Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Ministério Público pede o reforço da Força Nacional em São Luís

Sociedade

Maranhão

Ministério Público pede o reforço da Força Nacional em São Luís

por Agência Brasil publicado 08/01/2014 11h30
Cerca de 150 homens atuam na segurança do Complexo Penitenciário de Pedrinhas desde outubro, quando a crise no sistema prisional se agravou

Andreia Verdélio

Brasília – O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) fez um pedido ao governo do estado para que solicite o apoio da Força Nacional de Segurança nas ruas de São Luís (MA). O ofício foi encaminhado ao secretário da Casa Civil do Maranhão, João Abreu, pela procuradora-geral de Justiça em exercício, Terezinha de Jesus Anchieta Guerreiro, para que haja policiamento ostensivo em toda a região metropolitana da capital.

No documento, o MP estadual destaca que a medida é necessária tendo em vista os recentes casos de violência e vandalismo praticados por ordem de líderes de facções e organizações criminosas, espalhando medo na população. O Ministério Público pede ainda que seja instalado um gabinete de gestão integrada para acompanhamento da segurança pública no estado por todos os órgãos da área.

A Força Nacional está atuando com 150 homens, na segurança do Complexo Penitenciário de Pedrinhas desde outubro, quando a crise no sistema prisional se agravou, com uma rebelião que deixou nove mortos e 20 feridos.

A situação do sistema carcerário no Maranhão não é novidade. A Agência Brasil noticia, desde 2008, aprecariedade do sistema e as ações dos governos estadual e federal na tentativa de solucionar o problema.

A Polícia Militar deteve ontem seis suspeitos de participar do incêndio de um ônibus na Vila Sarney Filho, em São Luís, na noite de sexta-feira (3), entre eles três adolescentes. Dez suspeitos já haviam sido identificados.

O ofício do Ministério Público aponta ainda a necessidade de transferir, com urgência, para presídios federais, os detentos que ordenaram os ataques. O governo do estado confirma que aceitou a ajuda do governo federal, mas que ainda não foi feita nenhuma transferência de presos.

Ontem, o Batalhão de Choque da Polícia Militar fez uma vistoria na penitenciária de Pedrinhas e apreendeu 16 armas brancas, 22 munições de revólver calibre 38 e três celulares, além de baterias, carregadores e chips de aparelhos celulares.

O MP-MA requer, ainda, que o estado providencie amparo legal e indenizações às famílias das vítimas que estavam no ônibus incendiado em São Luís. O governo diz que uma equipe da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Cidadania, formada por assistentes sociais, psicólogos e advogados, já está acompanhando as vítimas.

A assessoria do governo informa que disponibilizou auxílio-funeral para a família da menina Ana Clara Santos, de 6 anos, que estava no ônibus incendiado e morreu vítima das queimaduras. Os demais feridos continuam internados nos hospitais Juvêncio Matos e Tarquínio Lopes, em São Luís, um deles ainda em estado grave.

Assim como a governadora Roseana Sarney, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, divulgou nota de pesar pela morte de Ana Clara, na qual condena a onda de violência na cidade e se coloca à disposição do estado e da União. “Manifesto meu profundo pesar pela morte da criança Ana Clara, vítima de brutal, hedionda e repulsiva violência. Nada ameniza a dor dilacerante da família, a quem me uno em solidariedade e orações.”