Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Que tipo de médico o Brasil precisa?

Sociedade

Opinião

Que tipo de médico o Brasil precisa?

por Ricardo Palacios — publicado 29/08/2013 11h46
Se as bolsas chegassem às camadas mais pobres, poderíamos ter orgulho de dizer que nossos médicos parecem com nossas mães empregadas ou nossos pais pedreiros
Kathea Pinto / Flickr / Creative Commons
Médicos

Se as bolsas de estudo em medicina chegassem às camadas populares, poderíamos ter o orgulho de dizer que nossos médicos parecem nossos pais, sejam eles empregados domésticos ou pedreiros

Apesar do lançamento atrapalhado, o programa Mais Médicos tem se consolidado como uma hábil jogada do governo federal. As entidades que representam a categoria médica foram alvo fácil pela miopia política causada por lutas trabalhistas.

Em pouco tempo e com a ajuda de atos irracionais como o chamado à omissão de socorro do agora contrito presidente do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais ou o indignante protesto contra os colegas cubanos dos médicos de Fortaleza, os médicos conseguiram se isolar da maioria da população e servir de combustível para aquecer a aprovação do governo nas pesquisas de opinião. Mas esse ambiente de polarização deixa de lado uma pergunta fundamental: que tipo de médico que o Brasil precisa?

A visão do estudante de medicina brasileiro é frequentemente resultado de um sistema que tem coerência interna na forma de enxergar seu processo de formação:

- a seleção é feita através de provas ultracompetitivas que demandam esforços adicionais no estudante;

- a carga horária é maior que a de seus colegas de outras faculdades, atende pacientes do Sistema Único de Saúde desde o terceiro ano e, se estiver em uma universidade pública, corresponde à justa retribuição pela pesada carga tributária paga no passado por seus pais.

Nessa ordem de ideias, parece absolutamente justo que a sociedade valorize social e economicamente esse imenso e longo esforço feito por esse médico quando formado.

Mas a coerência interna dessa visão não resiste à análise crítica, externa à categoria:

- os exames de admissão são realizados com perguntas sobre conteúdos que não fazem parte do ensino médio-padrão. Isso serve para excluir boa parte da população - quem duvidar, veja uma prova da FUVEST;

- os estudantes deveriam mostrar gratidão com os pacientes do SUS que realmente são compelidos a colaborar para sua formação como médicos – para um paciente do hospital universitário, se recusar a ser examinado por estudantes não é um a opção;

- o maior tempo que ocupam os estudantes de medicina nos seus estudos não significa que os esforços de estudantes de outros cursos sejam menores – a carreira de medicina requer uma carga horária extensa por necessitar de treinamentos técnicos nos hospitais. No entanto, outras carreiras exigem pesadas cargas acadêmicas e de criação que podem ser executadas em ambientes fora da universidade;

- não há sistemas de avaliação padronizados que demonstrem o aproveitamento desses estudos – afinal para o paciente o que importa é o resultado da formação e não a dificuldade do vestibular;

- os impostos pagos pelos pais não são poupança para pagar os futuros estudos dos filhos na universidade pública – se os pagaram é porque gabolsnharam mais renda que seus concidadãos. Antes, os estudantes de medicina de universidades públicas deveriam se considerar bolsistas subsidiados por muitos outros cidadãos que pagam impostos indiretos quando compram os itens de subsistência mais básicos – para saber o valor da bolsa, podem perguntar o valor de uma faculdade particular;

Tomara que algum dia essas bolsas de estudo de medicina de universidades cheguem às camadas mais pobres e que possamos afirmar com orgulho que nossas médicas parecem com suas mães empregadas domésticas e nossos médicos são a cara de seus pais pedreiros.

Cabe ainda assinalar que os que estudam em faculdade particular pagam pela infraestrutura docente, mas o custo para instituições de saúde e a colaboração dos pacientes não é necessariamente refletido nos vultosos boletos de matrícula.

O ex-ministro da saúde Adib Jatene forneceu a chave do problema há algumas semanas: as escolas médicas do Brasil estão focadas na formação de candidatos a especialistas e não em clínicos gerais ou “especialistas em gente”, segundo suas palavras.

Assim, um estudante de medicina no Brasil que desde o vestibular anseia virar ortopedista, quando faz estágio por obstetrícia sabe que o conhecimento sobre como fazer o atendimento pré-natal adequado só será necessário para ele ser aprovado  no estágio e depois no exame de ingresso na residência de ortopedia. Em outras palavras, nunca fará uso prático desse conhecimento.

