Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Em memória de um grande líder por um mundo melhor: Geraldino Rikbaktsa

Sociedade

Dia do Índio

Em memória de um grande líder por um mundo melhor: Geraldino Rikbaktsa

por Rinaldo Arruda* — publicado 19/04/2015 15h33
Geraldino Muitsy Rikbaktsa, do clã Makwaraktsa (arara amarela), faleceu no dia do Índio, dia 19 de abril de 2014
Rinaldo Arruda

Geraldino Muitsy Rikbaktsa, do clã Makwaraktsa (arara amarela), faleceu no dia do Índio, dia 19 de abril de 2014. Foi uma grande perda para o povo Rikbaktsa e para todos os que o conheceram.

Geraldino cresceu e se tornou homem num mundo sem os brancos, só os conheceu quando era um jovem adulto. Ele pode ser um Rikbaktsa no seu próprio mundo, um mundo sempre presente em seus atos e seu modo de ser. Foi um homem sempre ativo, lutando pelos direitos de seu povo, bom caçador, sabia cantar, tocar flauta e dançar com perfeição, ótimo artesão, excelente agricultor e, acima de tudo, sabia conviver com todos, um mestre do bem viver.

Através dele vi por uma fresta o mundo Rikbaktsa e vi a possibilidade de um outro mundo, de um mundo melhor.

Geraldino MUITSY RIKBAKTSA nasceu na região do Escondido, no divisor de águas entre o rio Juruena e o rio Aripuanã, no norte do estado do Mato Grosso.

Como ele dizia, naquele tempo havia espaço, o mundo era floresta sem fim e a convivência com todos os seus seres era livre, “o espaço era livre para andar como quiser”. No espaço livre viviam os Rikbaktsa, os Cinta Larga, os Kaiabi, os Apiacá, os Munduruku, os Manoki, os Nambiquara, os Enawene-Nawe, os Tapanhuma. Esse mundo era a mata plena e abundante, compartida entre estes vários povos, cada um num território mais ou menos definido, mas sem fronteiras estabelecidas entre eles. Explica: - Ninguém pensava que a terra e todos os seres ali eram “uma propriedade”, os humanos só eram uma parte de um todo indivisível. Ninguém precisava ficar parado, cercado, como é hoje.

Assim, as aldeias eram sempre um tanto provisórias, assim como os locais de roça, as trilhas de caça, os pontos de pesca. Nesse mundo livre eles viviam e mudavam de lugar sempre que a caça escasseava, ou que o solo da roça perdia a força ou quando encontravam um outro ponto agradável e promissor.

Geraldino Muitsy Rikbaktsa
Geraldino Muitsy Rikbaktsa, do clã Makwaraktsa

Foi ali no espaço livre que viram pela primeira vez seres humanos muito diferentes, cortando as árvores para retirar sua seiva. Diferente deles, que torciam galhos de passagem para marcar as trilhas, estes novos seres deixavam cortes muito precisos e derrubavam muitas árvores. Ao se aproximarem mais para observá-los eram sempre atacados por armas que matavam de longe cuspindo fogo; vingavam-se também, atacando e matando os “seringueiros”, nome que aprenderam mais tarde.

Aqueles eram pessoas diferentes, cobertos de panos, alguns brancos, outros meio pretos, todos com muitos pelos no corpo, barba, esquisitos e muito bravos. Nunca conversavam, sempre os atacavam para matar.

Foi muito difícil pacificá-los, dizia Geraldino. Só o conseguiram anos depois quando lograram, pela primeira vez, falar com um deles sem serem atacados. Era o jesuíta João Dornstaudter que, ao longo da década de 1950, encabeçando várias expedições que deixavam “presentes” nas trilhas indígenas (facões, machados, espelhos, tesouras e outros objetos), conseguiu aproximar-se mostrando a disposição de conversar em paz. Financiado pelos seringalistas, para os quais a guerra com os resistentes indígenas impedia a exploração satisfatória da borracha, e animado pelo zêlo missionário da pacificação e catequese, Pe. João conseguiu por fim à guerra entre os Rikbaktsa e os seringueiros que já durava cerca de dez anos. A “primeira fala” foi em 1957, na beira do rio Juruena.

