Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Os heróis morrem?

Sociedade

Trajetória

Os heróis morrem?

por Roberto Amaral publicado 16/08/2013 12h27
Ao lado de Jamil Haddad, Florestan Fernandes, Jacob Gorender e Evandro Lins e Silva, o brigadeiro Rui Moreira Lima deveria ser eterno como são os deuses gregos

Infelizmente, os heróis também morrem, e morrem sempre muito cedo. Deveriam ser eternos, como os deuses gregos, para eternamente poderem iluminar seus povos e a Humanidade, não pela memória de seus feitos, mas pela lição de suas presenças. Sinto a ausência de Antônio Houaiss, a quem não posso mais consultar. De Jamil Haddad e de Florestan Fernandes, que encerraram o magistério socialista, o primeiro com a sua só existência, o segundo nos ensinando com sua obra monumental,  e com a monumentalidade de seu exemplo humano. Já não posso almoçar com Evandro Lins e Silva - ao lado de Sobral Pinto o maior advogado brasileiro depois de Rui Barbosa - mas, sobre ambos, um socialista de primeira água. Barbosa Lima Sobrinho já não escreve no  Jornal do Brasil. O velho diário começou a morrer quando se calou sua coluna dos sábados. Não é consolo dizer que seus textos permanecem atuais, mas o fato objetivo é que Jacob Gorender, raro exemplar de marxista que soube reunir na ação teoria e prática - já não escreve e que Lúcia continua procurando o corpo de Mário Alves.

Essas reflexões me chegam ao receber a notícia da morte do meu herói brigadeiro Rui Moreira Lima. Na II Guerra Mundial foi piloto de combate da ‘Esquadrilha verde nº 1 Grupo Esquadrão de Caça’ e entre 1944 e 1945 participou de 94 missões na Itália, todas bem sucedidas. Foi o piloto que o maior número de missões cumpriu. Por sua perícia, coragem e heroísmo recebeu do Brasil a Cruz de Combate, dos EUA a Distinguised Flying Cross e a Croix de Guerre avec Palme, da França.

Sua brilhante trajetória militar foi bruscamente interrompida pelo golpe de 1º de abril de 1964, com cassação de seus direitos políticos e a expulsão dos quadros da Aeronáutica – a que serviu com mais dignidade do que todos os seus algozes juntos.

Na ocasião, Moreira Lima comandava a estratégica base aérea de Santa Cruz. Manteve-se, como de resto todo o efetivo da Terceira Zona Aérea, sob o comando do lendário brigadeiro Teixeira, fiel às instituições democráticas.

Lembrando-se de carta que lhe dirigira o pai no dia de sua formatura como oficial (“O soldado não conspira contra as instituições. Ao fazer isso, trai seus companheiros e a nação”), disse Não à ilegalidade. Tomou seu avião, um ‘Paris’, um aviãozinho de transporte para pouquíssimos passageiros e rumou na direção de Minas, onde encontrou a tropa rebelde do trêfego general Mourão, deu uma simples rasante e a coluna se dispersou, de puro medo, como se dispersam os exércitos de formigas: ao deus dará. Precisava, precisavam ele e o brigadeiro Teixeira de uma simples autorização do presidente João Goulart para mobilizar sua esquadrilha. Bastava uma rajada de metralhadora, como fizera tantas vezes com os alemães, e a ‘revolução dos caranguejos’ ali terminaria. Não veio a ordem. As razões da penúltima conciliação de Jango é tema para os historiadores da República. Rui retorna à sua base, manda desarmar os aviões e com sua tropa  fica à espera dos golpistas.

Foi aposentado compulsoriamente, proibido de voar  – o grande piloto! – por 17 anos (ou seja, teve cassada a possibilidade de sobreviver exercendo sua profissão), indo trabalhar no comércio, para sobreviver. Conheceu por três vezes a prisão, ele, que nos céus da Itália tantas vezes se havia exposto à morte para derrotar o nazifascismo e construir a liberdade, e no regresso ao  Brasil, ajudaria a apressar o fim do ‘Estado Novo’. Em 1970, foi sequestrado a mando dos mandarins, e na enxovia iria encontrar-se com seu filho Pedro. Em 1979, Moreira Lima fundou, com outros companheiros, a Associação Democrática e Nacionalista dos Militares (Adnam) com o objetivo de defender os direitos dos militares cassados durante a ditadura e exigir a revisão da anistia aos militares e civis que cometeram contra civis ou militares o abominável crime da tortura.

Conheci-o por volta de 1987, pela mão de Silvio Tendler, o grande cineasta, quando, com ele, e sob sua direção (cabia-me mais a parte política e a elaboração dos textos), conduzimos o primeiro programa de televisão (naquele então anual e com a duração de uma hora) do PSB. Como a direção do programa coube ao Sílvio, posso escrever sem incorrer em vitupério: foi o melhor, o mais importante programa até aqui realizado por qualquer partido. Todo ele dedicado à denúncia da tortura, então um tabu, que atacou com contundência. Não denunciamos a tortura em tese, mas como fato concreto, exemplificado, e expondo a participação de militares e a utilização de quartéis como centros de tortura e assassinatos.

Seu ponto alto foi a intervenção do Brigadeiro Moreira Lima. Denunciando os bárbaros assassinatos, em dependência da FAB (Galeão), por oficiais da FAB, de Sônia Maria Lopes de Moraes e seu companheiro Stuart Angel Jones, o qual, depois de seviciado, teve o rosto amarrado ao cano de escapamento de um veículo da FAB, conduzido por um oficial, sendo arrastado pelo patio, até à morte. São dois 'desaparecidos'.

A contundência do programa despertou grande celeuma, com os militares protestando e o presidente José Sarney invocando nossa audácia para justificar a necessidade de censura prévia aos programas políticos. Mas, além de romper com o tabu, o programa teve sua maior repercussão no plenário da Constituinte. Florestan Fernandes, em discurso notável, atribuiu-lhe o mérito de haver levado à aprovação da emenda do constituinte Jamil Haddad que qualificava a tortura como crime hediondo, inafiançável e imprescritível (CF, art. 5º, XLIII).

Moreira Lima, que sai de cena na juventude de seus 94 anos, esteve sempre do lado certo: lutou contra o nazifascismo, contribuiu para o fim da ditadura em 1945 e  lutou contra o golpe de 1954; defendeu a posse de Juscelino e resistiu à tentativa de golpe de Eduardo Gomes-Carlos Lacerda e outros atores menores em novembro de 1955; lutou pela legalidade em 1961 e resistiu ao golpe de 1964. Foi, até o fim, um adversário da ditadura.

Seu último ato político se deu em outubro do ano passado, quando prestou depoimento à Comissão Nacional da Verdade, e voltou a denunciar a tortura praticada por militares. Para Moreira Lima – e ele o dizia com a autoridade de  militar condecorado – essa prática ignominiosa em nada dignifica o homem ou a mulher de farda, pelo contrário: “o torturador é um bandido, um desgraçado, um covarde”. Palavras simples e exatas, às quais nada cabe acrescentar.

Retifico o início deste artigo: na verdade, os heróis não morrem.