Portanto, focará precocemente seus esforços naquilo que será seu futuro, participará de grupos de estudo especiais como a Liga da Ortopedia, e se não for aprovado no exame de residência na primeira oportunidade, logo após formado, seguirá tentando, no entanto, a fazer um cursinho (sim, existem cursinhos para exame de residência)  e dar alguns plantões para sobreviver (de preferência numa clínica ortopédica).

E onde leram atendimento pré-natal, podem ler também tratamento de tuberculose, esquemas de imunização, educação para prevenção de complicações da diabetes e outras atividades de atenção básica que se esperam de clínicos gerais.

O sistema está desenhado para que os grandes esforços que, sem dúvida, foram feitos pelos estudantes para se formar como médicos sejam focados em realizar uma especialização e não em ser bons clínicos gerais. Assim, nosso ortopedista formado após inúmeras noites de plantão termina encaminhando seu paciente ao colega dermatologista para tratar uma micose superficial da pele que não representaria desafio algum para qualquer clínico geral.

Um dos modelos aplicados em quase toda América Latina para aliviar a falta de médicos no interior dos países, o serviço social obrigatório, traz como feliz efeito colateral uma mudança de atitude no estudante de medicina.

O mesmo estudante que anseia em ser ortopedista no México ou Equador sabe, desde que é aprovado no vestibular, que deverá retribuir à sociedade pelo apoio dado por pacientes e instituições para sua formação, trabalhando em cidades do interior, em locais alocados pelo governo.

Nesse local, ele deverá atender a todos os pacientes que o procurarem, seja por malária ou por crise de asma. Dessa forma nosso futuro ortopedista mexicano ou equatoriano prestará grande atenção a todas suas aulas e práticas já que a expectativa de aplicação desse conhecimento é real, mesmo que depois ele seja aprovado para a especialidade de ortopedia, sabe que sua verdadeira prova como clínico geral está com os pacientes que ele deverá atender durante o período de serviço social obrigatório. E quando se tornar ortopedista, ainda continuará a ser um clínico geral que poderá solucionar problemas simples de seus pacientes sem precisar encaminhar a outro especialista.

Mas é possível ir além nessa discussão sobre a formação médica no contexto de nossa sociedade atual. Com que frequência os médicos informam a seus pacientes sobre o significado de seus diagnósticos, as alternativas terapêuticas e os convidam para fazer uma escolha conjunta sobre o manejo de sua doença antes de preencher o receituário?

O reconhecimento do indivíduo, independentemente de seu nível socioeconômico, como sujeito autônomo de direitos deve entrar também na porta de hospitais e ambulatórios. Esse é o verdadeiro significado dos esforços de humanização que, de forma valorosa, já fazem muitíssimos pioneiros, inclusive no SUS, mas que ainda não conseguem permear por completo as rígidas estruturas de muitas faculdades de medicina e hospitais universitários que continuam a focar na técnica e deixam a ética e a humanização como aulas teóricas, longe dos leitos e dos consultórios.

A discussão sobre que tipo de médico que o Brasil precisa ainda deve ser construída e essa é a oportunidade que as entidades médicas têm para virar o jogo e retomar sua interlocução com a sociedade. Alguns pontos dessa discussão foram esboçados anteriormente: o médico brasileiro deveria ser um excelente clínico geral antes de virar especialista. Deve enxergar o serviço social no interior como um incentivo para sua formação e valorizar seus pacientes como sujeitos autônomos de direitos.

A partir dessa discussão sobre o que se espera concretamente de um clínico geral, as entidades médicas poderão rever queixas até o momento nebulosas como o que significa em termos detalhados uma condição aceitável de trabalho para atendimento básico, dadas as diversidades geográficas e sociais do Brasil, e como avaliar se a formação de médicos brasileiros ou de outras nacionalidades coincide com esse perfil desejado de clínico geral.

Dessa forma o nível da discussão vai transcender os interesses eleitorais do governo e trabalhistas dos médicos para dar vez à construção de uma alternativa sustentável de atenção básica que contribua na materialização do direito constitucional à saúde para todos os brasileiros.

 

Ricardo Palacios é médico, formado no exterior com o diploma devidamente revalidado no Brasil, brasileiro naturalizado. Foi consultor temporário para projetos de pesquisa da Organização Mundial da Saúde e agora estuda Ciências Sociais na Universidade de São Paulo. As opiniões expressadas neste artigo não representam a posição de instituição alguma.

registrado em: ,