Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Deputado pede para MP investigar denúncia de corrupção no Metrô de São Paulo

Sociedade

São Paulo

Deputado pede para MP investigar denúncia de corrupção no Metrô de São Paulo

por Rede Brasil Atual — publicado 15/02/2011 10h12, última modificação 15/02/2011 13h23
Informações de testemunha sugerem esquema de corrupção entre multinacionais e empresas contratadas pelo governo do PSDB; denúncias atingem também CPTM e Metrô do Distrito Federal. Por Virgínia Toledo

Informações de testemunha sugerem esquema de corrupção entre multinacionais e empresas contratadas pelo governo do PSDB; denúncias atingem também CPTM e Metrô do Distrito Federal

Por Virgínia Toledo*

O deputado estadual Simão Pedro (PT) encaminhará nesta terça-feira (15) ao Ministério Público Estadual de São Paulo (MPE-SP) pedido de investigação para apurar denúncias de corrupção no Metrô de São Paulo e do Distrito Federal. As denúncias foram divulgadas nesta segunda-feira 14 pelo Portal R7, a partir de documentos revelados por uma testemunha. O pagamento de propina teria origem na Alstom e na Siemens, empresas europeias, em direção ao Brasil

Uma entrevista coletiva está marcada para a manhã desta terça para detalhar os procedimentos judiciais adotados a partir de agora. Em 2008, uma reportagem do jornal norte-americano Washington Post trazia denúncias semelhantes. Segundo a Justiça suíça, há suspeita de US$ 6,8 milhões em pagamentos de propina.

A testemunha afirma ter acompanhado de perto negociações das multinacionais com o governo de São Paulo. Segundo relata a reportagem, as informações sigilosas partem de um documento de "acerto" atribuído a representantes das duas companhias. O material apresentado pela testemunha será encaminhado ao MP para que seja investigado.

As informações, que levam ao suposto esquema de corrrupção, detalham que a propina chegava ao Brasil por meio de empresas uruguaias que seriam sócias de companhias brasileiras pertencentes a lobistas. A testemunha também apresentou cópias dos contratos firmados entre a Siemens e as empresas uruguaias e reafirmou a participação das mesmas empresas sul-americanas em outros contratos em parceiras do Metrô paulista.

Esquema - Ainda de acordo com a reportagem, os contratos firmados pela Siemens e Alstom com empresas públicas brasileiras apresentariam superfaturamento de 30%, o qual era repassado para a MGE Transportes e corresponderiam a serviços de manutenção de 10 trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Segundo a testemunha, o montante destinava-se exclusivamente ao pagamento de propina, já que não havia prestação de serviços nos itens mencionados. O valor total reservado para os pagamentos aparecia em posição separada no contrato.

A testemunha descreve que o dinheiro entrava legalmente na conta de diretores como distribuição de dividendos. Sobre o contrato da Linha 5 - Lilás do Metrô de São Paulo, a denúncia é de que a Alstom teria influenciado a seu próprio favor os processos de licitação para obter vantagem sobre os concorrentes.

A reportagem do R7 divulgou as notas das citadas empresas multinacionais, em que afirmam seguir códigos de éticas e esclarecem não participar de qualquer tipo de negociação irregular. Já o Metrô de São Paulo e a CPTM afirmaram que desconhecem os fatos mencionados e que todos os contratos firmados obedecem à legislação brasileira.

A Alstom informa ainda, em nota à imprensa, que "a empresa está colaborando com as investigações e, até o momento, as suspeitas de irregularidades em contratos não foram comprovadas e não estão embasadas em provas concretas".

A Siemens sustenta não ter integrado consórcios nem participado da licitação do Metrô de Brasília. "Adicionalmente informamos não haver contrato em parceria ou consórcio com nenhum concorrente no que tange à manutenção de Metrôs, em particular o Metro de Brasília", ressalta nota à imprensa.

*Matéria publicada originalmente na Rede Brasil Atual

registrado em: