Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Ato termina com tiros de borracha e depredação

Sociedade

São Paulo

Ato termina com tiros de borracha e depredação

por Wanderley Preite Sobrinho — publicado 23/01/2015 22h30, última modificação 24/01/2015 09h04
PM culpa manifestantes, mas ação policial truculenta desencadeou o quebra-quebra no centro da capital paulista
Yghor Boy
Quarto protesto contra a tarifa

Polícia Militar em ação na Praça da República, no centro

Pela terceira vez em quatro manifestações contra o aumento da passagem de trem, metrô e ônibus em São Paulo, a Polícia Militar se antecipou aos black blocs e, com tiros de borracha e bombas de efeito moral, dispersou o protesto faltando poucos metros para acabar a marcha. A ação surpreendeu os manifestantes e desencadeou um quebra-quebra promovido por black blocs pelas ruas do centro.

Até o fechamento da reportagem, quatro manifestantes haviam sido levados para o 2º Distrito Policial, um deles ferido na cabeça. Um repórter de O Estado de S. Paulo foi atingido na perna por uma bala de borracha, mas passa bem.

O protesto saiu às 18h do Theatro Municipal com um roteiro que passaria pela Prefeitura, Secretaria de Transportes e Câmara Municipal de São Paulo antes de acabar na Praça da República. Com poucos black blocs e gritos tímidos contra a polícia, a manifestação ganhava contornos de que terminaria pacificamente, como a de terça-feira (20) no Tatuapé, zona leste da cidade.

O clima só ficou tenso em frente à Câmara, quando uma black bloc ateou fogo em uma bandeira do Brasil. Com calma, manifestantes e polícia afastaram a garota e se encaminharam para a última parte da marcha. Depois de ganhar a Rua Coronel Xavier de Toledo e se aproximar da Rua São João, um barulho de bomba e um clarão surpreendeu os manifestantes, que tentaram convencer a PM a garantir a conclusão do ato.

Sem diálogo, os policiais levantaram seus escudos e partiram para cima da imprensa e de quem protestava. Logo, mais bombas de efeito moral e tiros de bala de borracha espalharam manifestantes pelas ruas estreitas do centro.

Foi então que os black blocs entraram em cena. Até então escondidos, passaram a arrancar as lixeiras dos postes e a atirar o lixo no chão. Com um pedaço de madeira, atacaram a fachada do cinema Marabá. As pedras serviram para estilhaçar a fachada de uma agência do Bradesco.

Membro da Ong Observadores Legais - que acompanha a ação da polícia em manifestações populares -, Josias Filho considerou “ilegal” a intervenção policial. “Aparentemente, o tiro partiu da PM. O protesto estava pacífico.”

Segundo a versão da polícia, manifestantes teriam disparados rojões de um prédio na rua Conselheiro Crispiniano, mas não houve testemunhas civis.