Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Jovem é baleado pela PM em protesto contra a Copa em SP

Sociedade

Violência

Jovem é baleado pela PM em protesto contra a Copa em SP

por Redação — publicado 26/01/2014 20h14, última modificação 27/01/2014 09h47
Fabricio Chaves foi atingido com dois disparos após ser abordado por agentes. Segundo a PM, ele tentou fugir e ameaçou agentes com estilete
ABr

Um homem de 22 anos foi baleado por policiais militares durante o protesto contra a Copa do Mundo, ocorrido na noite de sábado 25 no centro de São Paulo. A manifestação de ontem teve confrontos entre manifestantes e a Tropa de Choque da Policia Militar e mais de 130 pessoas foram detidas.

Segundo a Policia Militar, dois homens foram abordados em “atitude suspeita” por agentes na Rua da Consolação, na altura do numero 1560. Fabricio Porteus Chaves tentou fugir e foi contido. Ao revistar a mochila do rapaz, os policiais afirmaram ter encontrado um “artefato explosivo feito em lata de cerveja”.

Ainda segundo a PM, Chaves fugiu correndo novamente no momento da averiguação. Dois agentes o perseguiram e, perto da rua Sabará, ele teria investido contra os policiais com um estilete. “Neste momento, os policiais atiraram e o suspeito caiu no chão”, afirma o texto do Boletim de Ocorrência, registrado no 4º DP.

O caso está sendo investigado pela Corregedoria da PM e pela Polícia Civil. O delegado requisitou exame pericial para o local e para os objetos apreendidos e exame residuográfico para os policiais militares.

Fabrício foi socorrido pelos próprios policiais e levado à Santa Casa, na região central. De acordo com o hospital, o jovem deu entrada na noite de ontem e se encontra na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave, mas estável. Ele foi baleado um tiro no tórax e outro no pênis. Durante a madrugada, passou por cirurgia, mas o ferimento na pélvis levou à perda de um dos testículos.

O procedimento adotado pelos policiais, ao socorrer o jovem, contraria uma resolução da Secretaria de Segurança, de janeiro de 2013, que orienta a não remoção de pessoas feridas em confronto. Segundo a norma, o transporte deve ser feito preferencialmente pelo serviço médico de emergência. A medida visa a impedir a descaracterização da cena da ocorrência. O órgão destaca, no entanto, que a remoção pode ser feita caso não haja serviço de emergência disponível ou a espera seja muito longa.

O protesto contra os gastos públicos na Copa do Mundo de Futebol partiu da Avenida Paulista por volta das 17h e no início da noite chegou ao centro da cidade, onde houve confronto entre policiais e manifestantes. Na tarde deste domingo, com base nos registros das delegacias, a secretaria atualizou o número de detidos para 135. Doze eram adolescentes. A PM havia informado, inicialmente, o número de 146 detenções. Todos foram liberados na madrugada de hoje após prestar depoimento.

Os detidos respondem por dano, localização e apreensão de objetos irregulares, lesão corporal, resistência, porte de arma e de droga, dano qualificado e furto. A manifestação, marcada para o dia da festa dos 460 anos da cidade, foi a primeira do ano da Copa do Mundo no Brasil. São Paulo é uma das cidades-sede da Copa.

Com informações da Agencia Brasil