Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Lembro da violência policial todos os dias, diz fotógrafo que perdeu visão

Sociedade

Protesto

Lembro da violência policial todos os dias, diz fotógrafo que perdeu visão

por Marsílea Gombata publicado 02/10/2013 18h32, última modificação 02/10/2013 18h40
Vítimas, familiares e movimentos sociais se unem para pedir desmilitarização da polícia e reparação do Estado
Marsílea Gombata
sergio.JPG

Depois de perder a visão do olho esquerdo, Sérgio Silva passará por mais duas cirurgias

Não há um dia sequer, desde o fatídico 13 de junho, que Sérgio Silva não se lembre do dia em que perdeu a visão do olho esquerdo depois de ser atingido por uma bala de borracha, enquanto trabalhava como repórter fotográfico. “Todos os dias quando eu acordo, me olho no espelho e a imagem que tenho é essa que você está vendo agora: da violência, do meu olho fechado. Todos os dias eu lembro, não tem como.”

Naquela tarde de junho, em São Paulo, Sérgio registrava, pela agência Futura Press, uma manifestação contra o aumento da tarifa de transporte público quando policiais começaram a atirar com balas de borracha na esquina das ruas Caio Prado e Consolação, no centro da cidade.

A tragédia que lhe tirou a visão, há quase quatro meses, mudou sua vida. Não apenas deu fim ao seu instrumento de trabalho, como o impediu de conseguir manter uma rotina comum para um homem de 31 anos, casado e com duas filhas. “Além de tecnicamente eu estar muito abaixo de um fotógrafo normal, não sou capaz de enxergar direito o caminho pelo qual devo ir ou mesmo de pegar um transporte público sozinho”, contou. “Retomei a vida social recentemente, há cerca de três semanas. Vou a casa de familiares, amigos, estou fazendo primeiro uma adaptação, para depois pensar em exercer minha profissão como antes.”

Silva é mais uma das vítimas da ação da polícia militar que, juntamente com outras entidades e movimentos sociais, aproveitaram o aniversário de 21 anos do Massacre do Carandiru – no qual 111 presos morreram por integrantes do Choque – e os dias que antecedem os 25 anos da Constituição cidadã para reivindicar reparação e justiça pelos abusos cometidos pela polícia, assim como a sua desmilitarização.

Falando em nome do Movimento Mães de Maio, Débora Silva fez um chamado nesta quarta-feira 2 para a necessidade de blindagem da sociedade contra a violência institucional, cristalizada por abusos levados adiante por tais agentes do Estado. "Os crimes de maio não vão cair no esquecimento, não passarão. Enquanto não soubermos da verdade e justiça, teremos crimes de maio continuados. Queremos um outro Estado. Queremos uma polícia desmilitarizada”, protestou. “Nós não somos da paz. Somos do ódio. Mataram meu filho e quero resposta em relação à incompetência policial, à injustiça.”

Os mortos de maio de 2006 – o que muitos veem como uma resposta da polícia aos ataques do PCC em São Paulo naquele ano – fazem parte de estatísticas alarmantes. De acordo com a Rede Nacional de Familiares de Vítimas da Violência, o Brasil é palco de ao menos 60 mil homicídios por ano. O total equivale a 5 mil mortes por mês ou quase 165 por dia. Os números, que cruzam dados da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a Secretaria de Saúde, do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), do UNODC (Escritório da ONU sobre Drogas e Crime) e de pesquisas como o Mapa da Violência, mostram que nos últimos anos foram mais de 500 mil pessoas assassinadas no País.

Os números contemplam ainda casos mal esclarecidos, como os de desaparecimento forçados, como é o caso de Amarildo, pedreiro desaparecido na favela da Rocinha, cujo caso levou ao indiciamento de dez policiais militares na última terça-feira 1º, e de mortes em circunstâncias não explicadas, como foi o caso do auxiliar de limpeza da Unifesp Ricardo Ferreira Gama, morto em agosto na Baixada Santista.

“Que meu filho passasse dez anos dentro da cadeia, mas estivesse com saúde e vivo. Mas onde eu posso visitar o meu filho hoje? No cemitério”, lamentou a sua mãe, Elvira Ferreira, presente no ato que reuniu vítimas e parentes de vítimas da violência policial. O funcionário da universidade federal morreu em 2 de agosto, depois de ter sido ameaçado por policiais militares em Santos dias antes. “Eu lavei o sangue do meu filho no chão da rua. Esfreguei com uma vassoura o resto de massa cefálica que tinha ali. De lá para cá, não sei mais quem eu sou.”

Fazem coro pela desmilitarização da polícia outras entidades como MPL, MTST, Rede 2 de Outubro, Coletivo DAR, Comitê contra o Genocídio da População Preta, Pobre e Periférica, Comissão Estadual de Mortos e Desaparecidos SP, Frente de Esculacho Popular, Margens Clínicas, Grupo Tortura Nunca Mais e Periferia Ativa, além da Rede de Comunidades e Movimentos Contra Violência (RJ), Campanha Reaja ou Será Mort@ e Quilombo Xis (BA).

Reparação. A briga não é apenas pelo fim da violência e abuso policial, mas também pela assistência do Estado e reparação a vítimas. Apesar de estar impedido de trabalhar desde 13 de junho, Silva conta que em nenhum momento o Estado ofereceu ajuda médica, psicológica ou financeira: “Foi um silêncio total e absoluto”, conta. “Tenho me apertado, diminuído o consumo. Minha esposa está se desdobrando, procurando mais freelas e trabalhos aos finais de semana. Tenho uma filha de 7 anos e outra de 13, para as quais pago escola, convênio médico. São gastos que um pai de família tem de manter e que não estou conseguindo colocar dentro de casa hoje."

Além da indenização que pretende pedir ao Estado por danos morais e físicos – depois de uma cirurgia para reparar a fratura no rosto abaixo do olho esquerdo e outra para colocar uma prótese -, Silva coletou 45 mil assinaturas para uma petição na qual solicita uma reunião com secretário de Segurança de São Paulo, Fernando Grella Vieira, para debater o uso das chamadas armas não letais. “São menos letais? Mas cegam”, lembra. “Essa petição é para proteger essas pessoas que estarão na rua novamente, proteger minhas filhas, meus próximos filhos. Não sou contra a polícia, sou contra a militarização dela. Contra essa polícia que anda armada, que atira em jovens da periferia, que vai para manifestações e usa suas armas menos letais."