Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Rocinha é a maior favela do Brasil

Sociedade

IBGE

Rocinha é a maior favela do Brasil

por Agência Brasil publicado 21/12/2011 14h36, última modificação 06/06/2015 18h20
Na comunidade, localizada em São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro, viviam 69.161 pessoas em 2010
Rocinha

Rocinha, a maior favela do País. Foto: Fábio Motta/AE

Thais Leitão*

 

Rio de Janeiro - Na comunidade da Rocinha, em São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro, viviam 69.161 pessoas em 2010, o que garantiu ao local o posto de maior favela do país. Os moradores ocupam 23.352 domicílios, que têm em média três habitantes cada.

 

Segundo dados do levantamento Aglomerados Subnormais – Primeiros Resultados, divulgado na quarta-feira 21 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na lista das favelas mais populosas do Brasil, aparecem, em seguida, o Condomínio Sol Nascente, em Ceilândia, cidade do Distrito Federal, com 56.483 moradores; e Rio das Pedras, na capital fluminense, com 54.793.

O estudo destaca, no entanto, que algumas comunidades podem ser maiores do que os números indicam, pois, para realizar a pesquisa, foram considerados critérios técnicos como divisão legal segundo cadastros das prefeituras. Dessa forma, o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, que engloba dez áreas aglomeradas, teve as comunidades contabilizadas separadamente. Somente o Morro de Alemão, aparece com 4.322 domicílios. Somando-se todas as favelas que compõem o complexo, no entanto, o número total de unidades habitacionais pula para 16.359.

 

O levantamento também destaca que no Rio de Janeiro as ocupações mais antigas estão localizadas na área central e nos bairros das zonas sul e norte, mais próximos ao centro, que é onde se concentra a maior oferta de trabalho. Já na zona oeste da cidade, as ocupações são mais recentes e de menor porte, entre o tecido urbano formal.

De acordo com o documento do IBGE, a maior parte dos assentamentos irregulares no país ocupam áreas menos propícias à urbanização, como encostas íngremes no Rio de Janeiro; áreas de praia em Fortaleza; e vales profundos em Maceió.

 

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil

registrado em: ,