlar o aquecimento climático poderá afinal fazer uma diferença não apenas na velocidade com que o gelo da Antártida Ocidental derreterá, mas também se outras partes da Antártida seguirão seu caminho. Há vários "candidatos" na fila, e nós parecemos ter descoberto uma maneira de desequilibrá-los mesmo antes que o aquecimento da temperatura do ar seja forte o suficiente para derreter a neve e o gelo na superfície.

O aquecimento climático de vários graus durante o próximo século provavelmente vai acelerar o colapso da Antártida Ocidental, mas também poderá provocar um recuo irreversível de setores de base marinha na Antártida Oriental. Se devemos fazer algo sobre isto é simplesmente uma questão de bom senso. E o momento para agir é agora; a Antártida não vai esperar.

*Eric Rignot é um glaceólogo do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. Ele é o principal autor do notável trabalho científico apresentado na semana passada sobre a Antártida Ocidental

registrado em: ,