Porém, pacificados os brancos e pretos, outra tragédia veio com o contato regular: as doenças (gripe, pneumonia, e outras epidemias) dizimaram o povo Rikbaktsa: de cerca de 1200 pessoas, dois anos depois sobreviviam apenas 250. Destes, cerca de 100 eram crianças que foram levadas ao Internato Jesuítico de Utiariti, no rio Papagaio, território do povo Paresi. Criados pelos padres jesuítas e pelas Irmãs do Sagrado Coração, junto com crianças dos povos Paresi, Iranche, Kayabi, Nambiquara, eram proibidos de falar a própria língua e viviam um rígido sistema de educação e trabalho voltado para transformá-los em “cristãos civilizados”.

Os adultos que sobreviveram foram transferidos de todo aquele espaço livre para uma única área, cercada cada vez mais por fazendas, seringais, mineração e uma população branca que gradativamente ia invadindo e explorando os recursos do antigo mundo deles. Parecia o fim do mundo! E foi: o fim daquele mundo livre, do espaço livre, do fazer livre, da autossuficiência, da autonomia.

Nesse novo mundo cercado, os jesuítas montaram o posto missionário do Barranco Vermelho, na margem do rio Juruena, onde aldearam os sobreviventes. Foram transferidos da amplidão de seu território tradicional para a estreiteza da única área reservada para eles: terra indígena Rikbaktsa. No Barranco Vermelho processavam-se também os esforços de “catequização e civilização” dos jesuítas sobre os indígenas.

Nesse cenário caótico e apocalíptico é que Geraldino, encabeçando uma parcela do povo Rikbaktsa fundou uma aldeia próxima à primeira cachoeira do rio Juruena. Era a aldeia da Primeira, hoje conhecida como aldeia Primavera, numa rememoração de seu sentido inicial: um recomeço.

Em torno dele, e de outros de sua geração, se estruturou o eixo da resistência Rikbaktsa e o processo de reconstrução de seu povo e cultura. Outras aldeias foram criadas e ocupadas, o povo voltou a crescer e finalmente com o fechamento do internato de Utiariti por volta de  1970, as crianças Rikbaktsa ali criadas voltaram todas para a área, já adolescentes e jovens adultos.

Ele foi, de novo, junto com Tapema, Intsimy, Awi, Chukmy e vários outros, fundamental para o dolorido processo de inclusão destes jovens, já em boa parte esquecidos do viver Rikbaktsa, nas práticas e rituais de sua cultura.

Nessa década de 1970 Geraldino também passou a atuar “para fora” participando ativamente das Assembleias indígenas que pela primeira vez realizavam-se, com a participação dos vários povos indígenas brasileiros e que marcaram a emergência de um movimento indígena no Brasil, espraiando-se em lutas para a recuperação de seus territórios e pelo estabelecimento de direitos fundamentais.

Nas fotos abaixo ele aparece em companhia de Paulo Xavante no intervalo de uma destas assembleias e na mesa da Primeira Assembleia de chefes indígenas em Diamantino, em 1974, quando João Bonito Paresi discursava.

Na década de 1980 os Rikbaktsa passaram a lutar para recuperar ao menos parte do território em que outrora viviam e do qual foram transferidos para dar lugar a projetos de colonização.

Tiveram que enfrentar as forças combinadas dos interesses econômicos e da repressão do Estado brasileiro, ainda com forte influência de grupos participantes da ditadura militar, empenhados em destituí-los de suas terras. No Japuíra encontrava-se instalada a Fazenda São Marcos, do grupo Bourbon. No Escondido a empresa “Cotriguaçu Colonizadora do Aripuanã Ltda” detinha a posse de uma área de um milhão e seiscentos mil hectares, dentro da qual se encontrava o antigo território Rikbaktsa do Escondido.

