Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / No fim do protesto, o gás lacrimogêneo

Sociedade

São Paulo

No fim do protesto, o gás lacrimogêneo

por Piero Locatelli — publicado 25/10/2013 23h17
Polícia não reprimiu depredação em terminal de ônibus e decidiu agir nos momentos finais do ato no centro da cidade
Piero Locatelli
Bradesco

Manifestantes jogam pedras contra agência do Bradesco na Liberdade

A Polícia Militar encerrou a semana de atos pelo transporte público surpreendendo manifestantes com gás lacrimogêneo na escadaria da catedral da Sé, no centro de São Paulo, nesta sexta-feira 25. Os militantes haviam encerrado a manifestação pouco menos de um minuto antes e cantavam "violência é a tarifa, fascista é a polícia" quando os PMs, que haviam apenas observado a depredação do terminal Parque Dom Pedro II, também no centro da cidade, dispararam o gás de diversos lados da praça da Sé.

Após os disparos, manifestantes correram em diferentes direções pelo centro da cidade, onde encontraram ainda mais policiamento. A PM efetuou prisões próximas ao terminal de ônibus Segundo informação oficial, 78 pessoas foram detidas.

Apesar de ter agido somente após o término do ato, a polícia havia acompanhado a manifestação com um efetivo de 800 policiais, que faziam dois cordões ao lado dos manifestantes. Palhaços iam à frente do ato, organizando fotógrafos, distribuindo panfletos e rindo dos policiais.

No terminal Parque Dom Pedro II, mais cedo, manifestantes utilizando a tática black bloc haviam queimado um ônibus e destruído catracas na entrada do terminal. Uma grande catraca de papelão foi queimada. Na Liberdade, outro bairro do centro da cidade, agências bancárias foram depredadas. No terminal de ônibus, a polícia pouco agiu para conter a depredação – uma fila de policiais assistia ao que acontecia no local – esperando o retorno da manifestação à praça da Sé.

O protesto desta sexta-feira 25 foi articulado pelo Movimento Passe Livre dentro da semana nacional de luta pelo transporte público. Desde a última terça-feira, aconteceram três atos na periferia da cidade. Entre as reivindicações, estava a retomada de linhas que ligavam bairros periféricos ao centro da cidade.