Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Reitores de SP se unem para conseguir dados e combater crise hídrica

Sociedade

Crise Hídrica

Reitores de SP se unem para conseguir dados e combater crise hídrica

por Redação — publicado 22/02/2015 06h38, última modificação 23/02/2015 16h57
Pesquisadores e docentes das universidades estaduais e federais paulistas criam fórum para unir pesquisas, desenvolver tecnologias e pressionar poder público por informações
Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de Vargem
Cantareira

Mesmo tendo pedido há mais de uma década e feito diversos alertas, pesquisadores das universidades públicas de São Paulo nunca conseguiram acesso a informações sobre a crise

Reitores das universidades estaduais e federais paulistas (USP, Unesp, Unicamp, Unifesp, UFSCar e UFABC) divulgam um documento da criação de um fórum para debater assuntos estratégicos, unir pesquisas para desenvolver novas tecnologias e pedir do poder público dados a respeito da crise hídrica que acomete a região Sudeste do País. Outro objetivo do documento, assinado pela reitora da Unifesp, professora Soraya S. Smaili, é manter a população informada.

Há anos, pesquisadores, professores e representantes de universidades e de academias de ciências e de engenharia sanitária e ambiental alertam para a urgência da tomada de decisões com o objetivo de evitar a crise hídrica. Já em 2003, a Secretaria do Fundo Setorial de Recursos Hídricos formulou um documento alertando para a necessidade de aprimoramento da capacidade observacional e de estudos que levassem em conta especialmente o avanço da agricultura moderna, de alta eficiência, que coloca demanda extra sobre os recursos hídricos. Entre os tópicos que requeriam atenção especial estavam a formação de uma base de dados que unifique os dados meteorológicos, da água da superfície e da água subterrânea.

Apesar desta e de inúmeras outras manifestações, pesquisadores não tiveram acesso às informações necessárias para determinar a real dimensão da crise e oferecer soluções. Agora, o fórum reunirá especialistas de cada universidade para debater assuntos estratégicos e elaborar um plano de contingência. Além disso, os reitores propõem também monitorar a qualidade e a quantidade das águas, e criar um modelo de atuação análoga ao do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas).

Leia a seguir a íntegra da carta da reitora Soraya S. Smaili.

Universidades públicas de São Paulo assumem iniciativa pela água

Há anos, os pesquisadores, professores e especialistas das universidades públicas federais e estaduais, em especial os paulistas, vêm alertando para a necessidade de agir com o objetivo de evitar a “crise hídrica” que, finalmente, atinge um momento especialmente agudo. Tradicionalmente, boa parte das pesquisas sobre o tema é realizada no interior dessas instituições. O estado conta, ainda, com a Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp), que financia estudos de qualidade e segundo rigorosos padrões nacionais e internacionais.

Vários encontros, seminários e simpósios produziram propostas que poderiam ter sido mais bem aproveitadas, incluindo, por exemplo, as iniciativas da Secretaria do Fundo Setorial de Recursos Hidrícos, formuladas no documento "As necessidades de observação e monitoramento dos ambientes brasileiros quanto aos recursos hídricos" publicado em 2003. Além disso, entidades ambientalistas, reunidas na Aliança pela Água, divulgaram sua contribuição, em 29 de outubro passado.

Em dezembro último, manifestaram-se sobre o tema o Conselho da Cidade de São Paulo (por meio de um documento apresentado ao seu Pleno, no dia 15), a Academia Brasileira de Ciências (com a “Carta de São Paulo”, publicada dia 11) e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – Seção São Paulo (no dia 2).

Apesar de todas essas manifestações e da amplitude da crise, as universidades não tiveram e ainda não têm as informações necessárias e suficientes, por parte dos órgãos  gestores da administração pública, para determinar o impacto exato implicado pela carência sobre a vida da comunidade (incluindo professores, estudantes, servidores e as atividades de pesquisa e, principalmente, nossos hospitais que fazem amplo atendimento ao público). O momento pede uma ação ampla, forte, segura e coordenada. Buscamos informações e diagnóstico da situação, trabalharemos nos nossos planos de contingenciamentos, que precisam ser executados imediatamente, pois não devemos mais esperar.

Mas as universidades públicas querem também contribuir, oferecer soluções definitivas e suprapartidárias. Além do plano emergencial de atendimento e contingenciamento da água para nossas próprias instituições, propomos a instalação de um Painel Técnico-Acadêmico para Recursos Hídricos (PTA-Hidro) que possa conjugar e apresentar à sociedade os estudos concretos e de relevância científica e tecnológica.

Para dar encaminhamento a estas propostas, os reitores das universidades estaduais (USP, Unesp, Unicamp) e federais em São Paulo (Unifesp, UFSCar e UFABC), além do IFSP, se reuniram em 3 de fevereiro e propuseram como ações iniciais:

1. Criar o fórum de reitores das universidades públicas do Estado de São Paulo, que debaterá assuntos estratégicos para a universidade e a sociedade, a começar pela crise hídrica;

2. Demandar e ajudar a implantar um plano de contingência geral e coordenar os planos de cada universidade e seus órgãos associados (hospitais, clínicas, bibliotecas, estações);

3. Disponibilizar as competências da universidade para participar dos fóruns estratégicos sobre a crise hídrica organizados pelo poder público;

4. Obter e contribuir para um plano de comunicação da crise onde a população e em especial a comunidade universitária esteja plenamente informada;

5. Indicar e ajudar a implantar um programa de gestão de demanda na região da macrometrópole;

6. Verificar e fazer cumprir o monitoramento integrado da qualidade e da quantidade das águas;

7. Obter e trabalhar para adquirir planos de ações de incentivo financeiro solicitar linha de crédito federal e estadual para adequação das estruturas ao contingenciamento;

8. Reformular e dinamizar as atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, juntando especialistas de nossas universidades e associações científicas;

9. Apresentar projetos e ações a serem financiados por agências e fundações de pesquisa (FAPESP, CNPq, Finep etc.) ou Fundos específicos (CT-Hidro e Fehidro) visando o apoio a projetos dedicados à recuperação e conservação de recursos hídricos;

10. Criação do Painel Técnico-Acadêmico de Recursos Hídricos objetivando trabalhar em conjunto com governos nas soluções de curto, médio e longo prazo, em dinâmica análoga ao IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas).

É chegado o momento de não somente adotarmos medidas urgentes, mas também garantirmos a pronta articulação das universidades públicas. A universidade assume o seu papel de destaque na formulação e na ação junto ao Estado e à sociedade.