Diante da morosidade do governo para o reconhecimento de seu território, no dia 08 de maio de 1985 retomaram a área do Japuíra, ocupada pela Fazenda São Marcos, retirando pacificamente seus oito empregados. Como resposta sofreram a repressão da “Operação Juruena” comandada pelo tenente Altair Magalhães, treinado em luta anti-guerrilha na selva, a partir de uma denúncia arquitetada pelo funcionário da FUNAI Célio Horst. A acusação era de que os Rikbaktsa estavam invadindo todas as fazendas da região e pareciam desenvolver ações de guerrilha visando desestabilizar o governo de Mato Grosso!!!

Foram aviões sobrevoando em círculo as aldeias, barcos grandes chegando pelo rio Juruena (47 soldados armados para uma guerra, fuzis, metralhadoras). Já chegaram à margem, onde duas lideranças Rikbaktsa os esperavam desarmados, atirando bombas incendiárias no pasto seco, derrubando os índios no chão, metralhadoras na cabeça e os amarrando com as mãos nas costas. Enfim, tamanha repressão, o aprisionamento de homens, mulheres e crianças, o confisco de suas armas (arcos e flechas), ferramentas, utensílios, roupas, barcos e canoas e sua posterior expulsão pela mata adentro, desarmados para andar mais de 60 km até a área Rikbaktsa foi uma operação à altura dos piores anos da ditadura.

Uma comissão de 12 lideranças Rikbaktsa desloca-se para Brasília reivindicando seus direitos e denunciando as violências das quais foram vítimas. Na foto abaixo pode-se ver Geraldino Matsy, o segundo a partir da esquerda e ao fundo o deputado Mário Juruna, o primeiro e único indígena deputado federal no Brasil.

Foram quase duas décadas de luta, recheadas de enfrentamentos e dificuldades, durante as quais sua atuação firme, junto com seu povo e aliados, resultou finalmente na demarcação da Terra Indígena do Japuíra em 1987 e da Terra Indígena do Escondido, seu local de nascimento, em 1998.

A passagem por Brasília foi para ele muito instrutiva para entender melhor o mundo do branco. Me disse que lá entendeu que tudo era organizado em caixas: as pessoas moravam em caixas umas sobre as outras, divididas internamente em várias caixas (banheiro, quarto, sala, etc.), de lá saíam em outras caixa móveis, os automóveis, trabalhavam nas caixas escritório e estavam transformando o mundo todo em caixas. Mas, o que mais o chocou foi ver nessa cidade, capital do Brasil, um homem catando no lixo o que comer. Saiu do hotel para caminhar pela calçada e viu: um homem fuçava no lixo fedido. O que procurava? O choque veio com a visão do homem levando algo do lixo à boca!

De volta à sua terra, teve também papel decisivo na ocupação das novas áreas: fundou a aldeia Pé de Mutum na Terra Indígena do Japuíra, hoje a maior entre as 33 aldeias do povo Rikbaktsa, incentivando e dando o exemplo para a reocupação das áreas reconquistadas.

Nos últimos anos de sua vida viveu na aldeia Pé de Mutum, cercado de seus 5 filhos e famílias, netos e bisnetos. Passou a chefia da aldeia para seu filho mais velho, Francisco e, sempre ativo, passava os dias fazendo artesanato (flechas, peças de plumária), indo à roça, participando das atividades da aldeia e, com sua presença ativa, iluminando o caminho para as novas gerações.

Sua morte, no dia do índio em 2014,  foi fortemente pranteada por todos que, nos rituais de lamentação, orientaram seu espírito para encontrar o lugar dos antepassados, aos quais finalmente se juntou. Seu exemplo de firmeza, de valorização cultural e de luta por seus direitos continuará sempre vivo entre os Rikbaktsa e entre os que o conheceram. Muitas saudades do Geraldino!

*Antropólogo, Rinaldo Arruda escreve sobre o líder do povo Rikbaktsa, falecido no Dia do Índio há um ano.